O Tempo Voa em Vídeo: Paulo da Farmácia

Paulo da Farmácia sendo entrevistados por Bartolomeu, durante festa dos 85 anos do Clube Abanadores O Leão, realizada em 1987.

Veja também outras entrevistas no mesmo evento:
Zeca de Abelardo
Rubens de Deus e Azinete
Arlindo Santos
Walther Lemos e Roberto Lemos
Geraldo Lima

Publicado em O Tempo Voa - Vídeos | Deixar um comentário

Cenas do Trânsito “Salve-se quem Puder”

Foto registrada em frente ao posto São Paulo, na Av. Henrique de Holanda.

Publicado em Editorial | Deixar um comentário

Paróquia Nossa Senhora da Conceição Aparecida realizará evento católico

Divulgaremos a programação em breve.

Publicado em Editorial | Deixar um comentário

Falta Dinheiro ou Vergonha?

Ainda continua o desrespeito por parte da Gestão Municipal com os pedestres que transitam pela calçada, próximo ao Terminal Rodoviário. Até parece, que o Prefeito, o vice e os secretários da gestão do Governo de Todos que estão com seus salários em dia, estão fazendo favor a população, pois um problema como este, de simples solução para a administração pública que vem se arrastando por muito tempo,  pode causar uma enorme diferença para as pessoas comuns que são obrigados a passar pelo local, correndo sério risco de acidente. Seria falta de dinheiro ou falta de vergonha mesmo?

Publicado em A Lupa, Editorial | Deixar um comentário

O Tempo Voa Documento: Convite (1994)

Recebemos do internauta Lucas Correia, o registro do convite para a solenidade que deu o título de Cidadã Vitoriense para a Dona Fernanda Paes, ex-prefeita de Glória do Goitá, de saudosa memoria.

Se você também tem algum documento, que de alguma forma fez parte da história de nossa cidade, mande para nossa redação, clicando aqui.

Publicado em O Tempo Voa Documento | Deixar um comentário

Como ficam os pedestres?

A nossa cidade, no quesito faixas de segurança, nada mudou, continua do mesmo jeito; ou seja, os pedestres continuam sendo desrespeitados e parece que nem tão cedo o problema será resolvido.

Fica a pergunta para a Diretoria de Trânsito da cidade, ou para Barbosa, que é lá de Belo Jardim, e atua na gestão do Governo de Todos como uma espécie de Gerentão, ou até para o próprio Prefeito, quanto será que deve custar essa lata de tinta? Ou será que a tinta  já está no almoxarifado da Prefeitura esperando a hora “certa” para ser usada?.

Publicado em A Lupa, Editorial | Deixar um comentário

O Tempo Voa: Alexandre Rogério (1999)

Foto: acervo pessoal do blogueiro

O atuante Alexandre Rogério. Foto registrada durante percusso do Bloco da Saudade, em 1999.

Publicado em O Tempo Voa | Deixar um comentário

Eternamente Blues por Nildo Ventura e Caverna, participação especial do guitarrista Davi.

ETERNAMENTE BLUES de Aldenisio Tavares e João Caverna, na voz de Nildo Ventura e Caverna, com a participação especial do grande músico DAVI e sua guitarra.

[powerpress url=../mp3/blues.mp3] Gostou da música? - Baixe a MP3 Aldenisio Tavares
Publicado em Vitória dos Artistas | 2 comentários

Quando será a inaugração?

No bairro da Matriz, bem pertinho da Casa dos Pobres, a Prefeitura fez uma reforma em um prédio alugado, que custou R$ 101.376,79 (Cento e um mil, trezentos e setenta e seis reais, setenta e nove centavos) para funcionar uma unidade do CEO (Centro de Especialização Odontológica) do programa Federal Brasil Sorridente - A saúde bucal levada a sério.

Muito bem, eu gostaria de saber, como também a população, o que é que a Secretária de Saúde Dra. Veraluci Lira, que é sobrinha do prefeito Elias Lira, está esperando para inaugurar aquela unidade. Será que estão aguardando ficar mais próximos das eleições, colocando assim em prática mais um dos ensinamentos da velha raposa política Dr. Ivo Queiroz, que tanto Elias como Aglailson foram alunos, que dizia que as "coisas" só devem acontecer bem pertinho das eleições, para não se correr o risco do eleitor esquecer.

Publicado em A Lupa, Editorial | 1 comentário

Cores e seu bom uso na decoração – Amarelo e Verde

Hoje veremos mais 02 cores: Amarelo e o Verde.

Amarelo

Uma cor QUENTE, que remete a luz, claridade e alegria e como alegria demais pode ser surto psicótico (rsrs), em excesso esquenta e pode irritar. Os tons de amarelo podem variar desde o claro, quase branco, o atenuado – como misturado com cinza – puxando para o creme, o mais frio, quase verde, até o mais quente, quase laranja. E todos estes tons geram sensações diferentes nos ambientes.

Na cozinha, sendo uma área já quente por natureza, devido ao fogo, o amarelo ficar melhor quando atenuado ou quando há elementos em branco. Repare na 1ª foto que o amarelo forte do fundo da cozinha é “temperado” pelo branco de todo o resto e ele cumpre a função de fazer a cozinha parecer menos cumprida, pois parede pintada em cores quentes dão a sensação de estarem mais próximas. Na 2ª foto o amarelo cobre as 2 paredes, mas é estampado com branco e, novamente, todos os elementos restantes são brancos. Veja que nas 2 fotos há alguns elementos em outra cor (verde e rosa escuro) que dão um tom contraste aos ambientes.  Já na área de trabalho da 2ª foto, o amarelo é quase ouro, uma cor que dinamiza, dá energia,coisa boa para ambiente de trabalho. Mas repare que o amarelo está da cadeira pois olhar esta cor o tempo todo cansa os olhos e, como disse, pode irritar.

No canto de leitura novamente o amarelo é atenuado e usado com o branco. A poltrona, em tem tom avermelhado e combina harmonicamente.  No 1º quarto o amarelo é quase creme e o branco e o verde ajudam a criar uma sensação de tranquilidade e leveza. Já no 2º quarto, a intenção é de criar um clima mais “quente e sensual”, com o amarelo mais forte o vermelho e os marrons.Na sala o amarelo traz luz e alegria, mas veja que neste exemplo, apesar de uso do branco e do amarelo estar somente nas flores da estampa da cortina e papel de parede,  ele beira ao excesso (se a cortina fosse lisa ou o papel de parede somente em uma das paredes ou em parte delas, para mim, o resultado seria mais harmonioso).

Verde

Como sabemos, o verde é a mistura de AMARELO + AZUL. E as diversas tonalidades do verde dependem da quantidade de AZUL e AMARELO que misturamos para obter a cor. Quanto mais AMARELO, mais a cor fica “quente” e refrescante. Quanto mais azul, mais a cor fica “fria” e tranquilizante. Isso porque as características da cor que é usada em maior quantidade é que sobressaem.

Mas além disso, todas as cores podem adquirir outras tonalidades ainda quando “misturadas” a cinzas (isso se chama “atenuar” a cor, diminuindo sua vibração).

Como você sabe o cinza é a mistura de preto e branco. E se você mistura um cinza que tem mais branco, temos os tons leves e diáfanos do verde. Se, ao contrário mistura um cinza que tem mais preto, encontra os tons mais fechados e sombrios do verde (o termo técnico para isso é saturação da cor). Veja no quadradinho que fiz abaixo, para entender melhor. Pode ser que você não consiga ver as cores corretamente devido às diferenças de cor entre os monitores que usamos, mas acho que a idéia fica clara, certo ?

Então, veja agora o efeito dessa teoria toda aí em cima nos ambientes abaixo:

O 1º e o 3º ambientes usam verdes com mais amarelo e não atenuados. Por isso são vibrantes. Para compensar toda esta vibração eles são usados com branco, o que “tranquiliza” um pouco o ambiente. Esta cor, por sua característica refrescante é boa para cozinhas, quartos de jovens e qualquer lugar onde você queria passar uma sensação de vivacidade, frescor, estímulo. Mas há que haver cuidado com o excesso, principalmente em ambientes pequenos.

Já o banheiro (2ª foto) e o quarto de bebê usam verdes atenuados, principalmente o quarto do bebê, um verde amarelado e atenuado com cinza claro. Perceba que não há vibração, mas sim uma sensação de tranquilidade, perfeita para um quarto de bebê.

Neste quarto e na última sala o verde foi bem atenuado com cinzas escuros, principalmente no quarto. A sensação que esta cor propicia é de um ambiente onde nos sentimos bem, protegidos, aconchegados. Veja que novamente o branco aparece, mas agora com a função de não diminuir o espaço e nem “sufocar” escurecendo demais. Na sala um verde com pouco amarelo e um pouco atenuado, perceba que ao mesmo tempo que dá uma ligeira sensação de frescor, também dá a sensação de aconchego. Outra coisa que podemos notar é como o marrom, a madeira, o cru, ficam bem com verde, não é mesmo?

Edson Santos Designer e Artista plástico edsonsantos@blogdopilako.com.br  
Publicado em DecorArt | 1 comentário

O Tempo Voa em Vídeo: Zeca de Abelardo

Zeca de Abelardo sendo entrevistados por Bartolomeu, durante festa dos 85 anos do Clube Abanadores O Leão, realizada em 1987.

Veja também outras entrevistas no mesmo evento:Rubens de Deus e AzineteArlindo SantosWalther Lemos e Roberto LemosGeraldo Lima

Publicado em O Tempo Voa - Vídeos | 1 comentário

TELEQUETE EM CAMPANHA

Revista Total - Nº 08 - JUNHO 2006 - Página 19

Hoje, vinte de setembro de 2011, estamos completando três anos de um triste acontecimento em nossa cidade, cujo a notícia, foi estampada na capa dos grandes jornais da capital, assim como, fez parte do noticiário político/policial das rádios de praticamente todo Estado, servindo também, como pauta de matéria para os blogs por vários dias. O triste fato protagonizado pelos “representantes do povo” deputado Henrique Queiroz e seu primo e também deputado Aglailson Júnior, que teve como palco, uma via pública da nossa cidade, que depois de agressões verbais, murros, tapas, pontapés e  até pistolas em punho, segundo informações da imprensa, a “cachorrada” foi parar no hospital e na delegacia da cidade.

Em clima de "guerra", os carros de som, de ambos os lados, foram para ruas narrando os fatos, cada qual na sua versão, dizia o carro de som de Henrique: “Violentos, de arma em punho, dizendo atira, atira, atira”; o carro de som de Aglailson dizia: “Violento, jogou o carro em cima da  irmã por causa de herança, eu tenho a carta onde ela  pedia  garantia de vida ao governador”.

Muito bem, quando o povo estava começando a saber um pouco mais da vida dos deputados “bonzinhos” da cidade a briga acabou. Na imprensa, ainda no calor do TELEQUETE, prometeram mutuamente denúncias no Conselho de Ética da Assembléia por quebra de decoro parlamentar, mas depois o assunto despareceu do mapa. Fica aqui o registro deste lamentável episódio que nem as rádios nem a televisão da nossa cidade vão lembrar na data de hoje.

Publicado em Editorial | 2 comentários

O Tempo Voa: Aniversário de 50 anos de Zito Mariano (1978)

Foto: acervo pessoal do blogueiro

Foto registrada durante o aniversário de 50 anos de Zito Mariano, em 1978 no Recanto do Gaúcho.

Publicado em O Tempo Voa | 1 comentário

Internauta reclama de entulhos

Recebemos de um internauta, que pediu para não ser identificado, a foto de um entulho que vem causando transtornos aos moradores da rua Major Lins, a rua principal do Dique.

"Faz duas semanas que esse entulho tá na rua e a prefeitura não faz nada, as casambas passam com a maquina finge não ver, agora um banner de divulgação na avenida o prefeito no outro dia manda trocar. Queria ver isso na rua dele." - disse o internauta.

Publicado em Editorial | 2 comentários

Falta de preocupação com a Saúde Pública

[portfolio_slideshow timeout=10000, nav=false, size=medium, showtitles=false, trans=scrollHorz, thumbs=false]

Recebemos do internauta Diego, morador da rua Horácio de Barros, fotos que registram a falta de preocupação da Prefeitura com a Saúde Pública. Trata-se de um rastro de sujeira deixado por porcos, que passam todos os dias naquela rua.

Publicado em A Lupa, Editorial | 1 comentário

Fala, Vitória!

Foto: Tadeu Prado
O trio de radialistas que aparece na foto é composto por três tagarelas do rádio vitoriense. Da esquerda para a direita de quem vê, são eles: Breno Ramos, Samuca Voice e Francisco Lima. Breno atende pela metonímia 'A Pérola Negra do Rádio', Samuca é o imitador, e Francisco Lima é o disc jóquei dos recadinhos amorosos. Mas, o presente que recebi de Breno Ramos não é coisa só de rádio, é negócio pra cinema. Duas edições de sua coletânea de Sucessos do Rádio, intitulada "Saudade Antiga". Na foto, a edição nº 4. A foto deve ser da Rua do Bom Jesus, lá em Recife. Dá só uma sacada no cardápio musical que o menino de Campo Grande pescou para nós.
Hebe Camargo - Quase Núbia Lafayette - Eu te amo Dolores Duran - Estrada da Saudade Emilinha Borba - Dez anos Maysa - A noite de nós dois Dalva de Oliveira - Vida da Minha vida Francisco José - Nem às paredes confesso Altemar Dutra - O troco Miltinho - Meu nome é ninguém Miguel Ângelo - Prova de amor Cauby Peixoto - Inveja Roberto Silva - Espelho da vida Silvinho - Amor Proibido Paulo Molin - Serenata Suburbana Nelson Gonçalves - Doidivana Francisco Egídio - Abandonado coração Orlando Dias - Mentiste-me Anísio Silva - Meu tema é você Sosígenes Bittencourt
Publicado em Fala, Vitória! | 4 comentários

Ricardo Rico canta “Paciência” – composta por Lima

Hoje disponibilizamos a música "PACIÊNCIA", composta pelo vitoriense Lima da prefeitura, na voz de Ricardo Rico (foto).

[powerpress url=../mp3/ricardo_rico.mp3] Gostou da música? - Baixe a MP3 Aldenisio Tavares
Publicado em Vitória dos Artistas | Deixar um comentário

Fica difícil de entender.

Recentemente, fizemos uma matéria sobre a falta de critérios por parte da Diretoria de trânsito da Prefeitura, na questão das pinturas de meio fios da Avenida Silva Jardim. Muito bem, na rua Melo Verçosa, em frente ao Cartório de Zé Borba, tem uma placa indicando ESTACIONAMENTO REGULAMENTADO e o meio fio pintado de amarelo. Ora, a cor amarela nos meio fios, assim como nos semáforos, tem como função chamar a atenção do condutor para a sinalização (regulamentação ou proibição) ou seja, quem pintou ou mandou pintar esse meio fio está precisando de uma boa reciclada.

Apenas a titulo de sugestão, o prefeito bem que poderia usar os conhecimentos e experiência, do Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico Hildebrando Lima, patrulheiro Rodoviário Federal aposentado, para tentar colocar ordem no já conhecido trânsito “salve-se quem puder" de nossa cidade.

Publicado em A Lupa, Editorial | 1 comentário

Esgoto a céu aberto

Como não se bastassem os buracos espalhados por nossa cidade, as ruas e vielas no entorno da Rua Primitivo de Miranda é outro péssimo exemplo da falta de sensibilidade da Prefeitura com todos nós, vitorienses. Lá, não há saneamento, o esgoto corre a céu aberto. Sequer há preocupação da prefeitura em retirar lixo ou fazer uma simples limpeza dos “matos” do local, na tentativa de diminuir aquela situação.

A Assistência Social é um direito obrigatório para quem dela necessite, devendo os órgãos públicos assegurar ao cidadão políticas básicas, mas aqui em Vitória parece que a coisa destoa do contexto, afinal, diante das fotos registradas por nossa equipe, na Rua Primitivo de Miranda, fica difícil acreditar que os nossos governantes se preocupam com a população mais carente de nossa cidade. Nós últimos 10 anos nem o ex-prefeito José Aglailson muito menos o atual prefeito Elias Lira, nada fizeram de concreto para transformar aquela situação, uma coisa que ambos sabem fazer: é usar do assistencialismo com vistas eleitorais. A população, carente que é, acaba trocando o seu voto, em detrimento de ações que já são asseguradas por lei. Lamentável.

Publicado em A Lupa, Editorial | 1 comentário

Internauta envia vídeo

O internauta Ricardo nos enviou um vídeo com o seguinte comentário: "Era bom que essa porca fosse fuçar o lixo na casa de seu Beto, que ele ta ganhando da prefeitura e num resolve nada."

Publicado em A Lupa, Editorial | Deixar um comentário

Jovem advogado comemora registro na OAB.

Parabenizamos o jovem bacharel em direito André Gouveia, por ter alcançado mais uma etapa em sua vida profissional. O jovem passou na concorrida prova na OAB, obtendo o registro para trabalhar na profissão. Estive em seu "churrasco de comemoração" compartilhando da alegria. Confira:

Publicado em Editorial | 1 comentário

Gamela de Ouro: 47 anos de muita tradição

Em meados de setembro de 1960, Fernando Carneiro abriu um restaurante com o nome de Iapuãna, sendo vendido ao seu irmão 4 anos depois, Clodoaldo Carneiro, conhecido como Dódó da Gamela. mudando assim, em 19 de setembro de 1964, o nome do restaurante para GAMELA DE OURO. Depois do falecimento do Dódó, os seus filhos deram continuidade a este restaurante que completa HOJE 47 anos de muita tradição em nossa cidade. Parabenizamos o amigo Bruno Carneiro pelo empenho em preservar uma tradição que já faz parte da família vitoriense.

Publicado em Editorial | Deixar um comentário

3º Baile Classe “A” dos Mongues com Orquestra Super Oara

Publicado em Editorial | Deixar um comentário

Moradores reclamam de buraco perigoso.

Na principal rua de ligação dos bairros do Maranhão e Lídia Queiroz com o centro da cidade, tem um buraco que está fazendo medo, que segundo alguns moradores, já houve vários acidentes no local. Portanto fica a cobrança e a denúncia dos moradores daquela localidade ao poder público, que precisa colocar na ordem do dia a administração da cidade e esquecer um pouco as questão eleitorais.

Publicado em A Lupa | 1 comentário

Está faltando ação

[portfolio_slideshow timeout=10000, nav=false, size=medium, showtitles=false, trans=scrollHorz, thumbs=false]

Nossas lentes flagraram, neste fim de semana, em bairros diferentes da cidade, porcos “passeando” livremente pelas as ruas e calçadas, fuçando lixo e atrapalhando o tráfego de veículos, colocando em risco a vida das pessoas. A pergunta continua, quando é que a prefeitura vai cobrar do senhor Beto Lira, que é sobrinho do Prefeito, uma ação mais ativa, já que ele é a pessoa, segundo comentários, responsável pelo recolhimento dos animais.

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

O Tempo Voa: Desfile comemorativo do Tiro de Guerra

Foto: acervo pessoal do blogueiro

Na foto: Célio, Eudes, Carlos Peres e Willams.

Publicado em O Tempo Voa | 1 comentário

Convite

Publicado em Editorial | Deixar um comentário

O bom tratamento

O ser humano é cativo do bom tratamento. Há diferença entre VER e OLHAR, OUVIR e ESCUTAR. Olhar é ver com atenção. Escutar é ouvir com atenção. Há quem conquiste, mostrando. Há quem conquiste, olhando. Há quem conquiste, falando. Há quem conquiste, escutando. A paciência é a maior das virtudes, porque não há virtude sem paciência.

Sosígenes Bittencourt
Publicado em Fala, Vitória! | Deixar um comentário

Banda Fascina canta “Te quero amor”.

"TE QUERO AMOR" samba de Guga, Junior e Paulo no Cd vol. 02, É pra sambar, swingar e se apaixonar, da Banda Fascina.

[powerpress url=../mp3/fascina.mp3] Gostou da música? - Baixe a MP3 Aldenisio Tavares
Publicado em Vitória dos Artistas | Deixar um comentário

Fim de Semana Cultural:
Maria Martha (conto) – por Arquiles Petrus

São quase onze horas e ele ainda não ligou. Ele nunca deixa de ligar quando está atrasado, o que será que aconteceu? Vou me deitar na sala, ali perto do telefone talvez ele ligue, aí já atendo logo não é? Nossa como o teto está nojento, preciso passar uma vassoura ali, está cheio de poeira. Espere aí, hoje é sábado. É isso! Esse sacana deve ter ido pra algum bar com aquelazinha. Será? Não. Ele não faria isso comigo. Ou faria? Não, não, acho que não. É... ele deve estar no futebol com os amigos lá naquele campinho perto do apartamento. Será? Mas noite de sábado... é, deve ser isso mesmo. E depois do futebol deve ter ido para algum barzinho com os amigos. Espere aí. Barzinho com amigos? Não gosto de Alberto e aqueles outros amigos dele, são todos uns galinhas e ainda mais, colocando ele pra beber! Minha nossa, eles devem ter ido de lá pra algum daqueles bares de beira de estrada.

Odeio quando ele chega aqui todo sujo com aquele bafo de cachaça. Me chamando de amor, de anjinho. Meu bem pra cá. Meu bem pra lá. Todo doce. Da última vez que ele chegou assim quase que lhe dei uma surra. Estava totalmente bêbado. Hum... as vezes gosto quando ele bebe, na hora do vamo-ver ele sempre dá conta do recado. Mas só quando toma uma. Minha nossa, e como dá conta do recado. Espere aí, da última vez que ele apareceu assim, tava todo-todo com cheiro daqueles perfumes baratos, tipo Gabriele Sabatine da pior qualidade. Argh! Se ele me aparecer com esse cheiro de novo, juro, mas juro mesmo, que dessa vez ele me apanha. Se eu descobrir que aquele filho-da-mãe tá saindo com aquela raputenga, ah, ele me paga. Minha nossa, são quase onze e oito, e ele não chega e nem sequer dá um telefonema. Sim, tudo bem que todo homem é atrapalhado pra se arrumar, mas já faz muito tempo que tô aqui esperando. Aquela piranha deve tá com ele. Ele deve tá me traindo... Mas, será? Quer me trair? Que me traia, mas com ela não, ela não! Minha nossa, estou chorando, não acredito que ele fez isso comigo. Espelho. Preciso de um espelho. Ahhh chorar não! Seja forte mulher, aquele galinha não merece você. Olhe, você é linda. Claro. Você é uma gata. Pronto. Sem chorar. Mas, se aquele galinha estiver com a raputenga... espere, espere, sem chorar, vamos. Pronto. Ahh, ele não faria isso comigo. O telefone. Corre. Tá tocando. Pronto. Alô, Eduardo? Quê? Não, aqui não mora nenhuma Lorena, não. Ah, minha senhora, num tem nenhuma Lorena. Mas. Não. Não sou Lorena. Minha senhora... Mas era só o que me faltava. Será que ele ligou e deu ocupado? Minha nossa. Que droga, tudo culpa daquela maluca procurando a puta da Lorena. E eu sei lá quem é Lorena! Esqueci de tirar as teias do teto! A vassoura, cadê a vassoura? Pronto. Ainda falta ali. Não alcanço. Só se for com aquela cadeira. Ah, ele vai me escutar sim. Isso lá são horas? Pronto. Teto sem poeira. Espelho. Cadê o espelho. Pronto, continuo linda, você é uma gata. Ele sabe que odeio esperar. O DE IO. Ah, ele vai se ver comigo, a vai, a regra agora é um mês sem sexo, quero só ver. Vou deixá-lo maluco, mas nananinanão! Nada de sexo. Tô com fome. Aquele galinha disse que queria jantar comigo para comemorar o nosso aniversário. Mas é muito filho-da-mãe. Deixa-me ver: pão, maionese, picles, mortadela. Isso, isso e isso. Pronto. Onde coloquei a maionese? O telefone. Corre. Minha nossa. Espera, já tô indo. Pronto, alô? Oi mãe... tudo bem mãe. É mãe. Não mãe. Já mãe. Tá mãe. Humrum vou tentar mãe. Tchau mãe... Eu não agüento mais, vou chorar de novo, ele não me ama mais, tenho certeza. Ele tá com outra. Eu sabia, aqueles telefonemas todos, sabia que era outra. E é ela, eu sei, tenho certeza que é ela! Devem tá saindo de algum barzinho, indo pra algum motel. Motel? Ele nunca me levou num motel... ele não me ama... vou ligar. Mãe? Acho que ele tá me traindo mãe... Choro, choro sim, e a senhora queria que eu ficasse como mãe? Não mãe, eu tenho certeza, ele ta me traindo com ela mãe! Não me peça pra parar de chorar mãe, dói muito. É mãe, com aquelazinha, lembra? Minha nossa, a campainha. Corre, corre, corre. É ele. Espelho. Cadê o espelho. Pano, pano, preciso enxugar isso. Pronto. Linda. Perfeita."

Ela abriu a porta.

"Ai amor, você é fofo sabia? São lindas, adorei. Ai amor, você nunca esquece do aniversário da gente não é? Te amo muito sabia?"

"Alô, mãe? Ele chegou, depois te ligo tá? Mãe, to tão feliz... você acredita que ele parou no caminho pra me comprar rosas? Muito fofinho ele, não é, mãe? Beijos..."

"Amor? Vamos?"

Arquiles Petrus - Escritor membro da Academia Vitoriense de Letras

Você também é escritor, poeta ou compositor vitoriense? Envie o seu texto para ser publicado no fim de semana cultural. E-mail: contato@blogdopilako.com.br

Publicado em Fim de Semana Cultural | Deixar um comentário