Discurso do Mestre Aragão na solenidade de inauguração do teatro Silogeu – há exatos 50 anos.

Parafraseando o salmista, bem podemos dizer nós, do Instituto Histórico e Geográfico da Vitória de Santo Antão: este é o dia que o Senhor escolheu; exultemos e alegramo-nos.

Fundado a 19 de novembro de 1950, tinha naturalmente, o nosso Instituto, de partir, de imediato, para o trabalho de sua organização interna, da obtenção de sede e das instalações.

Graças à compreensão e boa vontade de dois prefeitos, o saudoso Cel. José Joaquim da Silva e Manoel de Holanda Cavalcanti, conseguimos, em 1951, obter o prédio de maior tradição local, o casarão construído, em 1951, pelo então promotor público, dr. Joaquim Jorge Santos, na popularmente chamada Rua do Meio, espinha dorsal da cidade, e que ficou sendo chamada de “A Casa do Imperador” porque, alugada pela Câmara de Vereadores. Serviu de Paço onde, de 18 a 20 de dezembro de 1859, se hospedaram SS. MM. Dom Pedro II e D Teresa Cristina, quando de sua visita à então Cidade da Vitória.

Seguiram-se várias campanhas: a do livro, para a biblioteca; a do mobiliário, obtido por doações, compra e permuta; do arquivo, das galerias de retratos e fotografias; dos museus; enfim, campanhas múltiplas, empreendidas com paciência e perseverança  no afã de conseguir o mínimo de condições para a objetivação do programa traçado em nossos Estatutos.

Em, 1952, por decreto estadual, foi o nosso Instituto decretado de utilidade pública.

Veio a comemoração do tri-centenário  da Restauração Pernambucana e, em 1954, entre os seus promotores, na Comissão Oficial, criada pelo governo do Estado, estava o modesto Instituto da Vitória de Santa Antão. Representando-o, estivemos em todas as sessões preparatórias e tivemos a satisfação de obter meios para melhorar sensivelmente a sede, mudando-lhe o teto e o piso, para realizar comemorações nesta cidade, de 10 a 24 de janeiro e publicar o primeiro número da nossa Revista.

Começávamos a produzir algo permanente.

E foi continuando, ano afora, esse trabalho persistente, quase anônimo, com os minguados recursos locais.

Dentro de 10 anos, enfrentamos um problema angustiante: a falta de espaço. A nossa casa estava repleta e nós, em fase de pleno desenvolvimento, com o aumento de acervo, teríamos de ampliar e melhorar as modestas instalações.

Compreendemos que, instituto interiorano, deveríamos primar pelo interesse por tudo aquilo que nos cerca: pelo regional, pelo  que  é nosso, e resolvemos organizar um Museu, em que ficasse documentada a atividade do homem nordestino no campo, em casa e nas suas múltiplas manifestações externas.

Entretanto, faltava-nos, preliminarmente, o prédio. Partimos, então, em 1964, para outra campanha: a da construção de três salas para o Museu do Homem. Era prefeito do município o atual deputado Dr. Ivo Queiroz. Deu-nos, ele, com a Câmara de Vereadores, pleno apoio e, também com ajuda particulares, pudemos inaugurar novas instalações, nelas documentamos a vida rural, a vida doméstica do rurícola e o folclore do Nordeste.

Mas, apesar de deverem ser os Museus entidades dinâmicas, como centro de interesse para o estudo de várias disciplinas, compreendemos que o Instituto e Geográfico não deve ser apenas museu mas, sobretudo, escola, oficia, devendo, assim,  para a expansão de suas atividades culturais como centro de formação e de incentivo ao civismo, dispor dos meios mais práticos e eficientes de comunicação.

A nossa sala de reuniões comporta, no máximo, oitenta pessoas, espaço, portanto, insuficiente para eventos de maior porte.

Ainda dispúnhamos  de terreno e resolvemos nele construir o nosso auditório, não apenas nosso, mas da cidade, destinando-o a todas as promoções culturais, razão por que, aproveitando  o termo criado, em 1905, pelo renomado helenista o Barão Ramis Galvão para denominar o prédio construído, em 1904, para abrigar a Academia Brasileira de Letras, O Instituto Histórico Brasileiro, a Academia Nacional de Medicina  e a Ordem dos Advogados do Brasil, lhe demos o nome de Silogeu.

A essa altura, já o nosso Instituto começava a ser contemplado com algum recursos pelos poderes públicos do Estado e da União.

Estabelecemos nova Corrente de solidariedade. Envidamos esforços inauditos. Pedimos auxilio dentro e fora do estado, cotizando até os próprios senadores da República, os deputados federais e estaduais, através dos representantes do nosso município. Festivais, projeções de filmes nas escolas, promoções diversas foram empreendidas no sentido de angariar recursos para construir esta casa, mobiliá-la  e aparelha-la para ser Casa de Cultura, idealizada nos próprios estatutos do Conselho Federal de Cultura para cada cidade brasileira.

E hoje, agora, nos são permitidos pela munificência de Deus e dos homens de boa vontade, este dia, esta hora, pelo senhor escolhido para o nosso gáudio, como seres inteligentes, como homens de ideal superior, animados todos dos mais sadios propósitos para com a pátria querida.

O nosso Instituto Histórico, ao inaugurar o Silogeu, chega não digo ao termo, que não pode existir, mas ao ápice de sua missão, como entidade cultural e, consequentemente, de sua responsabilidade, dos seus encargos, para manter esta casa aberta e em função de sua finalidade.

Evidente que não o podemos fazer sem o estímulo, a compreensão, a ajuda efetiva dos poderes públicos, através dos diversos órgãos de assistência, promoção e difusão cultural de que dispõem.

Minhas senhoras e meus senhores!

Disse-vos, resumidamente, tudo sobre o que somos e pretendemos ser.

Não devo encerrar esta apresentação, porém, sem uma palavra de louvor e de reconhecimento, de entusiasmo e de fé.

Louvor e reconhecimento a quantos, durante esses vinte anos já vividos, nos ajudaram e ajudam na tarefa ingente e comum do soerguimento de nossa terra através do culto ao passado, buscando nele as lições da experiência dos nossos avós, para imitar-lhes as nobres ações  e evitar os possíveis erros cometidos.

Louvor e agradecimento ao nosso fundador, o dr. Djalma Gonçalves Raposo, que trouxe de sua gloriosa cidade de Goiana, a primeira que fundou um Instituto Histórico no interior, a chama olímpica do ideal que nos anima e nos congrega; ao dr. Olímpio Costa Júnior, benemérito das letras e da história pernambucanas, como incentivador e colaborador prestante de todas as horas; aos nossos amigos do Recife, sócios correspondentes, especialmente aos prezados e ilustres companheiros do glorioso Instituto Arqueológico Pernambucano, guardião de nossas tradições; aos senhores senadores João Cleofas de Oliveira e Paulo Pessoa Guerra, aos deputados Aurino Valois, Aderbal Jurema e Ivo Queiroz, aos professores Barreto Guimarães e Roberto Magalhães Melo, ao Sr. José Joaquim da Silva Filho, benemérito deste Instituto, pela colaboração permanente que nos deu, quando prefeito; à nossa sempre amiga e generosa Câmara de Vereadores; ao senhor José Augusto Ferrer  de Moraes, pela contribuição especial no primeiro ano da sua administração, ao magistério público e particular, aos educandários, a Jaime de Vasconcelos Beltrão, José Mariano de Barros Filho, à família Lima Borges, ao dr. Aloísio Xavier, a Mário Bezerra e José Luciano Britto, a todos , enfim, quantos nos ajudaram, direta ou indiretamente, na construção do Silogeu.

E quando se louva e agradece aos vivos, que comungam, presentes, nesta hora, do nosso contentamento, não podemos deixar, também, a memória dos companheiros queridos que se foram,muitos deles sinceramente empenhados em contemplar esta obra e viver este momento.

Ao Monsenhor Américo Pita, sócio fundador e benemérito; a José Joaquim da Silva, José Bonifácio de Holanda Cavalcanti, Mário de Farias Castro, Guedes Alcoforado Filho, José Miranda, Tenente Severino Ferreira de Melo, José Xavier Júnior, Hermenegildo do Amaral Costa, Eugênio Cunha, João Ricardo Tavares, Antônio Maurício Ferreira, companheiros bravos de todas as horas, o preito de nossa imorredoura saudade.

A Nestor de Holanda Neto, o conterrâneo eternamente enamorado da nossa e muito sua Vitória de Santo Antão, honra e glória das letras pátrias, amigo fiel e prestante, o testemunho do nosso louvor reconhecido.

Mas, senhores e senhoras, não podemos nem devemos nos alongar nessa peregrinação sentimental.

O Instituto Histórico e Geográfico agradece a distinção e a honra que lhe conferiram o Exmo. Sr. Governador do Estado e as demais autoridades com suas presenças nesta solenidade e, saudando-os em nome da Vitória de Santo Antão, legenda de civismo e cristianismo, reafirma os seus elevados propósitos de perseverança no trabalho pela construção da pátria com que sonhamos, formando e educando as novas gerações no espírito em que informou a nossa civilização, prosseguindo com a mesma fé e o mesmo entusiasmo dos primeiros dias, confiante na proteção divina e na visão esclarecida, patriótica e objetiva dos homens de boa vontade, especialmente de todos vós, que tendes nas mãos o destino e a segurança do Brasil.

Professor José Aragão  – 01 de setembro de 1971 – discurso na solenidade de inauguração do Teatro Silogeu do Instituto Histórico da Vitória de Santo Antão. 

 

Quem foi Vicente Maria de Holanda Cavalcanti? – por Walmar de Holanda.

Vicente Maria de Holanda Cavalcanti foi um político e comerciante que viveu de 1851 a 1928 em Vitória de Santo Antão, onde foi Prefeito e Presidente da Câmara de Vereadores.

É tio-avô do professor José Aragão, do ex-prefeito Manoel de Holanda, da escritora Martha de Holanda e do poeta Henrique de Holanda, todos netos de sua irmã Maria Alexandrina.

Vicente Maria teve 13 filhos, incluindo o ex-presidente da Câmara de Vereadores José Bonifácio de Holanda Cavalcanti, o jornalista Simplício de Holanda Cavalcanti e o capitão Manoel de Holanda Cavalcanti.

Sendo o mais velho dos sete filhos do antigo subprefeito Alexandre José Maria de Hollanda Cavalcanti (1830-1894), acompanhou o pai nos negócios da loja Relógio Grande (Avenida Barão do Rio Branco, número 23), no Engenho Canavieira e na política local. Ambos estiveram juntos durante o conflito conhecido como Hecatombe do Rosário (1880).

Na época do Brasil Império, filiou-se ao Partido Conservador e participou da política local. Com a chegada da República, filiou-se ao Partido Republicano e se transferiu brevemente para Glória do Goitá, onde foi delegado suplente em 1889 e membro do conselho de intendência em 1890.

Retornou anos depois a Vitória de Santo Antão, onde foi conselheiro da Câmara Municipal nos mandatos de 1901-1904, 1904-1907, 1907-1910 e 1910-1913.

Vicente Maria presidiu a Câmara de Vereadores de Vitória de Santo Antão e chegou a assumir a prefeitura por um breve período de janeiro a março de 1912, quando houve renúncia coletiva do prefeito Henrique Lins Cavalcanti de Albuquerque, do vice João Tavares de Lima e do presidente da Câmara, Antônio de Melo Verçosa.

Foi eleito subprefeito de Vitória de Santo Antão em 1919, sendo empossado no ano seguinte. Acabou renunciando ao mandato em janeiro de 1921, junto ao então prefeito Antônio de Melo Verçosa (marido de Emiliana de Holanda Leite, cuja ascendência na família Holanda é desconhecida).

Viúvo de Belarmina Alexandrina Cavalcanti de Albuquerque desde 1926, Vicente Maria faleceu de gripe pulmonar no dia 31 de dezembro de 1928, aos 77 anos, em Vitória de Santo Antão. Na ocasião, nove de seus treze filhos já haviam falecido antes do pai.

Em sua homenagem, desde 1951 a Rua Jatobá em Vitória de Santo Antão passou a se chamar Rua Vicente de Holanda.

A foto e o recorte de jornal foram deixados por seu neto, o procurador Olavo de Holanda Cavalcanti, falecido em fevereiro de 2021 vítima da covid-19.

Walmar de Holanda Cavalcanti. 

 

“Contribuição Voluntária”: 10 anos se comemora com PIX…..

Em virtude dos avanços tecnológicos, hoje,  acessar, interagir ou produzir conteúdo para internet tornou-se algo tão simples quanto beber um copo com água. Comprar,  vender ou se “juntar” remotamente, sobretudo em tempos pandêmicos, virou uma realidade insofismável.   Em meio a tantas facilidades, mudanças e avanços constantes,   cabe-nos, ao menos,   refletir:  será mesmo que tudo na internet é “de graça”?

Com poucos clicks, pilotando um aparelho celular “mais ou menos”,  qualquer internauta poderá criar uma conta nas redes sociais e virar influencer  digital. Nesse contexto, a palavra de ordem é “monetização”. Será que esse conteúdo produzido para os stories –  que se evaporam em horas –   mais adiante,   terá  alguma serventia para o  além da  compra e venda de serviços ou produtos?  Eis aí, portanto, o grande “X” da questão quando alguém se propõe a produzir conteúdo imperecível  para internet.

E quando esse conteúdo tem valor  social, político, cultural,  histórico e é totalmente identificado com uma determinada comunidade? Quanto deverá custar  e quem deverá  remunerar essa produção?

Esse é um debate que já entrou na grande pauta da rede mundial de computadores, ou seja: quem deve remunerar o produtor do conteúdo imperecível,  disponível através dos sites e buscadores da internet?

Certa vez ( corria o ano de 2015),  na capital paraibana, participei de  um encontro nacional de blogueiros. Nos muitos painéis com palestras variadas acompanhei, entre outros,  um  que falava justamente na direção da monetização dos blogs. Uma blogueira da cidade do Rio de Janeiro, em sua apresentação,  exibiu números interessantes de receita mensal e, entre outras coisas, disse:

“Eu não conto com patrocinadores,  quem remunera a produção do meu  trabalho, disponível a todos,  no meu jornal eletrônico,  são os meus leitores,  espelhados pelo Brasil e até no exterior,   porque minhas postagens  dialogam com um público específico.”

No quesito financeiro, a mesma apontou o caminho das pedras:  “recebo tudo via cartão de crédito. Tudo eletronicamente.” Arrematou.

Pois bem,  atentamente, ao ouvir aquele “case” de sucesso, confesso, saí de lá entusiasmado  no sentido da tão sonhada monetização do blog, afinal, tudo que ela elencou como “produto diferenciado”, mesmo involuntariamente, eu já o praticava, ou seja: produção de conteúdo único e  justamente direcionado a um público especifico, isto é:  Vitória e/ou os vitorienses. Aliás, é bom que se diga que  desde o primeiro dia em que o blog foi ao ar, há mais de uma década (25/06/2011),   a frase  do nosso “topo” nunca mudou o tom:  o centro do meu mundo á a minha cidade.

E o porquê, à época, da não  execução da  operação carioca em terras antonenses? Justifico: esbarramos na funcionalidade do cartão de crédito. Após algumas sondagens com o nosso público alvo, naquela ocasião (há seis anos),  por certa desconfiança do sistema   boa parte revelou-me não utilizava o seu cartão em operações  na rede mundial de computadores, mas, em momento algum, refutou  o reconhecimento ao trabalho.  Assim sendo, naquela ocasião, achei melhor não avançar no processo de monetização voluntária.

É bom que se diga, também,  que desde o primeiro jornal impresso ( O Vitoriense), editado e publicado na Vitória de Santo Antão, no longínquo  05 de novembro de 1866, por Antão Borges Alves, então com 22 anos, floresceu  e frutificou em nosso solo a veia jornalística. Ainda sobre os “impressos”, fomos  a 5ª cidade  pernambucana  a desfrutar dessa nova ferramenta de progresso. Aliás, até os dias atuais, ostentamos  1º lugar em quantidade de títulos. Sem esquecer, claro, ” O Jornal  Lidador” que foi o mais longevo (em circulação) do interior do Nordeste e talvez do Brasil, salve pesquisa mais aprofundada. Sem nenhum demérito às outras cidades, Vitória, na cena jornalística impressa, sempre foi robusta.

Com efeito, foi  justamente através das pesquisas em documentos oficiais, registros de igrejas e cartórios, da oralidade e experiências vividas e sobretudo nas páginas dos nossos jornais que o Mestre Aragão conseguiu montar  o maior e mais completo “diário”  do interior do Brasil,  com a obra  “A História da Vitória de Santo Antão” –   em 3 volumes. Uma espécie de “Bíblia” das nossa gênesis. .

Assim sendo vale  destacar,  com letras garrafais,  que repousam nas páginas desses jornais impressos,  bem acomodados  no acervo  do nosso Instituto Históricos e graças ao operoso trabalho da atual gestão do Instituto Histórico, sob o comando professor Pedro Ferrer, alguns títulos já  encontram-se totalmente digitalizados e disponíveis aos internautas,  através da Biblioteca Nacional, ou seja:  um patrimônio de valor incalculável para toda sociedade antonense.

Para tudo isso haver sido concretizado, entre inúmeras variáveis, pelo menos duas merecem destaques: 

A primeira – e maior de todas –,  diz repeito ao sentimento de amor a causa, de espírito cívico e verdadeira devoção com o seu torrão natal e, sobretudo ao sacerdócio daqueles  que encontraram  na causa da imprensa uma maneira de servir à coletividade, sem maiores ambições e interesses próprios. Com destaques para: Antão Borges Alves (pioneiro), José Aragão, Oliveira Maciel, Pedro Albuquerque, José Miranda, Guedes Alcoforado e etc. 

A segunda, por assim dizer, devemos tributar aos que colaboraram com recursos financeiros, seja na forma de anúncios comercias ou na imprescindível “assinatura” anuais e semestrais. Nos arquivos da história local, não são raros os depoimentos emocionantes  daqueles que militaram na imprensa escrita antonense realçando o auto-calvário financeiro no sentido da manutenção do trabalho.  Destaquemos, contudo, que  esse material produzido, atualmente,  reflete o cotidiano dos nossos antepassados e diz muito do que somos hoje, como indivíduos e comunidade,  em constante  e frenética movimentação dialética.

Atualizando o cenário,  aos dias atuais, em que o jornalismo  impresso em larga escala  encontra-se desidratado,  “jornal digital” passou a ser ferramenta de primeira necessidade, principalmente em tempos de desinformação  e “Fake News”, bombardeadas insistentemente nas mais diversas plataformas digitais,  nas redes sócias.  Se bem observado, já não se acessa mais às páginas eletrônicas dos grandes jornais confiáveis sem à devida remuneração mensal. Isso já é uma realidade. 

Assim sendo, por manter no ar disponível a todos os internautas, de qualquer lugar do mundo,  o nosso robusto conteúdo com mais de 26.600 postagens  e quase 4.900 vídeos, fora os mais de cinco milhões de arquivos digitalizados que repousam aos nossos cuidados, todos originais e vinculados ao nosso lugar – Vitória de Santo Antão, a partir de hoje, 27 de julho de 2021, estamos instituindo a chamada “CONTRIBUIÇÃO VOLUNTÁRIA”. Nesse novo modelo, o internauta poderá contribuir com “qualquer valor”, através de um “PIX”, no sentido da manutenção desse trabalho de divulgação e preservação das coisas nossa terra. Com o PIX, toda operação tornou-se segura, fácil, ágio e sem qualquer burocracia. 

Portanto, após mais 10 anos produzindo conteúdo local com isenção e  qualidade, principalmente de valor histórico incalculável o  Blog do Pilako passa a contar, doravante,  com o apoio voluntário do internauta, se assim lhe convier. De resto, é o que temos para hoje nessa  nova etapa do nosso jornal eletrônico, intitulado BLOG DO PILAKO.

10 anos do Blog: um voto de aplauso do deputado Joaquim Lira.

Por ocasião da passagem do primeiro decênio de atuação do nosso jornal  eletrônico, intitulado Blog do Pilako, iniciado em 25 de junho de 2011 na rede mundial de computadores, recebemos, com alegria e satisfação, um Voto de Aplauso da Assembleia Legislativa,  articulado pelo deputado Joaquim Lira.

Para tanto, entre outras, justificou o deputado:

“Por tais motivações, nada mais justo que esta Casa Legislativa homenagear através desta iniciativa, ao reconhecer esse trabalho relevante de tantos serviços prestados no âmbito da informação e da memória política do Estado. Ante o exposto, solicitamos aos Nobres Pares que compõem esta Casa Legislativa, o acolhimento desta proposição, pela aprovação.”

Em ato contínuo, daqui, em nome do editor geral – Pilako – e de todos os nossos colunistas,  emitimos ao deputado antonense Joaquim Lira, nosso preito de gratidão pelo reconhecimento de um trabalho amplo, sério, independente e voltado às boas práticas jornalísticas, sobretudo no âmbito cultural, político e histórico da nossa urbe. Muito Obrigado!

140 anos da Matriz de Santo Antão – por Jean Michell

Hoje é dia de celebração para o povo Antonense, é dia de celebrar um grande presente dado por nossos antepassados, hoje, 29 de junho de 2021, se completam 140 anos da inauguração do maior cartão postal do município da Vitória, a suntuosa Igreja Matriz de Santo Antão. Antes de falar sobre o nosso atual templo, vale ressaltar que essa é a terceira igreja elevada em honra a Santo Antão.

Em 1626 “uma modesta Ermida de taipa, construída por Diogo de Braga” serve como local para o Santo Sacrifício, vindo a ser incendiada pelos holandeses quando da invasão em 1645. Logo em seguida, a devota população desta porção se une para erguer um novo templo, maior que o anterior, que veio a servir como Matriz a partir da criação canônica desta paróquia.

Em 1874 a velha Matriz foi demolida e foram lançados os alicerces para a construção de um novo templo. A nossa majestosa Matriz de Santo Antão foi idealizada pelo arquiteto italiano, Frei Francisco Maria de Vicenza, da Ordem dos Capuchinhos, que havia vindo ao Brasil com a finalidade de construir a Basílica de Nossa Senhora da Penha, no Recife. O responsável pela construção da nova Ermida também foi um capuchinho italiano , o Frei Cassiano de Comachio, sendo a pedra fundamental da nova igreja, lançada no dia 27 de setembro de 1874. Enquanto a Matriz de Santo Antão estava em construção, passa a ser Matriz provisória a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos homens pretos, mas, devido a hecatombe ocorrida dentro do referido templo em 27 de junho de 1880, a matriz provisória passa a ser a Igreja de Nossa Senhora do Livramento dos homens pardos, até o dia 29 de junho de 1881.

O dia para se inaugurar tão suntuoso templo foi escolhido com muito cuidado e atenção. No dia em que se celebra o príncipe dos apóstolos, o primeiro Papa da Santa Igreja, era entregue a população um digno local de oração e devoção. Ao raiar do dia, as bandas de música entoavam alvoradas festivas pelas ruas da cidade, anunciando o tão solene e esperado dia, as 10h o mui digno pároco, Cônego Marcolino Pacheco do Amaral se dirige a porta principal do Igreja, dignamente paramentado, a multidão de fiéis tomava todo o pátio da Matriz. Com grande solenidade, proferiu a benção ao novo templo. Enquanto a população erguia brados de gratidão e vivas, girândolas subiam aos ares, os sinos repicavam e bandas marciais executavam lindas peças musicais. Logo em seguida, o reverendo pároco ingressa na recém abençoada igreja para celebrar o Santo Sacrifício, respeitando a liturgia da Santa igreja é cantada a missa dos Santos Apóstolos.

Na tarde daquele mesmo dia, ocorreu o solene translado das imagens da Matriz provisória para a nova Igreja Matriz. O belo e longo cortejo saiu da Igreja do livramento precedido pelas pias irmandades existentes no nosso município, trazendo a frente suas cruzes processionais e tochas, além das bandeiras e estandartes que as identificavam. Eram elas: Irmandade das almas, Irmandade do Santíssimo Sacramento, Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dia homens Pretos, irmandade de Nossa Senhora do Livramento dos homens pardos, irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte, Irmandade do Bom Jesus dos Passos, entre outros movimentos e associações que também marcaram presença. Logo em seguida, eram trazidas as imagens do nosso Glorioso Padroeiro, Santo Antão, de Nossa Senhora das Vitórias, e a imagem do príncipe dos Mártires, aquele que nos proteje da peste, fome e guerra, São Sebastião. A multidão afluía de todos os cantos da cidade para participar de tão grandiosa comemoração, girândolas e mais girândolas subiam aos céus, 2 bandas marciais acompanhavam o solene cortejo que se dirigia para a nossa atual Matriz, ao chegar ao novo templo, era nítido no rosto de cada Antonense a alegria, o júbilo, a satisfação por um feito majestoso, brados e vivas expressavam tamanha alegria pelo momento que ficaria marcado pelos séculos seguintes na história da cidade.

Para concluir as celebrações, o Cônego Marcolino se dirige ao Púlpito e profere um belo discurso direcionado ao grande ato ocorrido naquele dia, após suas palavras, o Santíssimo sacramento foi solenemente exposto e foi recitado o solene Te Deum em ação de graças pelo grande feito, foi dada a benção com o Santíssimo Sacramento, concluindo assim os solenes atos pela inauguração do templo. A Matriz de santo Antão está intimamente ligada com a história da nossa cidade.

Grandes sacerdotes já passaram por ela, Cito aqui alguns: Cônego Marcolino Pacheco do Amaral, Cônego Bernardo de Carvalho Andrade, Monsenhor Américo Vasco, Padre Pedro de Souza Leão, Monsenhor Américo Pita e Monsenhor Renato, sendo o 20° Pároco e tendo passado mais de meio século a frente desta paróquia. São 800m quadrados de suntuosidade, em estilo neoclássico, sendo composta pelo Altar amor é mais 6 belos altares laterais, a Matriz de Santo Antão encanta a todos que a visitam pela sua beleza, tendo construída em estilo neoclássico, vale ressaltar a beleza das cornijas e capitéis que ornam a Matriz, além de belas imagens que ornam o presbitério e as capelas larerais. Cabe a nós hoje sermos gratos aos nossos antepassados e erguemos aos céus uma prece de gratidão por termos um dos mais belos templos do interior pernambucano em nossa cidade, mantendo vivas nossas belas e seculares tradições. Dentro desse clima festivo, já sentimos o gostinho de celebrar daqui a mais alguns anos os 400 anos de devoção ao Nosso Padroeiro, Santo Antão.

Jean Michell – paroquiano da Matriz de Santo Antão. 

As bodas de prata da saudade – por José Aragão – há exatos 74 anos.

Com o pseudônimo de Justino d Ávila, escreveu o mestre Aragão, para a edição do jornal “O Vitoriense”, em 23 de junho de 1947. há exatos 74 anos. 

1922. Quase que se pode dizer: ontem. Entretanto, que diferença tão grande para este tempo junino?

Reporto-me aos meus catorze anos, para recordar as encantadoras noites consagradas aos três santos juninos, com as quais os vitorienses desse tempo enfeitavam a vida da mais delicada e enternecedora poesia.

À frente de quase todas as casas da cidade, ardiam as fogueiras, simetricamente erguidas, fazendo ressaltar entre as chamas crepitantes as palmas de dendê e as bandeiras de papel.

Raríssima a residência em cuja sala principal não estava imponentemente confeccionado o altar de São João! Altar cheio de flores, onde a tarlatana e o prateado da armação lhe davam uma imponência especial. Velas acesas, incenso e cânticos religiosos em louvor ao maior dos precursores. Depois do exercício religioso, os fogos de salão: o craveiro, o diabinho, o mosquito, o busca-pé, com a sua “faixa’ clássica e impressionante, os balões…

À noite, todas as mesas confraternizavam na mesma disposição e no mesmo aspecto. Pobres ou ricas, ninguém lhes distinguia o sabor, pois o tempo não lhes permitia distinções nos cardápios  e nem sequer nos paladares: canjica, pamonha, pé-de-moleque, tudo de milho, tudo ao coco, tudo em manteiga…

Nas casas da cidade, entretanto, os festejos se diferenciavam nas danças e “cantigas”. Tanto naquelas entre si, como nas modestas vivendas dos arrabaldes. De uma dessas residências urbanas, saía o vozeiro alegre da criançada:

“Capelinha de melão

É de São João,

É de cravo, é de rosa,

É de manjericão.”

E de outra casa contígua:

“No altar de São João

Nasceu uma rosa encarnada.

São João subiu ao céu

Foi pedir pela casada.”

E o estribilho, uníssono:

“São João!

Nosso pai, nosso doce, nosso bem

Quem não venera São João

Não venera mais ninguém.”

Já na residência fronteiriça, as moças e os rapazes, formando uma enorme roda, de mãos dadas, cantavam alvoroçadamente, estridente e animadamente:

“Lesou, lesou!

Ora vamos vadiar

Cavalheiro deixe a dama

Ora vamos vadiar

Que esta dama não é sua

Ora vamos vadiar!”

E nos subúrbios, nas casinhas humildes, eram o bomboleio  rítmico do “coco” na “cantiga” dolente da gente simples “do mato”:

“Vamos pegá e só cá mão

Qui hoje é dia de São João”

O resfolegar das sanfonas, as quadrilhas e os xotes…

25 anos de recordações ameníssimas. 25 anos de bondade e inocência, que passaram e que os asfaltos, a eletricidade, o “jazz”, os coquetéis e os “shows” não deixam mais voltar. 25 anos dos nossos avós, dos nossos pais, da nossa meninice!

25 anos atrás, quando São João era o santo do Brasil e o Brasil a terra de São João. 25 anos …25 anos!… Bodas de prata de saudade!”

Há 6 anos, Vitória se despedia do Monsenhor Renato – por Jean Michell.

Era um sábado ensolarado na terra de Diogo de Braga, 02 de maio de 2015 (HÁ EXATOS 6 ANOS). Inicio da tarde, o movimento da agitada feira livre começava a se dispersar, quando de repente, um alto e agudo som rompe o pátio da Matriz. Os Sinos da centenária e gloriosa Matriz de Santo Antão repicam em toque fúnebre. A cidade silencia. Os telefones começam a tocar a toda parte em busca de informações e rapidamente a triste notícia é disseminada: PADRE RENATO MORREU! Nas rádios da cidade começam a circular as comunicações oficiais emitidas pelo então Seminarista , hoje Padre Renato Matheus, vitória entra em luto e começa a preparar a despedida daquele que tanto fez por esta cidade.

A cada hora que passava começavam a chegar mais pessoas à igreja em busca de informações sobre o velório. Toda a programação das mídias da nossa cidade se voltaram para homenagens ao pároco falecido. As 19h, nas proximidades da Praça da Bíblia, o corpo é recepcionado, grande multidão está a espera, a urna funerária é posta no carro do corpo de bombeiros e se inicia o cortejo até a igreja Matriz.

Inúmeras homenagens são prestadas. Alguns choram, outros aplaudem, outros dizem: “Lá vai Padre Renato, Padre como esse, vitória nunca mais há de ver!”. Chegando as proximidades da Igreja Matriz os sinos repicam, se entoa a Marcha pontifícia para receber o corpo daquele que anos antes recebera o título de Capelão de Sua Santidade, o Papa, e entre palmas, vivas e aclamações, nos ombros de estimados amigos e paroquianos o corpo do referido sacerdote adentra pela última vez o templo que ele tanto amou.

No altar, estava o amigo de longas datas, Pe Rubens Soares que,  com dignidade e piedade, celebrou a primeira das seis missas de corpo presente que foram rezadas durante o velório que se estendeu por toda a noite e o dia seguinte. Toda a sociedade vitoriense unida em torno da Matriz de Santo Antão para se despedir do seu pastor, autoridades civis e religiosas se fizeram presentes, do mais simples e humilde paroquiano a maior autoridade ali presente, todos consternados com a perda do grande líder espiritual.

Os Padre André Martins, Josias Barbosa, Fernando Castro (in memorian) e Pedro Jorge, se revezaram durante todo o velório, celebrando o santo sacrifício em sufrágio da alma do Pe Renato. Um pouco antes das 16h, o corpo é levado para o calçadão da Matriz, nos ombros dos Seminaristas da Arquidiocese de Olinda e Recife, ao som da Salve Regina. A Praça da Matriz lotada de pessoas que queriam prestar sua última homenagem. Às 16h, Dom Antonio Fernando Saburido, Arcebispo Metropolitano de Olinda e Recife, se unia a dezenas de padres – aqui registro de forma especial a presença do Monsenhor Romeu da Fonte, amigo de seminário do falecido –  diáconos, seminaristas e aos milhares de pessoas que se faziam presentes na Praça Dom Luiz de Brito para celebrarem a última missa de corpo presente. Uma bela celebração, marcada pela emoção da despedida e as homenagens pelos inúmeros feitos de Pe Renato.

Ao final da celebração, prestam suas homenagens o Deputado Estadual, Joaquim Lira, o filho espiritual Luciano Lima, e o paroquiano tão zeloso, Professor Mauro de Souza Leão, que fora praticamente interrompido durante seu nobre discurso por uma grande ventania que surpreendeu a todos os presentes. Na frente da Matriz, uma humilde fiel calmamente exclamou: “Padre Renato está no céu!” O Arcebispo proferiu a última encomendação, e concluiu a celebração.

Enquanto subia aos céus uma grande girândola, toda a multidão entoou em uma única voz, em homenagem ao seu pastor: “Aqui vou deixar meu coração, adeus Vitória de Santo Antão!”. Dados oficiais informam que cerca de 12.000 pessoas estavam presentes naquela última homenagem. O caixão, levado pelos  padres saiu da Matriz, passando pela Avenida Silva Jardim e seguiu até a Praça Diogo de Braga onde o carro do corpo de bombeiros esperava para conduzir a urna até o cemitério.

A frente do cortejo uma gigantesca fila de pessoas que carregavam as coroas de flores enviadas para homenageá-lo. As 20h a urna desceu à sepultura, no centenário túmulo no qual outrora foi sepultado o Cônego Bernardo de Carvalho. Ao fim do sepultamento um grande silêncio tomou toda a cidade que acabara de enterrar um grande pastor. Estas são memórias de um dia que ficará marcado para a história deste povo abençoado pelo patriarca Santo Antão.

Jean Michell – paroquiano da Matriz de Santo Antão.

ALGUNS VÍDEOS DO ARQUIVO BLOG DO PILAKO:

 

Um “Dia de Finados” diferente de todos da nossa história!!!

Instituído  pela Igreja  Católica desde o século XIII, o dia 02 de novembro passou a ser o dia dedicado aos mortos. O famoso “Dia de Finados” ou mesmo “Dia dos Fiéis Defuntos”. Na nossa “aldeia” – Vitória de Santo Antão – o Cemitério São Sebastião é o palco principal dessa devoção católica.

Antes, porém, do dia 09 de maio de 1875 –  data da inauguração do Cemitério São Sebastião na nossa cidade – os nossos defuntos, por assim dizer, foram distribuídos em vários “cemitérios”: na Bairro da Matriz, no entorno da Igreja Matriz, nos vários “mini” cemitérios dos engenhos, nos “clandestinos” e até nos dos “coléricos”, local em que hoje configura a via conhecida como “Estrada Nova”.

Nesse contexto, nesses quase 400 anos de história do nosso lugar, hoje, 02 de novembro de 2020, em particular do Cemitério São Sebastião, nunca antes vivenciamos um dia “oficial” dedica aos mortos em que, para ter acesso ao local, se fez necessário  medir a temperatura corporal,  higienizar as mãos com álcool e ser obrigado a usar a máscara.

Alguém, então, poderia alertar: Pilako, o cemitério foi inaugurado no ano de  1875, mas em 1918 também ocorreu  um momento pandêmico, “A Gripe Espanhola”,  em que o uso da máscara foi recomendado. Nesse sentido, segue a resposta:  Sim, é verdade, mas, salvo pesquisa mais aprofundada, nunca encontrei nos arquivos locais nenhuma referência sobre esse assunto. Assim sendo, podemos afirmar que hoje, 02 de novembro de 2020, nesse particular,  é um dia que devemos cataloga-lo como “histórico” para os antonenses.

Com efeito, para marcar essa passagem, de maneira “IN LOCO”, estive logo cedo no nosso cemitério – São Sebastião. Por lá, tudo tranquilo e sem o costumeiro alvoroço dos fiéis e dos sempre eufóricos  ambulantes que comercializam os “produtos do dia”, ou seja: flores e velas.

Portanto, na qualidade de estudioso da história local, esse é mais um registro,  a título de contribuição às próximas gerações que postamos no nosso jornal eletrônico, intitulado Blog do Pilako.  A história é dinâmica e viva!!

Cônego Luiz: poderá ser o primeiro Santo Antonense.

por Fernando Antonio Bezerra [ Sócio do IHGRN ], em artigo publicado no Tribuna do Rio Grande do Norte.

Muitos não sabem, mas existe um movimento pedindo que o Cônego Luiz
Gonzaga do Monte se torne beato e, adiante, santo da Igreja Católica  Apostólica Romana. E, de fato, todos apontam que ele era um homem diferenciado em sabedoria e santidade.

Cônego Monte nasceu no território pernambucano, na cidade de Vitória de Santo Antão, no dia 03 de janeiro de 1905, filho de Pedro e Belarmina Monte, pais materialmente pobres, família honrada e de numerosa prole. Em 1913, depois de um período na Paraíba, a família do Cônego Monte veio residir no Rio Grande do Norte, no lugarejo Recanto, Município de Currais Novos, segundo pesquisa do Cônego Jorge O’Grady de Paiva, um dos primeiros a escrever sobre o sábio sacerdote. O pai (Pedro Monte) instalou um barracão comercial no dito lugar que, de tão simples, sequer tinha ensino para os filhos em idade escolar.

Conta o Cônego O’Grady que Luiz Monte trabalhava o dia todo com o pai e, sempre que possível, dedicava-se a estudar sozinho, lendo “livros de leitura ou de histórias, almanaques, periódicos”. Naquele tempo, como diz o citado biógrafo, “a casinha onde moram, o barracão onde trabalham, a capelinha onde rezam, eis todo o seu mundo”. Aliás, falando em reza, desde criança Luiz Monte já demonstrava pendor para o sacerdócio.

Em 1917 a família se transferiu para Natal, já tendo Luiz Monte a decisão de
estudar para se tornar um sacerdote. No dia 15 de fevereiro de 1919 foi fundado o Seminário de São Pedro na Arquidiocese de Natal. A família de Luiz Monte não tinha recursos financeiros suficientes para mantê-lo na instituição. A mãe, Dona Belarmina, “tomou a seu cargo, então, a lavagem de roupa do Seminário de S. Pedro. Costurava, além disso, batinas para os seminaristas. Até à ordenação do filho ela lutara arduamente”. Em tudo, no Colégio Santo Antônio e no Seminário, Luiz Monte se destacou como um brilhante e aplicado aluno.

Aos 22 anos e alguns meses ele foi ordenado padre, precisamente no dia 18 de setembro de 1927, pelas mãos de Dom José Pereira Alves. Adiante, sobre Luiz Monte, o Bispo, já em terras cariocas para onde foi transferido, sintetizou as virtudes que mais o impressionavam no então jovem sacerdote: “a modéstia, a obediência, a piedade e a pureza”.

Padre ordenado, Luiz Monte foi o grande destaque de sua geração. Sábio, como diz Cônego O´Grady, “chegou a dominar toda a ciência de seu tempo”. Dominou teses de filosofia, teologia, mas, com profundidade, também andou pela matemática, física, biologia, química, geologia e psicologia, sem descuidar da história, literatura, direito, língua portuguesa e idiomas, sendo um dos maiores latinistas de seu tempo. Jurandyr Navarro, o maior estudioso sobre a vida do Cônego Monte, resume tudo: “foi professor, escritor, orador, polemista. Estudava em nove idiomas. Dominava a matemática e ciências afins. Sabia física, química, biologia. Conhecia a psiquiatria, psicologia, psicanálise. Versava o direito criminal, a literatura universal, a sexologia, mitologia e outros ramos do conhecimento humano”.

É muito para um normal, mas razoável para um gênio.

Caso presente do Cônego Monte que, com ares de santidade, partiu para o horizonte que a fé nos faz enxergar no dia 28 de fevereiro de 1944.

Matéria transcrita do Blog A Voz da Vitória. 

Por motivos opostos o dia 27 de junho marca – para sempre – a história das Igrejas do Rosário e da Matriz.

No constante diálogo histórico entre o passado e o presente, temos apenas uma certeza: o presente de hoje, amanhã, será passado e o futuro de hoje se materializará, em breve,  como presente fugaz,  na passagem para o tempo pretérito, mas não como “peça” morta e  sim como elemento vivo que sempre será revistado.

Assim sendo, nessa dialética constante, o dia de hoje, 27 de junho, pelo menos por dois recortes temporais distintos, mas ligados entre si, ficarão catalogados para sempre na história antonense, sobretudo no que se refere aos dois emblemáticos templos católicos – Matriz de Santo Antão e Nossa Senhora do Rosário.

Hoje, 27 de junho, ficará marcado na história da nossa cidade como o dia da reabertura da Igreja Matriz de Santo Antão aos fiéis,   após longo período fechado, em virtude dos severos efeitos da pandemia do novo coronavirus.  Evidentemente, algo para ser  celebrado  com alegria,  e principalmente com esperança e fé.

Já o dia 27 de junho de 1880, há exatos 140 anos, a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos serviu de palco para um dos piores momentos já vividos na nossa cidade. O evento sangrento,  que ficou conhecido como a “Hecatombe do Rosário”, deixou um rastro de morte desilusão no seio da nossa sociedade cujo templo, em função do holocausto, foi obrigado a fechar as  suas portas por um longo período.

A história é assim: viva, vibrante e, às vezes, contraditória… No 27 de junho de 2020, celebramos a reabertura da Igreja da Matriz com a alegria. Já no 27 de junho de 1880,  fomos obrigados a fechar as portas da Igreja do Rosário,  num cenário tristeza e dor… Assim é a vida que segue.

Esse, portanto, é  mais um capitulo da história viva da nossa Vitória de Santo Antão.

COVID – 19: outra cena para entrar no cardápio dantesco da nossa história.

(Vitória de Santo Antão, 26 de março de 2020 – 23:35h) No compasso global e nacional o cotidiano da nossa aldeia – Vitória de Santo Antão – segue estranho aos dias normais, por assim dizer. Registramos hoje, por volta 19h, o  Pátio do Livramento. Tudo lento e silencioso. Indiferente e alheio ao tal coronavirus só o Anjo, no alto do seu pedestal, de costas para o problema.

Esse silêncio ensurdecedor causa medo, pavor e dúvidas. A população continua assustada! Nada se compara, evidentemente, ao pior momento coletivo já vivido pelos antonenses. Na bucólica e nova cidade da Vitória (1843), logo nos primeiros anos da segunda metade do século XIX, a então “metrópole” conheceu o inferno, em função da cólera. Entre outras cenas dantescas, os registros descrevem fogueiras acesas,  dias e noite, na queima de alcatrão para vencer o mal,  que tinha como aliado as poucas informações das autoridades de então. Resumo da macabra ópera: inúmeras vidas ceifadas e o pior momento já vivido pela população,  na terra desbravada pelo português Diogo de Braga.

Na inquietante trilha global, na qual estamos vivenciando agora, no último ano da segunda década do século XXI, a vida também não está fácil, sobretudo aos pertencentes das camadas menos abastardas financeiramente. O isolamento social,  regulamentado através dos decretos estaduais e municipais,  implica deixa de trazer o pão nosso de cada dia para dentro de casa.

Nas primeiras horas do dia a cidade ainda “se move”, mesmo que homens protegidos sejam vistos aspergindo  produtos químicos sob vias urbanas, logradouros e bancos de praça, em pleno centro comércio, na tentativa de  combater o invasor invisível. Não bastasse todas incertezas, outra cena para entrar no cardápio dantesco da nossa história.

Covid 19 – como isso vai ficar?

(Vitória de Santo Antão, 23 de março de 2020 – 16:10h) A partir de hoje estou mudando a rotina do blog. O momento exige. Na medida do possível, a porque as coisas estão mudando com a velocidade dos acontecimentos,  estaremos contribuindo com a informação segura. Por voltas 10 horas da manhã de hoje, registramos um panorama do movimento no comercio a partir da Praça Duque de Caxias.

Na tarde de ontem, domingo, dia 22, registramos um panorama do Pátio da Matriz, por volta das 17:40h. Sempre bem movimentado e concorrido nas tardes de domingos, o referido local estava deserto. Algo também ocorrido na noite anterior (sábado), conforme registros do jornalista Márcio Souza.

Também na noite do sábado, dia 21, vídeos circularam na internet dando conta da interferência policial no sentido de “recomendar” os poucos moradores que teimavam permanecer no “Parque da Bela Vista”.

Decretos estaduais e municipais em vigor proíbem o funcionamento de várias atividades – escolas, comércios e etc – excetuando atividades consideradas essenciais. Notas oficiais – que circulam na rádio, carro de som e internet – estimulam as pessoas a não saírem das suas casas.

Em novo pronunciamento, no final da manhã de hoje, o governador Paulo Câmara determinou contratação de novos profissionais de saúde, à proibição de reuniões (aglomeração)  com dez pessoas e à proibição do serviço de mototaxis, algo que contrapõe frontalmente à regra básica de distância regulamentar mínima entre as pessoas.

Nossa cidade, Vitória de Santo Antão, segue, assim como o Brasil e o resto mundo, agonizando e ansiosa em busca de respostas. Até o presente momento a pergunta que mais se escuta é: como  isso vai ficar?

Tempo Voa Documento – PERCALÇOS E IDEALISMO – Luis Nascimento.

Revirando meus arquivos encontrei um “desabafo” de senhor Luis Nascimento,  em artigo escrito para a Revista do Instituto Histórico,  por ocasião das comemorações do Centenário da Imprensa local (1866 – 1966),  que bem reflete o sentimento daqueles que fizeram e faz imprensa na nossa Vitória de Santo Antão. Vale a apena ler:

PERCALÇOS E IDEALISMO

A imprensa vitoriense sofreu, desde 1866, todos os percalços, dificuldades e inglórias inerentes à espécie. Viveram seus periodistas, por outro lado, os momentos culminantes da criação do jornal e da enunciação de ideias e programas, junto ao desejo de ser útil a comunidade, de consertar os erros do mundo e apontar os caminhos certos.

Continuaram eles, neste século, a amar e a sofrer, teimosamente, jungidos a um ideal, à missão de informar, de aparecer, de transmitir um pensamento, um verso, uma página literária.

Ultrapassou a casa dos trinta o número de publicações da grande família da imprensa dadas à circulação, de 1866 a 1899, na Vitória de Santo Antão. No cômputo geral dos cem anos hoje completados, subiram a mais de 170, de todos os gêneros, de vida intensa ou efêmera, fazendo surgir jornalista a granel, muitos deles perdendo o título rapidamente, outros altanando-se no conceito da imprensa regional ou nacional.

Esta terra de tantas tradições históricas tem, indubitavelmente, a primazia da imprensa no interior do Estado, uma primazia que honra Pernambuco, do mesmo modo que a imprensa de Pernambuco honra o Brasil.

Luis Nascimento
Originalmente publicado na REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO – 1968.

Aluísio Ferrer – homenagem dos seus amigos e admiradores………

Perdemos o último dos moicanos ou melhor o último membro, salvo melhor juízo, da famosa “Corriola” criada, aqui,  nos anos cinquenta e hoje brilhantemente substituída, inclusive com mais glamour, pela Missão Cultural da Matriz. Aluísio e parceiros (Dodó da Gamela, Zé Palito, Zezinho Mesquita, Mizura, José Augusto Ferrer, Miro Caboclo, Zequinha Vieira, Biu Cândido, Wilson Bruto, Eliel Tavares, Donato, outros, outros e outros que me fogem à memória) criaram um grupo de jovens com a finalidade primordial de encherem o quengo e curtirem a vida. Resumindo: farrar.

Aluísio sofreu noventa e dois anos de exílio e agora retorna à casa do Pai. Aqui deixa o que tinha de menor valor: seu corpo, sua matéria. Leva suas boas ações e suas virtudes. Conhecemos  e convivemos  bem com Aluísio Ferrer. Homem de caráter e temperamento forte. Às vezes exagerava um pouco. Em nossos diálogos, às vezes um tanto ásperos, prevalecia a harmonia e a civilidade. Recordamos que certa feita, discutindo sobre religião, afirmamos:

– fulano é católico praticante.

Ele retrucou:

– “não há católico praticante; há católico. É, ou não é.  Há pessoas que afirmam serem católicos,  mas não frequentam a igreja, não suportam padres e dogmas. Não o são”.

Assíduo frequentador da missa das 6:30 h,  aos domingos na matriz de Santo Antão; amigo fiel do Monsenhor Renato Cavalcanti. Sua prática religiosa extrapolava as muralhas do templo. Sempre solícito procurava viver o cristianismo no que ele tinha de mais autêntico: amor ao próximo.

Aluísio Ferrer foi casado em primeiras núpcias com a antonense, Emília Siqueira, irmã do jornalista e escritor Júlio Siqueira, com quem teve 4 filhos: Alexandre, Joaquim Augusto, Aluísio e Severino José. Viúvo, casou-se com Angelita, nascida no Recife. Em Vitória de Santo Antão foi aluno do professor Aragão. Concluído o ginásio seguiu para o Colégio Marista sendo aluno destaque. Na UFPE cursou Economia. Retornando à terra natal assumiu seu posto no Engarrafamento Pitú, ao lado do pai, Nô Ferrer. Empresário responsável e dedicado deu forte contribuição ao progresso e pujança da empresa Pitú. Através dos clubes de serviços sempre manteve sintonia com as questões sociais.

Aluísio, sentiremos falta do teu vozeirão e de tuas explosões. Mas fica, e por isso agradecemos a Deus, termos convivido com pessoa tão especial, tuas histórias, teu companheirismo, tua solidariedade e fidelidade aos amigos. De uma imensurável dedicação à mãe, dona Áurea Ferrer.

Aluísio deixou-nos corporalmente. A morte é uma passagem. Libertou-se da matéria e agora ao lado do PAI CRIADOR, usufruirá do bem que aqui plantou. Parta em paz,  Aluísio,  e obrigado por tudo que  fizeste em vida por tua família, teus amigos e sobretudo pela República das Tabocas, ou melhor, República da Cachaça, já que tu também apreciavas a “branquinha”.

Homenagem dos seus amigos e admiradores

NOTA DE FALECIMENTO: Aluísio Ferrer de Morais

Faleceu na manhã desta quarta-feira (22/01), com 91 anos, no Recife, Aluísio Ferrer de Morais, um dos diretores do Engarrafamento PITÚ, deixando quatro filhos, sendo o mais velho Alexandre Ferrer, atual presidente da empresa e diretor comercial, sete netos e dois bisnetos.

Sr. Aluísio Ferrer completaria 92 anos no próximo dia 28 de janeiro. Ele estava internado na UTI do Hospital Português, na capital pernambucana, há um ano, apresentando um quadro de complicações pulmonares.

Aluísio Ferrer fazia parte da segunda geração de gestores do Engarrafamento PITÚ, sendo filho do sócio-fundador Severino Ferrer de Morais. Ao longo de seis décadas, Sr. Aluísio foi responsável pelo setor Comercial e de Marketing da PITÚ, consagrando a aguardente como a mais consumida no Nordeste, a segunda do País e a líder absoluta em exportação do produto para o mundo.

O velório de Sr. Aluísio Ferrer de Morais acontecerá no final da tarde desta quarta-feira (22/01), às 17h, no espaço Rosa Master, que fica ao lado do Cemitério São Sebastião, onde será o sepultamento em seguida, em Vitória de Santo Antão, seu município natal.

Histórias do Carnaval Antonense: o escritor Célio Meira, meu avô, se irritou com a chacota!!

Certa vez, uma irreverente toada fez o nosso querido e saudoso Célio Meira se retirar do tablado. Estávamos na fase aguda da primeira grande guerra e Célio era um francófilo capaz de brigar com quem tentasse, nesse particular, combater as suas ideias. Era nosso Ministro do Exterior o dr. Nilo Peçanha. Acontece que a Cambinda para, diante do tablado e ataca:

“O Doutor Nilo Peçanha
Pela Pátria brasileira,
– Mandou chamar Célio Meira
P’ra acabar com a Alemanha”.

Ceciliano não gostou da graça. Essa quadrinha foi atribuída a Samuel Campelo que, no entanto, sempre negou, Teria sido de meu pai, Joaquim de Holanda Cavalcanti. Muitas pessoas o davam como sendo o autor. Não sei…

O que sei é que a “Lagoa do Barro” lembra o Carnaval. Era lá o quartel general da folia, transformada em bosque e, à noite, com sua profusão de luzes, num vasto salão iluminado.

Até 1929, o nosso Carnaval, embora desfigurando-se  cada ano, guardou esse aspecto.

Extraído da REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO – Volume 6º – 1976 – Páginas 102 e 103.

Perguntou-me Pedro Ferrer: “quem morreu mesmo, amigo Pilako, foi o CAMELO OU O LEÃO?”

Na qualidade de folião antonense, com raízes carnavalesca vinculadas ao Clube Abanadores “ O Leão”, o professor Pedro Ferrer reclama da falta de “espaço” para o “mais querido”. Eis a nota enviada por ele, ao blog:

Enterro do Leão – O Camelo é de amargar. Só dá Camelo neste blog.

Vale a boa intenção dos adeptos do Vassouras: RESSUSCITAR O LEÃO. Desculpem – me estava com a cabeça cheia de enterro do Leão; mas quem morreu mesmo, amigo Pilako, foi o CAMELO OU O LEÃO? Tira-me esta dúvida. Que é da sede do aristocrático? Vou lá dar uns ponta pés na porta da sede. Não, não devo, agora é um templo religioso.

Falando sério: vale o esforço dos saudosistas do Camelo. Ressuscitando o Camelo, a benéfica rivalidade voltará às ruas de Santo Antão e com certeza com a benção do SANTO PADROEIRO, assim ganhará o nosso carnaval.

Viva o Leão de Célio Meira, de Nô Ferrer, José Augusto Ferrer, Abiatar Ferreira Chaves, Joel Siqueira, Honório Trugão (Sena), Mizura e tantos outros. Este último, Mizura, virou casaca; tempo depois passou para o outro lado.

Pedro Ferrer

O Tempo Voa Documento Especial: Reminiscências natalinas – Por Prof. José Aragão (1999)

Dos natais de minha infância, recordo, enternecido, dispostos em ordem, através do velho Pátio da Matriz, nesse tempo coberto de capim e outros arbustos silvestres: o carrossel, cheio de cadeiras e cavalinhos, movido à mão, ao som de melodias tocadas por uma caixa de música; as barracas de prendas de José Menezes e do José Viana, com cadeiras em torno dos armarinhos onde ficavam os objetos a ser sorteados entre os compradores de bilhetinhos feitos à mão; os bares improvisados, com mesas e cadeiras espalhadas em torno da praça; os botecos onde se vendiam quinquilharias, miudezas e brinquedos infantis; os tabuleiros dispostos em fila com bolos, alfenins e confeitos, tendo ao lado um pote com água fria para os fregueses; os presépios e os pastoris.

A iluminação era feita por bicos de latas de carbureto, pendurados em postes de madeira. Nas barracas e na frente de Matriz, lâmpadas a álcool.

De caibros fincados no chão, sustentando folhas de coqueiro, partiam os cordões de bandeirinhas multicores, feitas de papel de seda, circundando e cruzando toda a área da festa.

Por todos os becos, ruas e travessas convergiam ao pátio levas de matutos que acorriam à cidade para ouvir a Missa do Galo.

Rapazes e moças, em grupos, contornavam a praça, discreteando amável e respeitosamente sobre trivialidades próprias de sua idade, usufruindo o prazer natura de mentes jovens e sonhadoras em melífluos encontros.

As crianças, levadas pelas mãos dos pais, visitavam as várias estâncias de pura e inocente alegria, dispostas no vasto pátio, mais interessadas em ver os presépios e montar num dos cavalinhos do carrossel.

No centro, em coreto improvisado, a Banda Musical executava peças do seu repertório: dobrados, valsas, chorinhos, marchas etc.

Dos presépios, lembro-me do armado pelo sacristão da freguesia, Benjamim Bezerra, numa casinhola situada na esquina da rua Silva Jardim com a chamada “Vila Maria”, residência do vigário.

Pastoril famoso foi o organizado pela professora Amélia Coelho com as suas alunas, meninas-moças das mais destacadas famílias vitorienses, o qual se exibia num palanque armado ao lado direito da Matriz, arrancando aplausos delirantes das torcidas dos cordões azul e encarnado.

E assim, entre os devaneios da juventude, a euforia natural da matutada que vinha à cidade ostentando as vestimentas da festa, e a cordialidade reinante entre as famílias, vivia-se o espírito do Natal em sua essência.

À meia-noite, o sino grande da Matriz tocava badaladas, a princípio, pausadas e, logo, apressadas, anunciando o início da Missa.

No altar em frente à porta central do templo, sobre a calçada, celebrava o sacerdote a Missa do Galo, ouvida com unção religiosa, tendo como ponto alto o canto do Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade.

Repetia-se unissonamente a mensagem angélica, anunciando aos pastores o nascimento do Menino-Deus.

Quantas suaves reminiscências desses Natais que vivi, embevecido pela grandeza e sublimidade do sagrado mistério da Encarnação do Filho de Deus, nascendo numa pobre manjedoura para redimir a humanidade, e fascinado pela singela beleza das comemorações ternas e pias desse grande evento! 

Prof. José Aragão
Texto publicado na Gazeta do Agreste,
 Dezembro / 1999.

Demóstenes de Olinda d’Almeida Cavalcanti – por Pedro Ferrer.

No dia 20 de setembro de 1873, a senhora Edeltrudes de Holanda Cavalcanti d´Almeida deu à luz uma criança do sexo masculino. O pai, major Claudino José de Almeida Lisboa, pôs-lhe o nome de Demóstenes de Olinda. Vitória de Santo Antão ganhava um poeta e escritor. Concluído seu curso primário, partiu, em 1886, para o Recife na tentativa de realizar um ideal acalentado desde a mais tenra idade, bacharelasse em Ciências Jurídicas. Matriculou-se no Ginásio Pernambucano. Disciplinado em tudo: no acordar, no vestir e no estudar, logrou grande êxito nos estudos, sendo um destaque em classe. Nos horários extraclasses criou com alguns colegas um pequeno jornal, “O Literário”. Terminado o “Curso de Humanidades” ingressou na Faculdade de Direito do Recife. Ainda estudante das ciências jurídicas, colaborou com diversos jornais da capital escrevendo artigos, crônicas, contos e poesias. Em dezembro de 1895 recebeu seu diploma de bacharel em Direito indo trabalhar na diretoria da “Instrução Pública” e de “Melhoramento do Porto do Recife”. Seu único livro publicado, “Ortivos”¹, em 1894, ainda estudante, não teve a devida divulgação mas é carregado em sentimentos. “Pelos seus versos sente-se que o seu cantar era o amor, a felicidade, o sonho, a alegria de viver, e só raramente cantava a dor, o sofrimento” (Júlio Siqueira).

Em 1897 foi nomeado promotor público da comarca do Alto Rio Doce, Minas Gerais. Seu bom desempenho mereceu-lhe uma rápida promoção, juiz da cidade de Patrocínio, na mesma Alterosa. Não teve tempo de assumir o novo cargo. No dia 15 de agosto de 1900 faleceu, deixando viúva a senhora Augusta Olinda de Almeida Cavalcanti. Não tiveram filhos.

Além do seu livro “Ortivos”, único editado e publicado, deixou inúmeras poesias avulsas, dispersas tanto em Pernambuco, como no Rio de Janeiro e em Queluz, cidade mineira onde faleceu.

Em 26 de janeiro de 1901 um grupo de escritores pernambucanos, liderados por Carneiro Vilela, criaram a Academia Pernambucana de Letras, tendo o nome de Demóstenes sido indicado para Patrono da Cadeira, nº 20. Era o mais alto reconhecimento do mérito literário daquele que tão cedo partira para a eternidade. Esse reconhecimento se estendeu e se manifestou ainda com a publicação de sua biografia no Dicionário Corográfico, Histórico e Estatístico de Pernambuco e no Almanaque de Pernambuco. Foi ainda homenageado na capital pernambucana com a aposição do seu nome em uma rua do bairro da Madalena. Semelhante reverência recebeu da prefeitura de Camaragibe que deu seu nome a uma rua em Aldeia. Vitória de Santo Antão também soube reverenciar a memória do seu ilustre filho, colocando seu nome em uma rua no bairro do Cajá.

.NOTURNO

Sonhei ( ai se eu assim sempre sonhasse:)

Que, reclinada, tinha-te ao meu lado,

e te beijava a loira fronte, a face

rubra e o rubro seio perfumado.

Que esse meu sonho azel sempre durasse:

que de leve não fosse perturbado

o sono meu: que nunca eu despertasse

senão na clara noite do noivado

Isto eu pedia aos céus ainda ouvindo

a doce prece dos teus lábios, quando

vou de repente as pálpebras abrindo…

Despertaste (dirás) verso cantando…

mas não: eu não te vendo ao lado, rindo,

só poderia despertar chorando!…

ESCURO TEMA

Cada vez que te falo me convenço

que melhor fora se te não falasse,

porque se em ti eu tanto não pensasse,

não te falava do que menos penso.

E digo mesmo que este amor intenso

que guardo n’alma, eu antes não guardasse,

pois dos loucos, se assim eu não te amasse,

não pertencia ao número e pertenço.

Longe de mim não és feliz, ausente

de ti não sou feliz: mas os desejos

que temos se resumem num somente.

Ah! Não termos do pássaro os adejos

para estares comigo eternamente

e eternamente eu te cobrir de beijos!

ORTIVOS¹ – VERSOS

Hugo & Cia – Editores

Papelaria Americana

Recife – 1894

1 – Ortivo = nascente, que está nascendo, oriental.

Pedro Ferrer – presidente do Instituto Histórico da Vitória.