Eleições Municipais Vitorienses 2020: até agora, mais dúvidas do que certezas…

Em função dos efeitos e desdobramentos da pandemia do novo conavírus, como previsto, as eleições municipais 2020 sofrerão adiamento – 04 de outubro para 15 de novembro. Aliás, vale salientar, também, que não só as datas de votação do primeiro e segundo turno foram alteradas como parte do calendário eleitoral a ser cumprido daqui para frente.  As convenções partidárias, por exemplo, antes previstas para o período de 20 de julho a 05 de agosto, ocorrerão entre os dias 31 de agosto a 16 de setembro.

Não há disputa eleitoral sem uma boa dose imprevisibilidade. As que se avizinham, muito antes da pandemia, já eram vista como uma espécie de “laboratório” em virtude da impossibilidade das chamadas “coligações proporcionais” e da perspectiva do partido político conseguir vaga no parlamento sem que o mesmo tenha atingido o coeficiente eleitoral.

Pois bem, com o Brasil mergulhado nesse mar de incertezas pandêmicas, convenhamos,  pairam no ar uma série variáveis que tornam os pleitos  municipais ainda mais  imprevisíveis. Como estará o humor do eleitor no dia da eleição?  Em função das mortes e do desemprego o eleitor se interessará por campanha política? Com medo de se contaminar será que o eleitor estará  disposto em apertar a mão dos políticos? Qual será o peso da internet no pleito?

Na nossa “aldeia” – Vitória de Santo Antão –, até agora, o clima de campanha nas ruas está mais fraco do que caldo de peixe. Com efeito, o prefeito, candidato à reeleição, por impedimento, não consegue inaugurar nada com o alarido desejado, algo  tão comum em ano eleitoral na nossa cidade.

Nos grupos opositores, até agora,  mais dúvidas do que certeza: pelo grupo amarelo quem será o candidato a prefeito:  Elias, Joaquim ou Paulo? Pelo PDT, André Carvalho ou Doutor Saulo? Toninho e Moacir da Mandioca seguirão firme com suas postulações?  O Partido dos Trabalhadores, Antonio de Lemos e Edmo Neves apresentarão nomes consistentes à disputa majoritária?

Até o presente momento, das poucas notícias que tem chegado boa parte devemos colocar no campo da especulação ou mesmo no “departamento do fuxico e da fofoca”. De concreto mesmo, até agora, é que o pleito municipal, sob os efeitos da pandemia, de maneira geral, nunca esteve tão distante da população…

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Por motivos opostos o dia 27 de junho marca – para sempre – a história das Igrejas do Rosário e da Matriz.

No constante diálogo histórico entre o passado e o presente, temos apenas uma certeza: o presente de hoje, amanhã, será passado e o futuro de hoje se materializará, em breve,  como presente fugaz,  na passagem para o tempo pretérito, mas não como “peça” morta e  sim como elemento vivo que sempre será revistado.

Assim sendo, nessa dialética constante, o dia de hoje, 27 de junho, pelo menos por dois recortes temporais distintos, mas ligados entre si, ficarão catalogados para sempre na história antonense, sobretudo no que se refere aos dois emblemáticos templos católicos - Matriz de Santo Antão e Nossa Senhora do Rosário.

Hoje, 27 de junho, ficará marcado na história da nossa cidade como o dia da reabertura da Igreja Matriz de Santo Antão aos fiéis,   após longo período fechado, em virtude dos severos efeitos da pandemia do novo coronavirus.  Evidentemente, algo para ser  celebrado  com alegria,  e principalmente com esperança e fé.

Já o dia 27 de junho de 1880, há exatos 140 anos, a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos serviu de palco para um dos piores momentos já vividos na nossa cidade. O evento sangrento,  que ficou conhecido como a “Hecatombe do Rosário”, deixou um rastro de morte desilusão no seio da nossa sociedade cujo templo, em função do holocausto, foi obrigado a fechar as  suas portas por um longo período.

A história é assim: viva, vibrante e, às vezes, contraditória... No 27 de junho de 2020, celebramos a reabertura da Igreja da Matriz com a alegria. Já no 27 de junho de 1880,  fomos obrigados a fechar as portas da Igreja do Rosário,  num cenário tristeza e dor... Assim é a vida que segue.

Esse, portanto, é  mais um capitulo da história viva da nossa Vitória de Santo Antão.

Publicado em A Lupa, Hoje na História, O Tempo Voa Documento, Vitória Ontem e Hoje | 1 comentário

Igreja Matriz de Santo Antão retoma as missas presencias a partir deste sábado (27)

Durante o dia de ontem (26) grupos vinculados à Igreja Matriz de Santo Antão, sob a coordenação do Monsenhor Maurício Diniz, dedicaram o dia à limpeza e aos ajustes finais para a tão esperada reabertura do templo,  no sentido da retomada das missas, após imperiosa interrupção em virtudes da pandemia do novo coronavírus.

Portanto, hoje, sábado, 27 de junho, acontecerão duas celebrações: 17h e 19h. Vale lembrar aos fieis que medidas preventivas de distanciamento social foram tomadas. Os tradicionais bancos de madeiras deram lugar às cadeiras plásticas (apenas 100 cadeiras). As mesmas serão ocupadas seguindo o critério da ordem de chegada. Já no domingo ocorrerão cinco celebrações – 6:30h, 9h, 11h, 17h e 19h – seguindo o mesmo critério de ocupação – espaço para 100 fieis e por ordem de chegada – as transmissões remotas serão mantidas.

Portanto, em tempos de pandemia, essa retomada torna-se um ato emblemático para os antonenses católicos. Aos poucos,  e como novos protocolos sanitários,  a vida está começando a entrar nos eixos.

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Nota de Falecimento: Doutor Dorgival Soares de Souza.

Faleceu ontem (26) no Recife, após intervenção cirúrgica, o Magistrado Dorgival Soares de Souza, muito conhecido na nossa cidade como “Doutor Dorgival”. Nascido em 01 de abril de 1950 (70 anos), deixa esposa e quatro filhos. Em Vitória de Santo Antão, na qualidade de juiz, exerceu ofício entre os anos 1991 a 1995.

De origem pobre, Doutor Dorgival antes de se formar em direito,  no estado de Alagoas, exerceu outras funções laborais (taxista, garçom, marinheiro e etc). Como advogado atuou com destaque em vários sindicatos – Sindicato dos Arrumadores de Recife e Maceió e Sindicato da Polícia Cível em Santo Amaro.

Como Juiz, além de Vitória, Doutor Dorgival atuou em várias comarcas e acumulações: Petrolândia, Tamandaré, Rio Formoso, Barreiros, Gravatá, Escada, Gloria do Goitá, Moreno,  Surubim,  Caruaru e Recife. Em praticamente todas as cidades que trabalhou, pelos relevantes serviços, foi condecorado com os respectivos “Título de Cidadão”, inclusive em nossa cidade.

Sujeito considerado “boa praça”, Doutor Dorgival deixou muito amigos no seio da sociedade  vitoriense. Com seus auxiliares,  no Fórum local – Rubens do Cartório, Abraão, José Luiz, Alcemi, Edson Ferreira, Edson Farias, Severino Ramos e etc – o mesmo construiu boas relações de afeto.

Doutor Dorgival tinha uma estreita relação com a música. Certa vez, por ocasião de um evento festivo, ocorrido na residência do meu tio,  Romildo Mariano, em que realizou uma apresentação musical, disse em alto e bom som: “só me arrependo de uma coisa: não ter me dedicado a música mais cedo”.

Seu velório (sepultamento) ocorre hoje (27/06/20), das 08h às 14h, no Cemitério Morada da Paz – Paulista.

Publicado em A Lupa | 5 comentários

Momento Pitú

Galera, a gente sabe que não vai ser fácil passar o São João longe da turma. Por isso mesmo é que vamos deixar a resenha mais massa. Tá passando as festas juninas em casa? Então posta uma foto e marca @pitu. Quem sabe você não aparece por aqui?

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

…e o São João era assim… – Por Alfredo Sotero (em 1947)

Texto publicado no Jornal O Victoriense em 23 de Junho de 1947 – há exatos 73 anos.

Quando o Brasil era brasileiro e não havia comunistas, nem as moças solteiras sabiam as coisas que sabem hoje, o São João era tão lindo!

De manhã, os bacamartes estrondejavam defronte da igrejinha, nas perigosas viradas do cocho; e os meninos acordavam assustados, querendo saltar da cama de camisola arrastando, para verem como se acordava São João, que a lenda suave dizia que estava dormindo sem parar, no silêncio do céu.

De noite, depois de cear pamonha de côco, canjica, milho verde assado, milho verde cozido, bolos sem conta, a gente ia acender a fogueira votiva que ardia estrelejando o espaço com milhões de trêmulas centelhas. E ia ver no espelho ou na bacia com água, à luz fugaz, às próprias faces, para saber se para o ano ainda estava vivo. E a Maroquinhas, a moça nervosa, espiava e não via, por mais que fizesse, e saía chorando pela casa, a dizer a todos que no ano seguinte já não era deste mundo.

E os “mosquitos” passando pelos pés da gente, as meninas correndo e chorando, para as queixas sem fim às mamãezinhas, contra os meninos desesperados, que só queriam jogar nelas os “diabinhos”…

E o Sebastião, um moleque escanzelado e fedorento, que tinha fé em São João, mas muito em Nosso Senhor Jesus Cristo, e espalhava as brasas da fogueira, que parecia então uma enorme melancia de fogo e madura, aberta, sobre cujas as brasas o moleque danado passava, indo e vindo, como se pisasse flores, mostrando a força da fé…

E os rapazes da vila, depois que as devotas voltavam do terço, para se mostrarem às namoradas, acendiam os buscapés, que abriam na noite as faixas fulgurantes, como línguas de prata líquida, que, soltos no ar negro e calmo, cabriolavam, tombando depois sobre a terra, numa agonia luminosa, estertorante, envoltos num sudário de luz irisada e diáfana, como uma aurora sidérea, nas desoladas regiões polares.

Tudo passou. Calaram-se os bacamartes que os doutores desbrasileirados sepultaram nos báratros do oceano. Tudo se foi. Somente a saudade no coração da gente que ainda vive, vinda daqueles tempos felizes, ainda chorando na estrada do tempo. E quando todos morrerem tudo será silêncio, que é o tumulo branco das recordações extintas.

Alfredo Sotero de Farias, foi natural de Apoti, (Glória do Goitá), diplomado em Farmácia e Química, exerceu sua profissão em Laboratórios. Freqüentando, desde a adolescência, esta cidade e possuindo acentuado pendor para as letras, colaborou na imprensa local e na interiorana, passando a ser assíduo colaborador do Jornal do Commércio, do Recife. Foi um dos fundadores da “Academia de Letras dos Supersticiosos”, com Samuel Campelo, Célio Meira, José Miranda e outros. Em dezembro de 1915, adquiriu e instalou a Rua Barão de Rio Branco nº 22 uma tipografia (Tipografia Gutemberg), que depois vendeu a Célio Meira, na qual foi impresso o bi-semanário “A Coluna” (1916 – 1919), um dos mais bem elaborados jornais do interior. Faleceu em 1981.

Publicado em A Lupa, Vitória Ontem e Hoje | 1 comentário

Meu elogio ao trabalho de resgate e preservação histórica de Cristiano Pilako – por Marcus Prado.

Enalteço e dou o meu testemunho de respeito e gratidão a Cristiano Pilako, como vitoriense, e elogio pelo inestimável trabalho de documentação histórica e iconográfica de minha terra natal que ele vem realizando, há muitos anos, por meio das suas redes sociais, destacadamente através do seu blog, do qual sou leitor diário. Um trabalho, me parece, sem equipe, que é de surpreender pela sua pontual atualização diária e diversidade temática. Que exige tempo, disponibilidade para pesquisa, idealismo, colaboração dos leitores amantes da terra natal, patrocinadores.

Na falta de uma imprensa, ao menos com periodicidade mensal, para o registro dos fatos e coisas da cidade, Pilako tem suprido tudo isso com o seu equipamento noticioso, e o faz com o cuidado da isenção e com foco na preservação da memória, para mim, de um valor inestimável.

Ele é um continuador daqueles estoicos animadores culturais e vultos da Imprensa local, da geração de um professor José Aragão, de um José Miranda, de um Waldemar Custódio de Lima, de um João Albuquerque Alvares, e, mais recentemente, de um José Edalvo, de um Bayma. Sem esquecer o tesouro deixado por Dilson Lira, que talvez exista ainda, como documentário fílmico da cena social e política de nossa cidade, no passado. Um tempo vitoriense foi visto pelas câmeras desse abnegado comunicador vitoriense. Tinha como apoiador, que nunca lhe faltou, o empresário e mecenas Biu Cândido e, depois dele, o Alexandre Ferrer.

Sem o legado, devidamente catalogado, do que escreveram e produziram esses tantos cronistas do nosso passado, - uma missão do Instituto Histórico, pelo que contribuíram por todos os meios para o registro do nosso passado, não se dará continuidade à obra, monumental, do professor Aragão.

Não sei se o blog de Pilako já está nas nuvens, fator primordial, sabemos os que lidam com a Internet, para que esse acervo/patrimônio não

seja desfeito e perdido, se está protegido com um Software de Virtualização de Redes e Segurança.

Minha sugestão é que equipamentos digitais como o de Pilako, passem a integrar (pelo formato diferenciado de que ele vem construindo) o Centro de Estudos de História Municipal, com sede no Recife, que tem por objetivo promover o resgate da memória municipal, estimulando os historiadores a preservarem o rico acervo documental do Estado e a registrarem fatos e informações histórico-culturais dos municípios pernambucanos. O CEHM - criado em 1976, dentro da estrutura organizacional da Fundação de Desenvolvimento Municipal do Interior de Pernambuco - FIAM, e em 1999, passou a integrar a Fundação de Desenvolvimento Municipal – FIDEM - teve como um dos seus fundadores, o professor Aragão. Deve albergar, modernizando-se, iniciativas virtuais como a do vitoriense Pilako.

Parabéns, Pilako, pelo seu heroísmo, pelo seu projeto de documentação histórica, pelo seu MUSEU VIRTUAL DA IMAGEM E DO SOM.

Marcus Prado - jornalista. 

Publicado em A Lupa | 1 comentário

Eleições 2020: eleitor desinteressado, muitas incertezas e dinheiro sobrando!!!

A pandemia do coronavírus  espatifou o calendário de 2020 nos quatro cantos do mundo. Isto é: alterou a rotina de tudo e todos. Com efeito, no nosso Brasil, apenas para ficar no processo das eleições municipais (2020),   até a tão rigorosa agenda eleitoral também segue deslizando  na pista do gelo das incertezas.

Hoje, 20 de junho, estamos a exatos trinta dias do início do período reservado às chamadas “convenções partidárias” – 20 de julho a 05 de agosto. Não se sabe ao certo como tudo isso irá acontecer. Se antes, sobretudo nas cidades do interior, esse momento já servia como uma pesquisa eleitoral informal para o  pleito, agora possivelmente todo aquele “vuco-vuco”  não passará de um “game” computadorizado, ou seja: “Convenção Online”  algo, convenhamos,  totalmente estranho ao modelo de sempre.

Trazendo para nossa “aldeia” os impactos visíveis e invisíveis da pandemia, no que se refere ao pleito municipal que se avizinha,  podemos dizer que, assim como a maioria da população das cidades brasileiras, de maneira geral, o eleitorado antonense não está ligado e interessado nesse processo.

Ainda com os olhos voltados ao modelo eleitoral local de antes,  quando os chefes políticos - após o carnaval -  “caiam em campo” para aproximar-se  dos eleitores nos mais diversos eventos – “aniversários fabricados”, “cultos inventados”,  “campeonatos relâmpagos”, encontros sociais e etc -  justamente para “aquecer” a tropa  e arregim$ntar novos soldados, convenhamos que a pandemia, definitivamente,  “quebrou” essa etapa.

Outra coisa que a orientação sanitária do isolamento social “fraturou”, por assim dizer, foi à exposição dos pré-candidatos a prefeito. Se antes do cornavírus os pré-postulantes locais já não tinham visibilidade, agora mais ainda. Por uma parte eles estão sendo recompensados, isto é:  estão economizando dinheiro, principalmente com aqueles “viciados” e “profissionais” na arte do leilão eleitoral.

Com a intenção de atenuar os efeitos da não campanha de rua – que pelo calendário posto deveria começar a partir do dia 16 de agosto – fala-se no Congresso Nacional no adiamento do pelito para os dias 15 de novembro e 06 de dezembro – 1º turno e 2º turno,  respectivamente.

No que se refere ao movimento político dos candidatos a vereança, em se mantendo esse modelo de campanha sem visibilidade e sem movimentos de rua, convenhamos que os atuais ocupantes das cadeiras da Casa Legislativa Municipal partem na frente com certa vantagem.

Portanto, como falei no inicio, a pandemia do coronavírus espatifou calendários e agendas. De certo, por enquanto, “apenas” a bagatela de mais de  DOIS BILHÕES (R$ 2.034.954.823,96) para ser "investido" em tudo isso, com ou sem campanha. Durma com uma bronca dessa!!!

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Momento Pitu!!!

Só passa vontade vendo essa foto quem ainda num conhece o Dose de Parceria. É só olhar nos destaques do insta @pitu e escolher teu prato preferido. Vai lá pedir!
Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

A formação da nossa cidade no centro do debate!!!

Em tempos de recomendação de isolamento social,  por conta da pandemia do coronavírus, as novas ferramentas tecnológicas ganharam ainda mais relevância no contexto disseminação da boa informação. Assim sendo, aceitei o convite do amigo Pedro Cavalcanti para um bate papo sobre a formação da nossa Vitória de Santo Antão,  ao longo desse quase 400 anos de sua existência.

 Na qualidade de um eterno estudante sobre a história do nosso torrão, quando solicitado, fico feliz em poder em poder contribuir com essa pauta. Num papo aberto, descontraído e com muita interação dos internautas, conversamos bastante. Parabéns ao amigo Pedro por promovido esse nosso encontro virtual.

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Infelizes exemplos: movimentos antirracismo e Câmara de Vereadores da Vitória.

Interpretar, entender e escrever os fatos históricos não é algo tão simples. Uma narrativa desconectada dos elementos científicos que obrigatoriamente devem nortear à boa historiografia, mais adiante,  será  desidrata  à luz dos inevitáveis questionamentos. Com efeito, não estou afirmando que os historiadores são imparciais. De uma forma ou de outra, bom ou ruim, quero dizer que não existe neutralidade nas narrativas históricas.

O dinamismo dos constantes acontecimentos, distribuídos na chamada linha do tempo, nos proporciona extraordinárias oportunidades pedagógicas de interagirmos com fatos distintos e, ao mesmo tempo, interligados. Nesse caldeirão, por assim dizer, gostaria de criar pontos de convergências entre dois movimentos  - um no mundo e o outro em Vitória de Santo Antão -  que aparentemente nunca se comunicariam , mas, se bem observado, agora,  estão dialogando  na mesma direção,  ou seja: no sentido da miopia histórica.

Tendo como epicentro o país mais rico do mundo -  EUA -   movimentos populares/sociais deflagrados pela morte selvagem de um americano negro por um policial branco que, entre outras coisas, pedem pelo  fim do preconceito racial, recentemente  ganhou um capitulo irracional do ponto de vista da reação coletiva, isto é: destruir estátuas e monumentos. Esse tipo de ação, promovida por grupos irados e desorganizados mentalmente,  é uma estupidez dupla.

Primeiro, porque não é destruindo estátuas de “vultos” do passado que se altera os fatos. Os acontecimentos de outrora -  se aos olhos do tempo de hoje incômoda parcela da população -  devem os mesmos serem  pedagogicamente ressignificados, na perspectiva das  gerações vindouras.

Segundo, porque devemos respeitar a vontade daqueles que escolheram e atribuíram algum valor ao referido homenageado.  Não cometamos, por ignorância, o chamado anacronismo histórico,  ocasião em que somos impulsionados a balizar os acontecimentos  do passado com os olhos e conceitos do tempo atual,  descontextualizando-os,   assim,  do “tempo e espaço” do fato ocorrido.

Já em nossa “aldeia” – Vitória de Santo Antão – o “apagão” racional,  no quesito desprezo à memória dos nossos  antepassados, tem nome e sobrenome e se alimenta de dinheiro público. Ou seja: vereadores e Câmera de Vereadores. Explico:

De um tempo pra cá, infelizmente,  virou moda alguns vereadores , por indiferença, bajulação ou cálculo político,  propor  e alterar -  com a anuência dos pares -   nomes de ruas com a mesma naturalidade e simplicidade com que muda o nome do seu gatinho ou papagaio de estimação.

Nesse contexto duas tristes constatações: suas excelências desconhecem a história da cidade e jogam, também,  uma espécie de "lama do desrespeito" em cima da memória dos parlamentares que lhes antecederam e,  soberanamente,  deliberaram pelas “justas” escolhas daquele  momento.

Como já falei anteriormente, a história é dinâmica e os fatos se entrelaçam. Nos EUA, na Inglaterra ou em Vitória de Santo Antão  os acontecimentos  do passado e do presente ganham vida para dialogar  entre si e promover, doravante,  uma  oportunidade de  reciclagem  nas ideias como também - algo que nunca poderia deixar de ser -  respeito  à memória daqueles que  já fizeram a viagem sem volta e não estão mais aqui para se defender.

Publicado em A Lupa | 1 comentário

EDUCAÇÃO MUSICAL – Noções básicas de harmonização (PARTE 2).

Todo frevo está composto, pronto, e, as peças estão escritas nas regiões agudas, médias e graves, onde deve cada músico ter a humildade de saber e, conhecer seus próprios limites técnicos, físicos, práticos, para neste momento de dificuldade existente, possa realizar os Intervalos de terceira. Por exemplo: se tem uma nota (Bb) agudo e, estamos na terça-feira de carnaval a tarde embaixo de um sol, bastante quente, e, percebemos que não iremos conseguir soprar e executar este (Bb) agudo de forma limpa, audível, e, segura, realizamos a contagem matemática, apartir do (Bb) agudo, para (G), também agudo, onde se a armadura da peça deste frevo que está sendo executado, está armado com (3) bemóis, Bb/Eb/Ab, podemos também experimentarmos um (Eb), agudo, onde haverá um acorde, uma harmonização baseada no tom principal deste frevo executado. Estamos falando em um momento que, os lábios de cada componente da orquestra de frevo, já estão cansados por estarem no último dia de carnaval, e, sentindo o cansaço conseguido nos movimentos expressivos: afrouxa/aperta/aperta/afrouxa. Em outras palavras: grave/médio/agudo/agudo/médio/grave, então, cada componente dos trombones que estão fazendo as perguntas e, os trompetes também, inclusos nesta tarefa, enquanto as palhetas (Altos/Tenores), respondendo, e, as Tubas marcando, teremos uma qualidade sonora, harmônica, e, melódica, de alto nível. Quão agradável não será para a audição dos ouvintes e foliões? Se cada componente, colocar em prática esta tarefa, não gastará tanta energia, e a qualidade musical desta orquestra como ficaria? As pessoas da localidade, turistas e visitantes, qual imagem não ficaria guardadas em suas mentes, até o próximo carnaval?

Bosco do Carmo

Ex-aluno e trombonista da antiga Euterpe Musical 03 de Agosto da cidade da

Vitória de Santo Antão - PE, (1980; 1987- 1994) do maestro Aderaldo Avelino da Silva - in memoriam - , Ex-aluno do maestro Nunes - in memoriam - da cidade do Recife - PE. (1991-1996).

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Com fogueira ou sem fogueira o “São João” e um patrimônio do povo nordestino.

Na qualidade de brasileiro nordestino, confesso que atravessar o mês de junho sem participar dos festejos mais populares e característicos da nossa região é algo surreal. Além de ser a nossa cara, de apresentar-nos  ao mundo como realmente somos, os festejos juninos se configuram numa das maiores indústrias do turismo do nosso país. Como bem cantou o Trio Nordestino: “ele veio do fundo do quintal – hoje é  maioral dos palhoções – tá valendo milhões (música - Forró Pic plic plá).

Pois bem,  atendendo a uma recomendação do Ministério Público de Pernambuco, em que sugere a todos os prefeitos do nosso estado, entre outras coisas, o não acendimento de fogueiras pela população em locais públicos e privados, em virtude da pandemia do novo coronavírus, a prefeitura local - através do decreto 39/2020 – acatou a recomendação e optou pela proibição das fogueiras em toda circunscrição territorial do município da Vitória.

Até aí, tudo bem. O momento requer compreensão, solidariedade e união de todos. Mas, no entanto, há vários anos, observa-se,  nesse sentido (fim das figueiras),  uma narrativa com várias motivações  - sobretudo nas redes sociais - que reivindicam pelo fim das tradicionais fogueiras nos festejos  juninos.

A origem dessa tradição não é nova. Remetem-nos à mitologia grega numa passagem que envolvem os deuses Adônis, Afrodite, Perséfone e Zeus. Já com relação ao calendário litúrgico da Igreja Católica a fogueira tem seu fundamento na história do nascimento de João Batista. Foi justamente através de uma fogueira que Santa Isabel  “avisou” a Nossa Senhora que o menino havia nascido. Esse que mais tarde se tornou um dos santos mais importantes da religião católica (São João). Com a chegada dos portugueses em nossas terras, a partir de 1500, os padres jesuítas cuidaram de introduzir essa  tradição aos nossos costumes.

Ao povo do Nordeste coube a maior devoção aos santos cultuados no mês de junho.  Presume-se que foi  justamente pela  coincidência com as abundantes  chuvas do período. Num misto de fé e capricho da natureza -  ao longo do tempo -  os nordestinos tornaram-se devedores das graças recebidas. Com efeito, agradecer e  celebrar tornou-se  natural. Imagino que foi nessa mistura, com a imprescindível verve sertaneja dos poetas, que forjamos esse verdadeiro patrimônio cultural  que atende pelo São do João do Nordeste.

Na figura do maior propagandista da nossa terra e do nosso jeito, Luiz Gonzaga, foi o maior de todos.  Devemos sim aceitar e entender que por força maior o São João da nossa terra, esse ano (2020),  será comemorado de forma atípica.

Tudo isso vai passar e como bons nordestinos fortes, corajosos e devotos já devemos começar a nos preparar para os  festejos de 2021 no qual, com toda certeza,   cantaremos   a todos pulmões: “ a fogueira tá queimando em homenagem a São João, o forró já começou, vamos gente,  rapapé nesse salão.....”

Publicado em A Lupa | 1 comentário

FAMAM – agora, com Curso de Direito!!

Uma boa notícia!

Hoje, dia 08 de junho de 2020, foi publicado no Diário Oficial da União a portaria  de número 162 autorizando, com conceito máximo pelo MEC, o Curso de Direito da FAMAM – Faculdade Macêdo de Amorim.

Nesse contexto, nossa cidade, Vitória de Santo Antão, confirma sua importância regional como polo de desenvolvimento educacional da Região da Zona da Marta. Aos gestores da FAMAM, em especial ao amigo doutor Emmanuel Romanelli Macêdo de Amorim, seguem nossas congratulações por mais essa conquista pessoal e, ao mesmo tempo, coletiva.

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Instituto Histórico: GOL DE PLACA – por Pedro Ferrer

Memória, História. Se superpõem ou se interlaçam. Diz o poeta “bendito o que semeia livros a mão cheia”. Eu plagiaria: bendito o que recolhe livros a mão cheia. Recolher e guardar. Foi a nobre missão do preclaro professor JOSÉ ARAGÃO. No dia a dia o mestre recolhia jornais, revistas, convites, préstitos dos clubes carnavalescos, documentos, papeis e mais papeis. Tudo que se referia à Vitória de Santo Antão era guardado com carinho e zelo. Esta lida foi relativamente seguida pela professora Eunice Xavier. A atual diretoria tem se esmerado nesta azáfama: recolher, selecionar, catalogar e digitalizar. A informática facilitou sobremaneira o trabalho. Sem ela a cadeia seria quebrada. Mas deixemos de lero-lero e voltemos ao mestre JOSÉ ARAGÃO. Hoje, graças a ele, nosso acervo é riquíssimo em documentos impressos e manuscritos. Faltava-nos divulgá-los e facilitar o acesso do pesquisador. Várias tentativas infrutíferas. Dificuldades, sobretudo financeira, tolhiam nossas esperanças. Contatamos a Biblioteca Nacional. Tudo em vão. Resolvemos insistir e afinal a BN ouviu nosso apelo.

Dispõe a Biblioteca Nacional de um rico acervo de jornais e revistas, mais de 200 mil itens. Esta coleção é intitulada: HEMEROTECA. Nela o pesquisador, o curioso ou o mero leitor encontrarão subsídios para pesquisa. O programa facilita e explica a busca na pesquisa. Se antes você era obrigado a ler um jornal por inteiro, hoje o programa põe em destaque o objeto da pesquisa. Tudo a um palmo dos olhos.

Pensando em divulgar nosso acervo e pô-lo à disposição dos pesquisadores entabulamos um contato com a Biblioteca Nacional e inserimos dois dos nossos antigos periódicos: Diário da Victoria e Gazeta da Victoria.

Cabe a você, que gosta de História e ama seu torrão, fazer suas pesquisa. Abra o google e procure Hemeroteca Nacional. Aberta a página clique em Coleção de Jornais e Revistas. O resto virá por acréscimo, fácil, fácil. Bom trabalho e bom lazer nesta quarentena.

Professor Pedro Ferrer - presidente do IHGVSA
Publicado em A Lupa | 2 comentários

Silvio Gouveia aos amigos: “não teria “cabos eleitorais”…eles seriam vocês!”

Médico há 51 anos, venho exercendo a profissão com ética, dedicação e honestidade. Durante 16 anos, também exerci o cargo de vereador, sempre com transparência, lealdade e respeito à população, principalmente em atenção àqueles que me escolheram como seu representante, honrando o compromisso assumido na campanha - o de lutar pelo bem da nossa cidade. Durante meus mandatos, tive a atenção voltada principalmente para a saúde, educação e inclusão social, tendo apresentado, ao longo desse tempo, vários projetos, requerimentos e indicações.

Instado por um grupo de amigos para retornar às atividades políticas, tenho refletido amplamente na questão, e um ponto que considero crucial é o momento presente, quando vivenciamos uma pandemia instalada no país. Infelizmente, foi necessário chegarmos a uma calamidade tal para que o povo tomasse ciência da gravidade da situação da saúde em nosso país. Assim sendo, como médico, tendo conhecimento das questões peculiares à saúde e considerando, também, a bagagem enquanto servidor do povo, estaria qualificado para solicitar do poder público as medidas adequadas para o quadro atual.

Outro fator que me permite ser otimista é que ainda acredito no voto do eleitor consciente, independente e que pensa no bem-estar de todos!

Contudo, antes de dar seguimento a mais esse projeto, considero importante ouvir a opinião sincera de vocês, meus amigos! Caso positivo, conto com seu apoio para, juntos, conquistarmos esse mandato! Não teria "cabos eleitorais"...eles seriam vocês!

Silvio Gouveia
Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Empresa vitoriense desenvolve novo equipamento necessário para a retomada das atividades comerciais

Simultaneamente ao gravíssimo problema sanitário, em que vidas humanas estão sendo ceifadas - pelos efeitos do novo coroanavirus -  o mundo começa destravar as atividades no sentido da retomada da “vida normal”. Dentre os estados brasileiros mais afetados, São Paulo e Pernambuco, recentemente,  já anunciaram seus respectivos planejamentos para volta  gradual das atividades econômicas.

Nesse contexto, porém, rigorosos  protocolos e novas rotinas serão  obrigatoriamente implementadas  como medidas profiláticas  até que uma vacina contra a COVI-19 seja disponibilizadas à comunidade planetária.  Portanto, redesenhar ferramentas para atender essa nova demanda comercial faz-se necessário e é urgente!

Com tecnologia “Made In Vitória” a empresa comandada pelo amigo Breno Valois – Pronto Placas, Sinalização Comercial e Industrial – já disponibiliza ao mercado um equipamento para facilitar o processo de higienização das mãos com o álcool em gel. Com visual exclusivo (marca da empresa), o equipamento é acionado por um pedal sem que se faça necessário o toque com as mãos.

Eis aí, portanto, uma ferramenta que toda empresa que zela pela boa saúde dos funcionários e clientes terá que adquirir. 

Pronto Placas - Vitória de Santo Antão. Fone - (81) 3523-0435 - zap (81) 9.8863-0435
Publicado em A Lupa | 1 comentário

Momento Pitú

Mesmo dentro de casa, só sei que a turma vai dar um jeito de aproveitar o São João com muita resenha. E segurança!
Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

Há exatos 15 anos, tal qual os dias atuais, Vitória também vivenciou momentos históricos…

Hoje, dia 02 de junho de 2020, na qualidade de comunidade, estamos atravessando mais deserto. A pandemia do coronavirus jogou-nos num barco a deriva em mar revolto, na direção da cachoeira do imprevisível. Pois bem,  há exatos 15 anos -  dia 02 de junho de 2005 -  nossa cidade vivenciou dias que ficou catalogados na história do município como um dos  piores momentos do século XX.

O trágico evento que ficou conhecido como “A Enchente de 2005”, definitivamente, marcou a nossa cidade. Ano passado (2019),  por ocasião da passagem de mais um “aniversário”do trágico acontecimento,  anotei um breve relato dessa fato histórico aqui no blog que, apenas por uma questão de registro,  torno a fazê-lo. Abaixo, portanto, segue  a referida matéria com pequenas atualizações.

Apenas para termos uma ideia do caos, por assim dizer, outro fato similar, antes anotado como o pior  das últimas décadas, conhecido como “ a cheia de 75”, na qual Vitória foi terrivelmente atingida, registrou-se no mês de julho daquele ano (1975)  precipitações pluviométricas de 436mm. Em junho de 2005 o índice foi de 621,7mm. Apenas nos dias 02 e 03 de junho, nossa cidade foi “castigada” com 250mm, segundo dados oficiais.

Devido ao grande volume d’água parte significativa da cidade foi inundada de maneira rápida. Boa parte da periferia, sobretudo às áreas ribeirinhas, tiveram casas destruídas,  causando o maior número de desalojados e desabrigados da sua história. O setor produtivo também foi duramente atingido. O comércio do centro ficou totalmente paralisado com a fúria das águas. Lavouras destruídas e as agências bancárias com equipamentos submersos. Serviço de fornecimentos de água potável foi danificado e etc, além de pontes destruídas, tal qual à cabeceira da Ponte do Galucho.

Além da ocupação de alguns espaços públicos (escolas) pelos desabrigados, uma rede de solidariedade foi criada em vários segmentos da sociedade – Igrejas, clubes de serviço, órgãos  governamentais, entidades classistas e etc, na tentativa de atenuar os efeitos da tragédia. Registremos, porém, que a cidade demorou   para entrar “nos trilhos” e voltar ao curso da chamada “vida normal”.

Essas escassas linhas, evidentemente, não tem a pretensão de narrar fielmente o trágico roteiro da tragédia. Tem sim, o sentido pedagógico de “disparar o gatilho” da memória, fazendo com que as pessoas que vivenciaram os fatos citados relembrem os acontecimentos, assim como informar, mesmo que superficialmente, os mais jovens.

Para concluir deixou algumas perguntas no ar: o que aprendemos com os relembrados acontecimentos? Quais medidas foram tomadas no sentido da prevenção para novas tragédias? Será que estamos trabalhando para evitar ou atenuar novos danos por conta das chuvas fortes na nossa cidade?

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

O internauta Djalma Gomes comentou sobre a recente matéria do Blog.

Parabéns, Pilako! Excelente matéria, como você fala, que quase nenhum vitoriense sabe dessa histórica passagem do cardeal por nossa Vitória que tornou-se papa. Falo nossa porque quem nasceu em Glória do Goitá  acaba sendo Vitoriense (rs). No meu caso,  tive a hora de receber um título de cidadão Vitoriense.

Na foto da inauguração da Churrascaria Recanto Gaúcho, encontra-se  o padre Pedro de Souza Leão. Ele  foi pároco e prefeito de Glória do Goitá -  eu era muito criança na época. Meu pai era muito amigo do Padre Pedro. A imagem dele está  sempre presente na minha mente . Essa matéria dá mais de uma hora de conversa (rs). Em breve,  iremos  sentar para falarmos  desses acontecimentos! Ótimo final de semana..

Djalma Gomes
Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

O internauta Silvano Sarmento comentou sobre a recente matéria do Blog.

Boas lembranças Pilako! O Blog do Pilako sempre enaltecendo e contribuindo com a divulgação da história de nossa terra natal. Parabéns amigo!  Forte abraço.

Silvano Sarmento 
Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

O internauta Elmir Nogueira comentou sobre a recente matéria do Blog.

Bom dia amigo , uma história que nos emociona pelos acontecimentos citados. Também  fui frequentador do Recanto Gaúcho,  onde sempre solicitava,  antes do almoço,  a carne de cupim. Achava uma delícia! Muitas vezes o próprio gaúcho nos atendia. Lembro de suas filhas,  creio que eram duas  e,  salvo engano,  o genro já participava do atendimento do restaurante. Faz muito tempo ( anos 70 para 80 ),  cheguei em Vitória em 1974. Sua história me trouxe boas recordações,  bons tempos que não voltam jamais. Forte abraço. 

  Elmir Nogueira
Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

O internauta Gildo Sales comentou sobre a recente matéria do Blog.

Parabéns amigo Pilako, pela riqueza de informações de seu Blog, que nos enriquece com informações relevantes de nossa cidade e do Estado de Pernambuco. A visita do PAPA João Paulo l ao Recanto Gaúcho realmente foi um fato marcante e que pouca gente tem conhecimento desse acontecido. Eu sabia de sua passagem por Pernambuco, indo à cidade de Belo Jardim, porém quanto sua ida ao Gauchão, não tinha conhecimento. Parabéns pelo acervo do seu Blog, que tem como fito, informar e contribuir com a cultura de nossa querida cidade. Fraterno abraço.

Gildo Sales   
Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

O internauta Israel Pinheiro comentou sobre a recente matéria do Blog.

Parabéns. Texto de rara sensibilidade e de raro valor histórico. Como ex-morador de Candeias, já frequentei algumas vezes o Restaurante Recanto do Gaúcho, não conhecia as tantas referências emblemáticas que você elencou. Voltarei ao restaurante, que funciona sim até hoje, dessa vez com um outro olhar e um outro espírito. @Cristiano Pilako, obrigado e, mais uma vez, parabéns pelo registro histórico e pela poesia.

Israel Pinheiro
Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

O internauta Luiz Carvalho comentou sobre a recente matéria do blog.

Aqui é o Luiz Carvalho, irmão de Alcindo, casado com sua tia Nilda. Gosto muito de ler suas mensagens. Muito boa esta da visita do Papa João Paulo I à Vitória quando ele não havia assumido seu breve papado. Ao ler o título da matéria achei que você havia cometido um engano. Queria se reportar ao Papa João Paulo II. Ao ler o conteúdo ficou claro que se tratava do Papa João Paulo I ainda Cardeal. Reza uma lenda que ele foi assassinado (envenenado). Continue nos brindando com seus registros históricos de minha terra natal. Um grande abraço.

Luiz Carvalho
Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

O Papa João Paulo I almoçou na Churrascaria Recanto Gaúcho, aqui na nossa Vitória de Santo Antão.

Na medida do possível estou sempre atento às questões históricas atinentes ao nosso torrão. Sublinhemos, de partida, que o maior guardião da memória antonense é o nosso Instituto Histórico e Geográfico. Aliás, diga-se de passagem, esse ano (2020), completando sete décadas ininterruptas de incomensurável serviço prestado a toda comunidade.

Pois bem, dias atrás circularam por grupos locais de whatsapp fotografias realçando o ato inaugural do "Recanto Gaúcho Churrascaria". Para os mais maduros, que já passaram do meio século de vida, como eu, o local dispensa maiores apresentações. Já para os mais jovens devemos dizer que o badalado e moderno restaurante foi construído no alto de uma barreira onde hoje funciona o Posto Santa Cristina.

A minha primeira e forte lembrança do espaço, por assim dizer, ocorreu em 1978 por ocasião das comemorações dos 50 anos de vida do meu pai, Zito Mariano. Nesse dia, com apenas dez anos de idade, diante de uma multidão, usei da palavra para fazer-lhe uma  singela homenagem. Ainda guardo as últimas palavras do que estava escrito: “tenho dito”. A invenção da apresentação assim como o conteúdo produzido,  de maneira improvisada,  poucas horas antes do evento,  foi de autoria do  marido  (Inocêncio) de uma das minhas tias materna.

Voltando aos  registros fotográficos recentemente recebidos, como  já falei, confesso que os  mesmos provocaram uma remexida nas  “gavetas” da minha memória. Sem pestanejar, para mim,  tornou-se imperioso saber em que data deu-se aquela  inauguração e, em ato contínuo, o nome de algumas pessoas que aparecem  nas respectivas fotografias.

Com algumas primaveras na minha frente, bom de memória e curioso quando o assunto diz repeito à Vitória de Santo Antão, recorri ao  amigo Paulo Lima. De “bate-pronto” respondeu-me alguns questionamentos e ficou de pesquisar outros. Com a boa vontade de sempre, acionou algumas amigas até chegar a senhora Silvana,  filha do fundador do “Recanto Gaúcho”, o senhor Lody Ciochetta –  já falecido.

A Churrascaria Recanto Gaúcho foi inaugurada no dia 08 de maio de 1971. Governava a nossa cidade,  na qualidade de prefeito, o industrial José Augusto Ferrer. Não sei precisar até quando a casa funcionou no mesmo local.  Segundo informações, o prédio foi demolido. Certa vez, há mais ou menos uns dez anos, almocei no restaurante  que é comandado pela terceira geração do senhor Lody, localizado em Candeias, Jaboatão dos Guararapes.  Também segundo informações, funcionando até os dias atuais.

É bom que se diga que - enquanto permaneceu ativo na nossa cidade -  o Restaurante Recanto Gaúcho promoveu grandes festa e noitadas inesquecíveis. Durante décadas dividiu com o não menos famoso Restaurante Gamela de Ouro a preferência da sociedade vitoriense.

Outra coisa curiosa sobre o “Recanto Gaúcho”, que até então eu desconhecia e acredito que quase a totalidade dos vitorienses ignoram,   é que no ano de 1975, por ocasião de uma visita ao Brasil, em que se deslocou do Recife ao município de Belo Jardim, para reencontrar um amigo religioso,  o Cardeal italiano Albino Luciani almoçou no Restaurante Recanto Gaúcho, aqui em Vitória de Santo Antão.

O Cardeal Albino Luciani, três anos depois, em 26 de agosto de 1978, em Roma, foi eleito Papa. Para homenagear os dois últimos Papas – João XXIII e Paulo VI – Albino Luciani assumiu seu pontificado com o nome de João Paulo I. Foi o Papa de numero 263 na Igreja Católica.

Conhecido na Cúria Romana pelo apelido de “Papa do Sorriso”, o Papa João Paulo I recusou uma coroação formal. Também não aceitava ser carregado numa liteira, como os outros Papas. Foi pioneiro em adotar o nome papal duplo. Seu pontificado foi breve. Durou apenas 33 dias.

Pois bem, para marcar essa ilustre visita à Churrascaria Recanto Gaúcho,  o seu proprietário, Lody Ciochetta, à época, produziu um espaço e fixou uma placa alusiva ao fato assim como, junto com religiosos,  promoveu uma celebração no restaurante para marcar o auspicioso acontecimento. Vale lembrar também que a cadeira em que o ilustre cliente usou  ficou separada  e preservada em local de destaque, próximo ao palco da casa - os mais antigos devem lembrar bem.

Na qualidade de estudioso da história da nossa cidade – Vitória de Santo Antão – gostaria de agradecer a boa vontade de todos envolvidos nessa pesquisa, com destaque aos amigos Paulo Lima e Pedro Ferrer. A história é dinâmica e viva! Quem se dedica ao ofício historiográfico é um eterno estudante.

Para ilustrar essa dialética constante nunca pensei que poderia juntar, num raciocínio lógico e sequenciado,  três acontecimentos/fatos  que fizeram parte da minha infância. O “Recanto Gaúcho”, o aniversário do meu pai e o breve pontificado do Papa João Paulo I - muito comentado à época em função da sua brevidade - todos  inseridos  dentro daquilo que chamo de “centro do meu mundo”, isto é: Vitória de Santo Antão.

Publicado em A Lupa, Editorial | 3 comentários

Momento Pitú

Mande uma foto da vista da sua janela que nem a pituzeira Suelen Ferreira fez. Ah, e se puder, #FicaEmCasa#PituzeirosEmCasa

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

Pandemia poderá premiar os políticos com um “voucher” de dois anos de mandato!!

Em meio a incertezas de toda ordem,  em função da pandemia de novo coronavirus,  ontem (25), em cerimônia remota, assumiu o cargo de presidente do TSE – Tribunal Superior Eleitoral – o ministro Luís Roberto Barroso. Na minha particular avaliação, um dos mais preparados,  atualizado e equilibrado magistrado do Brasil,  no atual cenário. Entre outras missões, pesa  sobre os seus ombros o comando das eleições municipais 2020.

Vale salientar que o calendário eleitoral tem (ou tinha) uma agenda própria definida um ano antes, ou seja: o princípio da anualidade. A regra, criada em 1993, tem como objetivo estabelecer a chamada “segurança jurídica” – todas as regras para um determinado pleito devem ser definidas no ano imediatamente anterior. É bom que se diga que muitos dos prazos para o pleito  desse ano já foram concluídos e até o presente momento a Justiça Eleitoral segue firme na condução do processo.

Pois bem, o que até pouco tempo se configurava como uma possibilidade distante – adiamento do pleito municipal 2020 -, em função das medidas sanitárias recomendadas pela OMS (Organização Mundial de Saúde), doravante começa ganhar tonalidade e contornos de realidade. Lembremos, por exemplo, que a partir do próximo dia 20 de julho os partidos já estariam autorizados à realização das suas respectivas convenções. A pergunta que fica é: será mesmo que até lá o coronavirus vai dá trégua para que isso possa acontecer naturalmente?  Vale salientar que qualquer mudança nesse sentido o Congresso Nacional deverá ser consultado para validar a questão.

Tem uma corrente de pensamento que aposta na prorrogação de mandatos dos atuais prefeitos, vice-prefeitos e vereadores por mais dois anos (até 2022).  Puxando toda essa “teoria” para a nossa Vila de Santo Antão, na prática, seria a mesma coisa de dizer que o prefeito Aglailson Junior, o vice Doutor Saulo e os dezenove vereadores ganhariam – de mão- beijada – um voucher de dois anos de mandatos. Não devemos esquecer, também, que todos os citados  foram eleitos, aos seus respectivos cargos,  até o dia 31 de dezembro de 2020.

Pelo campo oposicionista, na nossa cidade, postulantes continuam  nas trincheiras como se o pleito 2020 fosse ocorrer dentro do previsto inicialmente, ou seja do mesmo jeito que reza na Constituição. Constatamos também que um  sem  número de aspirantes ao legislativo municipal continua "se mexendo" na expectativa de ascender ao parlamento local. O jogo não está fácil para ninguém. Todas as táticas e estratégicas política/eleitorais foram montadas para serem jogadas num “mundo normal”, no tabuleiro de sempre!

A verdade é uma só: enquanto o comércio não voltar a funcionar normalmente, as escolas não puderem receber seus alunos e as famílias não puderem conviver naturalmente, candidatos e eleição é algo que não entrará  no radar do eleitor...

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Atendimento diferenciado no enfrentamento ao novo coronavirus na cidade de Pombos.

Uma vez iniciado o chamado contágio comunitário de um vírus numa determinada região (país, estado e etc) sua propagação acontece quase que de maneira uniforme. Entender as características e manifestações do vírus nas pessoas faz-se necessário para tentar atenuar seus efeitos.

Pois bem, alertado por um amigo que reside na vizinha cidade de Pombos – que um dia já foi distrito da nossa Vitória de Santo Antão –,  sobre as medidas de combate à pandemia do novo coronavírus por lá, observamos que há, nessas ações, uma certa dose de humanização no trato coletivo.

Para atuar de maneira plena no cargo de prefeito de uma cidade, imagino que a regra número um seja cercar-se de bons e dedicados auxiliares. É bem verdade, também, que para desenvolver um bom plano de trabalho no enfrentamento às questões de saúde não se exige que o prefeito seja um médico.

Mas quero crer que nesse momento em que estamos vivendo – pandemia do novo coronavirus – seja uma diferencial importante para qualquer cidade ter um administrado com formação na área de médica. É o caso de Pombos. Por ser médico anestesista, tenho a absoluta certeza que o meu amigo das antigas , “Doutor Marcos” (Marquinhos),  tem feito a diferença positivamente aos seus munícipes. Em ano eleitoral, em que alguns gestores terão o direito de colocar seus respectivos nomes para disputar o pleito, a forma de combater a maior chaga da nossa geração certamente será um ponto bastante analisado pelos eleitores.

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Vitória de Santo Antão continua mergulhada num mar de incertezas…

Passado pouco mais de sessenta dias do primeiro decreto estadual, atinente à pandemia do Novo Coronavirus, nossa “aldeia” – Vitória de Santo Antão – segue se desfigurando daquilo que aprendemos a chamar de “rotina da cidade”. O mundo segue em descompasso, o Brasil experimenta um “novo caos” no sistema de saúde pública e Pernambuco continua na lista dos “tops” mais infectados. No olho desse furacão a população indefesa e desinformada.

Quando nos aprofundarmos com seriedade nesse  tema  - pandemia -, despindo-se de toda e qualquer armadura política/ideológica,  chegamos a temer e desconfiar  do futuro. Quem estiver  iludido pensando  que as coisas estão perto da porta de saída -  para desatar esse nó  - é bom procurar outras fontes para se  informar mais um pouco. Se em alguns países o contágio tem dado uma trégua em outros estamos ainda ganhando força e na sua esteira, por assim dizer, mais mortandade se apresentará.

Voltando a nossa “aldeia” – hoje,  com mais de 400 casos confirmados e inúmeros sem notificação – todos os dias, através das redes sociais, somos irrigados com notícias de pessoas que conhecemos que estão infectadas e tantas outras lutando pela vida nos leitos hospitalares. Óbitos tem sido uma rotina na cidade.

Noutra ponta, o comércio local começa dá sinais de “insuficiência financeira mínima” para segurar o tranco até ninguém sabe quando.. Na fila da Caixa Econômica um pouco de alento aos chamados informais que foram contemplados com o Auxilio Emergência Federal.

De resto, é conviver com esse “mar de incertezas”.....

 
Publicado em A Lupa | Deixar um comentário