Carnaval 2020 – Vitória de Santo Antão.

kit Saudade  – Á vista R$ 85,00 ou em até 5X R$ 19,00 no cartão – Pontos de venda –  Óticas Diniz, Escritório do Blog do Pilako ou com Vendedores Autorizados  – Promoção do primeiro lote: ATÉ O DIA 01/02 – mais informações, chama no zap – 9.9192.5094

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

Carnaval: O Tempo Voa Vídeo: entrevista com Renovato – 1991

Publicado em O Tempo Voa - Vídeos | Deixar um comentário

Momento FAMAM – Faculdade Macêdo de Amorim

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

O Tempo Voa Carnaval: carro alegórico da Girafa.

Laura Siqueira – carro alegórico do Clube "Girafa" – CARNAVAL DE 1978.
Publicado em O Tempo Voa | Deixar um comentário

Momento Pitú: Viva a Resenha!!

Isso que é começar o ano, viu? Ou melhor, a década!
Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

FREVO E VASSOURINHAS – por Sosígenes Bittencourt.

Não é possível se falar em Frevo, sem se referir a Pernambuco,Vassourinhas e Felinho. Porque não há dúvida de que o frevo nasceu entre Olinda e Recife, e é o único ritmo genuinamente nacional.

Não existe frevo nem nada parecido em lugar nenhum do mundo. Até a palavra frevo vem do verbo “ferver”, oriunda da pronúncia troncha, como “frevura”, referindo-se às atividades canavieiras, como nos engenhos de açúcar. Diz que Vassourinhas, considerado o Hino do Carnaval Pernambucano, foi composto por Matias da Rocha e Joana Batista Ramos, para o Clube Carnavalesco Misto Vassourinhas, lá pelo início do século passado, mil novecentos e alguma coisa. Porém, há quem tenha fuxicado que viu Joana cantando os versos de Vassourinhas para Matias, já em 1889. Sei não.

Felinho, Félix Lins de Albuquerque (1895-1980), conhecido popularmente como O Homem dos 11 Instrumentos, nascido ali em Bonito, inventou 8 Variações para sax-alto, no meio de Vassourinhas, em 1941. O frevo foi gravado, com a novidade, em junho de 1956, pela orquestra de Nelson Ferreira, para incendiar a Terra dos Altos Coqueiros.

Infelizmente, já não se toca Vassourinhas como antigamente. Tenho uma cópia da execução original, para dizer que deram uma vassourada no Hino do Carnaval Pernambucano.

Fervoroso abraço!

Sosígenes Bittencourt

Publicado em Fala, Vitória! | Deixar um comentário

O Casal Espacial: ÉTzão e ÉTzuda.

Atualmente considerada a maior  troça de frevo da nossa cidade, o "ETzão e ÉTzuada" arrasta pelas ruas uma verdadeira multidão, boa parte dela devidamente fantasiada, sempre no sábado de Zé Pereira. Ouça a música “O Casal Espacial”, composta por Guga Ferrer e Sérgio Campêlo, na voz de Bubuska Valença.  A música também faz parte do CD Vitória é Sempre Carnaval, produzido em 2004 por Aldenisio Tavares e Cristiano Pilako. Casa Espacial - Bubuska Valença   Aldenisio Tavares
Publicado em Vitória dos Artistas | Deixar um comentário

Toc..toc…toc…..Abra a porta: o tão esperado 2020 acabou de chegar!!!

Em clima de fechamento dos trabalhos, no que se refere ao ano de 2019, hoje, faço apenas uma única postagem para agradecer. Aliás, ser grato é algo que nunca sairá da moda. Um novo ano se anuncia. 2020, já é uma realidade. Assim sendo, por mais seja um clichê, nos resta recarregar as baterias e seguir em frente. Se chegamos até aqui, por obvia conclusão, é porque vencemos!! Estamos mais fortes!! Não custa nada lembrar que no “jogo da vida”, muitas vezes,  as derrotas e as frustrações também constroem, as vezes,  mais e para sempre...

Assim sendo, aproveito para enviar um “EVOÉ” a todos os internautas do nosso jornal eletrônico, intitulado Blog do Pilako, visando essa  nova etapa que acaba de se iniciar (2020). Nesse sentido, realço que NÃO devemos “se iludir nem se avexar”, como dia a música do ETESÃO,  porque o ano só começa mesmo no nosso Brasil,  após o carnaval!!! Vamosimbora....

Publicado em A Lupa | 1 comentário

Carnaval 2020: Vitória começa antecipar o calendário!!!

Na qualidade de uma das cidades mais animadas do estado de Pernambuco, no que se refere ao reinado de momo, nossa Vitória de Santo Antão já começou entrar no clima carnavalesco. Na noite da sexta (27), por exemplo, a Orquestra Venenosa “afinou” os instrumentos no Pátio da Matriz.

Aliás, diga-se de passagem, executando muitos frevos que nunca constaram no seu rico repertório. A passista, de maneira genial, arrancou os aplausos dos foliões que assistiam ao concerto musical.

Já na tarde do domingo (29), nossas lentes flagraram um grupo de autênticos foliões “bebericando” na praça. No som “mecânico”, por assim dizer, só rolava o show da Orquestra Super Oara, gravado aqui em Vitória em cima do Trio Asas da América!! A turma tá se animando!!!

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Colação de grau da Escola Professora Janise dos Santos Oliveira aconteceu nas dependências do nosso Instituto Histórico!!

Sob a coordenação do dinâmico diretor, Claudemir Coelho,  na noite do sábado (28), aconteceu no Instituto Histórico e Geográfico da Vitória (Silogeu e outras dependências) a culminância festiva de colação de grau do Ensino Fundamental da Escola Municipal Professora Janise dos Santos Oliveira, localizada em Natuba.

Por todo seu simbolismo, a festa congregou jovens com os  seus respectivos familiares para celebrar mais uma vitória da família que acredita no poder da transformação pela educação. Com o tema voltado para o glamour da cidade de “Las Vegas” a turma, radiante e eufórica, carregava o nome da professora Eliete Silva. Na qualidade de Patrono, o eminente presidente da “Casa do Imperador”, professor Pedro Ferrer proporcionou uma noite inesquecível a todos aqueles que por circularam, já que nunca antes na história do Instituto tá evento havia ocorrido.  Ao final, depois de muita música e vibração, um jantar foi servido aos participantes.

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Show de Prêmios: Paróquia de Santo Antão.

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

Carnaval 2020 – Vitória de Santo Antão.

kit Saudade  - Á vista R$ 85,00 ou em até 5X R$ 19,00 no cartão - Pontos de venda -  Óticas Diniz, Escritório do Blog do Pilako ou com Vendedores Autorizados  - Promoção do primeiro lote: ATÉ O DIA 01/02 - mais informações, chama no zap - 9.9192.5094

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

Momento Cultural: Eu e Você por Stephem Beltrão.

Eu e você somos iguais Você não gosta de mim E eu não gosto de você Você finge gostar de mim Eu finjo gostar de você

…………………………………….. Se assim eu estivesse feliz E se você também estivesse bem ……………………………………… ……………………………………..

Se nós nascemos um para o outro Por que essas coisas acontecem? Por que você não liga para mim? …………………………………………..?

Por que você não me procura? E eu não procuro você? Por que vivemos separados? Será que a morte nos unirá?

……………………………………. Isso eu gostaria de saber. Você tem alguma explicação? …………………………………………… ……………………………………………

Stephem Beltrão

Publicado em Fim de Semana Cultural | Deixar um comentário

Momento FAMAM – Faculdade Macêdo de Amorim

AQUI, NA FAMAM, VOCÊ VALE MAIS! ESCOLHA A FAMAM, ESCOLHA O SUCESSO, ESCOLHA SER FELIZ!
Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

O Tempo Voa: Homenagem no Aeroclube da Vitória (1951).

Hangar do Aeroclube da Vitória - durante homenagem ao Prefeito Manoel de Holanda Cavalcanti - registro 1951. 
Publicado em Fala, Vitória! | Deixar um comentário

Momento Pitú: Viva a Resenha!!

Por aqui, ando recebendo minhas visitas muito bem, obrigada. E quando é uma presença ilustre dessas... Só pode dar em resenha.

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

Renovação e Esperança – por Sosígenes Bittencourt.

Que, em tempo de Renovação e Esperança, o passado sirva de exemplo na construção do Futuro e na preservação da . Façamos um bom Presente para não termos tristes recordações. Relembremos as vezes que vencemos as adversidades. Acostumados a cair é que aprendemos a nos levantar. O que é bom para depressão é Organização. O Criador do Universo nunca nos despreza quando nos infunde a capacidade de discernir entre o Bem e o Mal.

Sosígenes Bittencourt

Publicado em Fala, Vitória! | Deixar um comentário

Saudade – Fernando Silva.

Hoje,  disponibilizamos a canção SAUDADE,  de autoria e interpretação do amigo FERNANDO SILVA. Saudade – Fernando Silva Aldenisio Tavares
Publicado em Vitória dos Artistas | Deixar um comentário

Classe artística vitoriense reclama do não cumprimento de acordo pela atual gestão do Conselho Municipal de Cultura.

Na qualidade de artistas e representantes dos produtores culturais da nossa Vitória de Santo Antão estiveram na nossa redação, hoje, pela manhã, Herika Araujo e Pablo Dantas dando conta do não cumprimento de um acordo celebrado entre a classe artística e a atual gestão municipal do conselho de cultura, subordinado a gestão  do  atual  prefeito Aglailson Junior.

Segundo eles, lá atrás, ainda na gestão anterior e depois na atual administração,  após a consolidação do Conselho Municipal de Cultura, ficou “acordado” que haveria um rodízio na direção dos trabalhos (Conselho) ou seja: o comando seria alternado entre os indicados pelo governo e os representantes da classe artística. Algo, segundo eles (artistas), que foi descumprido  hoje, pela manhã, por ocasião da primeira reunião da nova turma de conselheiros, escolhida em novembro próximo passado.

O artista e produtor cultural, Pablo Dantas,  fez duras críticas ao senhor Eric Leonardo, atual gerente de cultura da gestão municipal. Disse Pablo: “Pilako, parece que ele trabalha contra o governo que ele mesmo representa. O senhor Eric Leonardo, na ocasião, demonstrou total falta de habilidade política e senso democrático. Eu nunca vi a comunidade cultural ser agredida dessa forma. Ele bateu na mesa, chamou palavrão e desmoralizou o governo,  ao se colocar dessa forma. Não é possível que essa pessoa esteja num cargo tão importante. Vamos acionar o Ministério Público, a imprensa e todos os artistas da cidade".

Já a produtora Herika Araujo, num  tom mais conciliador, desabafou dizendo: "nós buscamos o diálogo. Falamos sobre o histórico do Conselho e tentamos negociar a pauta da maneira mais democrática possível. Como não houve acordo, nós deixamos o conselho e estamos organizando uma comissão para articular o cumprimento da lei. Porém, antes, desejamos que o governo reveja a situação e procure dialogar com a classe. Nós estamos totalmente abertos para construção democrática de políticas públicas".

Dessa forma, a situação da cidade se agrava. Segundo os artistas, o gerente de  cultura, Eric Leonardo, não está sintonizado com os anseios da comunidade cultural vitoriense e, por isso, não deveria participar dessas negociações. Os artistas lembraram também que o governo Aglaison Júnior ainda não concentrou esforços para o cumprimento da Lei Municipal 4.166/16. Ao final, o grupo demonstrou interesse em dialogar com gestão, mas,  caso não seja possível prometeram uma mobilização e até uma provocação formal ao Ministério Público local. Com a palavra, os gestores municipais da área cultural. Abaixo, um pequeno vídeo retrata o desabafo dos artistas.

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Régis Souza foi um profissional original…….

Amigo de todos e sempre bem humorado, Régis Souza, ocupou bem o espaço que a sua potente e aveludada voz lhe proporcionou. A sua morte, anunciada na manhã de ontem (26), deixa uma lacuna na nossa cidade, sobretudo nos folguedos de momo.

Com a saúde debilitada há anos, Régis parecia não acreditar que “esse”  dia chegaria, mesmo que, em várias ocasiões, ele mesmo brincava com a possibilidade da sua iminente partida - dizia-se até, não sei se é verdade,  que o mesmo já havia até gravado a sua própria nota de falecimento: “Alô Galera!! Fui...”. Sempre com a proximidade do carnaval, comentava-se também:  “Régis esse ano vai brincar no “Bloco da UTI”.

Mas por trás daquele sujeito brincalhão e extrovertido, também existia um ser humano que certamente viva suas agruras existências -  algo inerente a todo ser pensante. Meses atrás, na recepção de uma empresa local, batemos um “papo reto”. Falou-me da sua precária saúde e da sua relação com o álcool.  Independente de qualquer coisa era camarada  totalmente do bem.

Nas redes sócias muitas postagens realçaram sua partida. Pessoas das mais variadas tendências tinham por ele muito carinho. Nas inúmeras fotos, Régis sempre realçando  seu sorriso peculiar  e suas peculiares fisionomias.

Por motivo de força maior, o amigo “Regis Sopa” não teve direito a um funeral do tamanho da sua fama na cidade. Por muitas coisas e principalmente pela sua originalidade, Régis Souza,  “O Senhor do Carnaval”,  foi um sujeito que deixou marcada sua passagem na vida terrena. Será uma figura sempre lembrada por todos. Aliás, nós do Blog do Pilako, temos em nossos arquivos fotos e vídeos que retratam o nosso amigo Régis Souza.

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

A Pedra do Reino e o início do seu tombamento.

Era meu desejo encerrar o meu mandato de conselheiro do Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Histórico de Pernambuco, na terça-feira, 23 de dezembro, pedindo a abertura protocolar do processo de tombamento do sítio histórico da Pedra do Reino, localizado na zona rural de São José do Belmonte, um cenário emblemático que enriqueceu a ficção magistral de Ariano Suassuna, com o seu Romance d’a Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, um dos mais celebrados da literatura de língua portuguesa dos nossos dias.

O colegiado, reunido na sede do Conselho – Casa de Oliveira Lima - ouviu atentamente as razões descritas na minha proposta de abertura do processo e o aprovou, por unanimidade. Reconheceu como incontestáveis as minhas alegações. Para produzir o meu parecer, realizei pesquisas de campo e documentação fotográfica, que resultou em mais de 800 fotos a serem doadas à Fundarpe e ao Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Histórico de Pernambuco.  Agora, segue para tramitação de praxe a cargo do corpo técnico da Fundarpe, passando pelo instituto jurídico da instituição governamental, que formatará a parte conclusiva do pedido, suas exigências e recomendações, tanto da parte do governo, que fará sua homologação, como dos proprietários do sítio histórico. A primeira exigência é que a proteção do bem tombado terá de ser compartilhada com a autoridade governamental e com a população, para que, no futuro, não haja prejuízos irreparáveis como ocorre neste país, por causa da inércia dos poderes públicos e da ignorância, da negligência e da cobiça dos particulares.

Era desejo de Ariano, segundo conversa comigo, que o pedido de tombamento só fosse formalizado depois que se desse por concluída a instalação das 16 esculturas gigantes, dispostas em círculos, dos santos e personagens do episódio sebastianista que inspirou o seu Romance. Para ele, as 16 esculturas faziam parte do imaginário armorial, reconhecendo a forte herança que nos transmite, o sítio histórico, de um passado pernambucano, suas lendas, superstições e mitos remanescentes do período medieval.

O parque das esculturas - parte integrante do tombamento, foi concluído, o cenário está pronto.  A história, na voz de Ariano, nos fala do desaparecimento misterioso do rei de Portugal, Dom Sebastião, no século 16, durante a batalha de Alcácer-Quibir, no Marrocos. “Gerou muita expectativa nas pessoas de que ele havia sido arrebatado, encantado por feitiço, e que um dia retornaria para trazer a paz e a prosperidade ao seu povo. Movido por essa crença, no século 19, no sertão de Pernambuco, João Antônio dos Santos disse que teria sonhado com o rei português encantado entre os dois rochedos da Serra do Catolé”.

Pela sua monumentalidade histórica e paisagística, pode representar um dos pontos de maior relevo de atração não meramente turística, até mesmo teatral, pelo que inspira e convida. Nesse sentido, pode transformar-se num filão expressivo, como o foi, e tem sido, a experiência teatral de Fazenda Nova, com o espetáculo da Paixão de Cristo, restando congregar, positivamente, os diversos agentes culturais envolvidos na política de preservação e promoção do nosso patrimônio. Creio na garra empreendedora de Gilberto Freyre Neto (Secult) e de Marcelo Canuto (Fundarpe), no esforço que terão em criar um novo polo cultural em São José do Belmonte, inspirados na Pedra do Reino. As possibilidade desse sítio histórico, a partir do sonho de Ariano Suassuna, são inquestionáveis, não limitadas, apenas, às cavalhadas anuais, que podem ser, aliás, um bom instrumento articulador e colaborador de educação patrimonial. Sem educação patrimonial, não existe tombamento.

Marcus Prado - jornalista.
Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Carnaval 2020 – Vitória de Santo Antão.

kit Saudade  - Á vista R$ 85,00 ou em até 5X R$ 19,00 no cartão - Pontos de venda -  Óticas Diniz, Escritório do Blog do Pilako ou com Vendedores Autorizados  - Promoção do primeiro lote: ATÉ O DIA 01/02 - mais informações, chama no zap - 9.9192.5094

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

Momento Cultural: O Natal da Vovózinha – por ALBERTINA MACIEL DE LAGOS

Ouça vovozinha querida:

– Você, hoje, aniversaria.

Seus netos, com alegria,

Fizeram, assim, uma prece:

– Senhor, daí a vozinha longa vida

porque, de fato, ela merece

que a nossa prece seja ouvida

Sim, ela que é do paizinho

a mãezinha modelar

e, dois seus “brotos” levadinhos,

o Anjo santo, tutelar…

prudente orientadora,

o Bem, sempre a nos pregar!

E agora?

Dos netos amados,

assaz dedicados,

receba, prezada vovozinha,

no seu ditoso natal

o coração transbordante

de afeto filial

que, assim canta, delirante:

– Parabéns pra você, vovozinha querida

muitas felicidades, muitos anos de vida!

(SILENTE QUIETUDE – ALBERTINA MACIEL DE LAGOS – pág. 51)

Publicado em Fim de Semana Cultural | Deixar um comentário

Momento FAMAM – Faculdade Macêdo de Amorim

Inscrições abertas para Pós em Marketing Digital. Uma das formações mais requisitadas no mercado de trabalho - Fale conosco: 🖥www.escolhafamam.com.br  3523.1559/:98811.1559

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

O Tempo Voa: Estação Ferroviária.

Panorama da Estação Ferroviária - ano não registrado. 

Publicado em O Tempo Voa | Deixar um comentário

Momento Pitú: Viva a Resenha!!

Esse tal de @Wesley Safadão deve ter um radar, porque o cabra num pode ver um pituzeiro por perto que aponta pra ele. Pense numa resenha!!

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

PALESTRA NO PRESÍDIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO – por Sosígenes Bittencourt.

 

Módulo: O Nada que é Tudo

Houve pontos importantes que fiz questão de frisar, em minha palestra, para detentos no presídio de Vitória de Santo Antão. Dentre outros, discursei sobre a IRA e sobre a LIBERDADE.

A Ira é um sentimento que deve ser resignificado, ou seja, você deve trabalhar sua ira. Porque a ira tem função. Até Jesus, para disciplinar os mercadores, na orla do templo, baixou-lhes o chicote. Naquele instante, defendia a virtude, condenava o vício e preservava a casa de Deus.

Portanto, ensinava-lhes que a Ira tem de ser pensada. O importante não é a ira que se sente, mas aquilo que fazemos com a ira que sentimos. E a pergunta era a seguinte: O que vocês fizeram com a ira que sentiram?

Em outro momento, discursei sobre a Liberdade, o segundo maior bem da vida. Porque o primeiro maior bem da vida é a própria vida. E provei que os seus corpos estavam presos, mas ninguém jamais poderia aprisionar suas ideias. As ideias não são concretas, não têm substância. As ideias são abstratas. Você pode estar preso, mas suas ideias, fora do presídio. Baseado nesses argumentos, provei-lhes que a ideia de liberdade deve seguir as regras para obtê-la, e o melhor caminho seria seguir as múltiplas alternativas para conquistá-la. Que repensar a Ira e conviver harmoniosamente seriam as melhores opções para amenizar a dor da prisão e ganhar a liberdade.

Ao final, citei o exemplo de Nelson Mandela, que morou 30 anos na prisão e saiu com a ideia de acabar com a discriminação racial na África do Sul, obtendo um êxito sonhado a vida inteira.

Sosígenes Bittencourt

Publicado em Fala, Vitória! | Deixar um comentário

“DEIXA” de Dorgival Soares.

Ouça a música “DEIXA“, de Dorgival Soares. Deixa - Dorgival Soares Aldenisio Tavares
Publicado em Vitória dos Artistas | Deixar um comentário

No dia do meu aniversário……….

Da última comemoração natalícia, ocorrida em 2018, para hoje, 26 de dezembro de 2019, dia em que fecho mais um ciclo – completando 52 anos – apenas uma certeza: estou mais próximo da viagem sem volta!!

Em um determinado momento da vida, não lembro exatamente quando,  entendi que para se viver melhor  faz-se  necessário absorver a ideia de que somos finito,  sem almejar, necessariamente, um paraíso para chamar de seu,  na tão prometida “vida eterna”.

Com efeito, nada impede que a vida seja vivida alegremente todos os dias, sem perder a serenidade no inevitável e intenso diálogo consigo mesmo. Afinal, não tem jeito: você continuará convivendo com você mesmo até os seus derradeiros momentos .

Perguntar inteligentemente sempre será mais difícil do que responder. Em tempo: qual a melhor maneira para se comemorar o próprio aniversário? Pela quantidade de respostas diferentes, num mundo em que cada vez mais somos inclinados ao não “pensar por conta própria", certamente refletirá um pouco do perfil de cada um. Aliás, todas as formas estarão corretas, desde que seja a que mais lhe conforte.

Assim sendo, meus queridos e fiéis internautas, divido com todos vocês o dia do meu aniversário, no qual transformei em letras e, consequentemente,  em postagem um pouco do que circula nas prateleiras do miolo da minha cabeça, até porque escrever, diga-se de passagem,  sempre será mais fácil do que encontrar alguém com paciência para ler..... Obrigado por compartilharem dessa alegria comigo...........

Publicado em A Lupa | 2 comentários

O Tempo Voa Documento Especial: Reminiscências natalinas – Por Prof. José Aragão (1999)

Dos natais de minha infância, recordo, enternecido, dispostos em ordem, através do velho Pátio da Matriz, nesse tempo coberto de capim e outros arbustos silvestres: o carrossel, cheio de cadeiras e cavalinhos, movido à mão, ao som de melodias tocadas por uma caixa de música; as barracas de prendas de José Menezes e do José Viana, com cadeiras em torno dos armarinhos onde ficavam os objetos a ser sorteados entre os compradores de bilhetinhos feitos à mão; os bares improvisados, com mesas e cadeiras espalhadas em torno da praça; os botecos onde se vendiam quinquilharias, miudezas e brinquedos infantis; os tabuleiros dispostos em fila com bolos, alfenins e confeitos, tendo ao lado um pote com água fria para os fregueses; os presépios e os pastoris.

A iluminação era feita por bicos de latas de carbureto, pendurados em postes de madeira. Nas barracas e na frente de Matriz, lâmpadas a álcool.

De caibros fincados no chão, sustentando folhas de coqueiro, partiam os cordões de bandeirinhas multicores, feitas de papel de seda, circundando e cruzando toda a área da festa.

Por todos os becos, ruas e travessas convergiam ao pátio levas de matutos que acorriam à cidade para ouvir a Missa do Galo.

Rapazes e moças, em grupos, contornavam a praça, discreteando amável e respeitosamente sobre trivialidades próprias de sua idade, usufruindo o prazer natura de mentes jovens e sonhadoras em melífluos encontros.

As crianças, levadas pelas mãos dos pais, visitavam as várias estâncias de pura e inocente alegria, dispostas no vasto pátio, mais interessadas em ver os presépios e montar num dos cavalinhos do carrossel.

No centro, em coreto improvisado, a Banda Musical executava peças do seu repertório: dobrados, valsas, chorinhos, marchas etc.

Dos presépios, lembro-me do armado pelo sacristão da freguesia, Benjamim Bezerra, numa casinhola situada na esquina da rua Silva Jardim com a chamada “Vila Maria”, residência do vigário.

Pastoril famoso foi o organizado pela professora Amélia Coelho com as suas alunas, meninas-moças das mais destacadas famílias vitorienses, o qual se exibia num palanque armado ao lado direito da Matriz, arrancando aplausos delirantes das torcidas dos cordões azul e encarnado.

E assim, entre os devaneios da juventude, a euforia natural da matutada que vinha à cidade ostentando as vestimentas da festa, e a cordialidade reinante entre as famílias, vivia-se o espírito do Natal em sua essência.

À meia-noite, o sino grande da Matriz tocava badaladas, a princípio, pausadas e, logo, apressadas, anunciando o início da Missa.

No altar em frente à porta central do templo, sobre a calçada, celebrava o sacerdote a Missa do Galo, ouvida com unção religiosa, tendo como ponto alto o canto do Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade.

Repetia-se unissonamente a mensagem angélica, anunciando aos pastores o nascimento do Menino-Deus.

Quantas suaves reminiscências desses Natais que vivi, embevecido pela grandeza e sublimidade do sagrado mistério da Encarnação do Filho de Deus, nascendo numa pobre manjedoura para redimir a humanidade, e fascinado pela singela beleza das comemorações ternas e pias desse grande evento! 

Prof. José Aragão Texto publicado na Gazeta do Agreste, Dezembro / 1999.

Publicado em A Lupa, O Tempo Voa Documento, Vitória Ontem e Hoje | Deixar um comentário