Cancelamento do Carnaval: a ABTV segue na mesma direção.

Por volta das 14h da sexta-feira (7), através de uma  assessora do prefeito Paulo Roberto, pelo WhatsApp, na qualidade de presidente da ABTV – Associação dos Blocos de Trio da Vitória – recebi uma “convocação” para participar, às 15h, de uma reunião emergencial,  visando o cancelamento do Carnaval 2022 em função do avanço dos casos da nova variante do coronavírus, assim como do surto da gripe.  Lá, por intermédio dos  profissionais ligados ao setor de saúde do nosso município, tomamos conhecimentos  da atual situação local, além, claro, de informações oficiais no âmbito estadual e nacional.

Convidado para usar a palavra, entre outras coisas,  realcei que a ABTV, mesmo sem haver  tido tempo hábil de conversar com os pares (diretores de blocos), entendia à gravidade do momento e que não iria seguir no sentido contrário do que pensavam  os médicos e cientistas, até porque, nessa matéria – pandemia e endemia – nos faltava elementos e capacidade técnica para discordar.

Em ato contínuo, aproveitei para lembrar que o ramo de eventos, de maneira geral, foi o primeiro segmento da atividade produtiva a parar – por conta da pandemia –  e será o último a voltar à funcionalidade normal, lembrando que o nosso carnaval, para 2023, precisará de um projeto consistente e arrojado, por parte da Poder Executivo Local, no sentido do seu restabelecimento mínimo, face essa quebra de sequência.  Aproveitei, também, para dizer que pela primeira vez na história local um prefeito terá 26 meses para  planeja e confeccionar o seu primeiro carnaval.

Na ocasião, presentes o prefeito e vários secretários municipais, o chefe da atual gestão municipal, Paulo Roberto,  se comprometeu com o segmento carnavalesco  em  produzir todas as condições favoráveis à realização e  retomada do Reinado de Momo na Terra de José Marques de Senna.

Viaduto do Cajá: o velho problema de sempre!!!

Ano Novo, Velhos Problemas! Por volta das 8:30h de hoje (11), após uma rápida chuva  forte, a via por baixo do  Viaduto Sinhazinha Álvares, popularmente conhecido como “Viaduto do Cajá”, alagou mais uma vez. Assim como a maioria dos condutores de veículos, optei por desviar para evitar maiores transtornos. Já os transeuntes foram obrigados a “se virarem nos 30”.

Como já falei, isso é um problema antigo que todos os gestores  resolveram ir “jogando prá debaixo do tapete”, mas ele existe e incomoda a população, sobretudo os moradores do populoso bairro do Cajá e redondeza.

“Pastel Eletricista”: mais um milagre do Glorioso Santo Antão!!

A vida é um evento sem direito a teste ou ensaio. A qualquer momento, num piscar de olhos, tudo pode acontecer. Pois bem, nunca imaginei presenciar momentos tão angustiantes como vivenciei na tarde do último sábado (08), no Pátio da Matriz.

Após o retorno  de uma corrida com um grupo de amigos, caminhei pelo centro da praça  na direção dos quiosques  para adquirir água mineral. De repente, um barulho diferente. Um corre prá lá, outro corre prá cá e alguns se dirigem para o lado  da praça em que ficam localizados os banheiros. Imediatamente também segui para lá.

Tensão no ar! Um cidadão  “pendurado”  num poste de energia elétrica. Não sei precisar como aconteceu o fato que desencadeou  o acidente, como já falei estava caminhando pelo centro praça,  só sei que todos que ali estavam queriam ajudar e  concentravam suas atenções  para tentar resolver o problema.

Acompanhando  a dificuldade no resgate  pelos voluntários –  do  “corpo desacordado”  -,  através de uma escada,  observei que um “caminho baú” estava parado na via. Nessa hora,  movido pelo sentimento de cooperação e solidariedade humana,  tomei a iniciativa de pedir que o motorista  do referido veículo avançasse alguns metros para que o “baú” ficasse debaixo do poste.

Deu certo! Rapidamente o resgate foi concluído e simultaneamente o cidadão desacordado foi socorrido pela equipe  do SAMU que já havia chegado ao local. Não sei exatamente em que tempo tudo aconteceu. Após o trágico incidente, a pergunta que não calava: será que ele vai ficar vivo? 

Ali mesmo, com populares,  fique sabendo que o cidadão envolvido no acidente era o experiente e conhecidíssimo  eletricista “Pastel”.

Pois bem, ainda no sábado, próximo das 23h, em grupos de whatsApp, circulou a informação que o mesmo  havia “escapado”  e que já estava de alta hospitalar. Respirei  aliviado! Vi  que aquele momento de adrenalina e tensão , vivenciado por todos que se envolveram  no resgate havia  logrado êxito.

Para minha alegria e espanto,  ao encontrar com o amigo Sandro na noite do domingo (9),  também  no Pátio da Matriz,  soube que o “Eletricista Pastel” já havia voltado do hospital (Recife) e que estava, junto com família, ali,  na praça.

Então, desloquei-me para o local em que ele se encontrava para “festejar” sua vitória. Na ocasião, gravei um pequeno  vídeo em que o mesmo  narrou  o acontecimento e também  relatou  seu estado de saúde. Veja o vídeo.

Diante das cenas forte  que presenciamos na tarde dó sábado, nunca pensei que poderia reencontra-lo 24 horas depois com toda saúde física e mental. Mais um milagre do nosso Glorioso Santo Antão!!

3º Salão de Artes da Festa de Santo Antão – 09 a 17 janeiro.

Em evento dedicado a convidados e autoridades, noite do sábado (08), aconteceu  a abertura oficial do 3º Salão de Artes da Festa de Santo Antão. O evento, que segue aberto para visitação ao público em geral até o próximo dia 17, das  14h às 21h, ocorreu no novo salão paroquial, na Igreja Matriz de Santo Antão. O referido evento, a partir do dia 09,   segue acontecendo na Igreja Nossa Senhora do Rosário. Essa louvável iniciativa  foi  mais um evento criado   em nossa cidade pelo  atuante Monsenhor Maurício Diniz.

Com obras de vários artistas da cidade, dentre os  quais destacamos o renomado Fernando Nascimento, a exposição se configura num extraordinária oportunidade para os novos talentos que surgem na nossa “aldeia”, outrora intitulada de “Antenas Pernambucana”.  Na ocasião, através dos seus quadros, tomei conhecimento que o amigo Neilton também já  se configura como um pintor de longa quilometragem.

O rápido vídeo nos revela que espaço ficou adequado para eventos dessa natureza e que nos sugere um bom gosto nas peças expostas. Assim sendo, não perca essa oportunidade de prestigiar mais um evento cultural da nossa cidade.

SERVIÇO:

Evento: 3º Salão de Artes de Santo Antão.

Local: Igreja Nossa Senhora do Rosário. 

Dia: 09 à 17 de janeiro.

Hora: 14h às 21h. 

“Corrida Com História” – Estação Ferroviária – 136 anos.

A inauguração do trecho da “estrada de ferro” (como assim foi chamada) que conectou nossa cidade ao Recife, ainda na segunda metade do século XIX (1886), indiscutivelmente, configurou-se em um dos eventos mais transformadores dos quase 4 séculos de história do nosso lugar.  O trem, naquele recorte temporal, era uma espécie de simbologia do próprio  progresso.

Mais que as festividades do evento inaugural o referido empreendimento público produziu na sociedade antonense e para toda região,  de então, e  também às gerações vindoura do século XX, um conjunto de mudanças  e avanços nunca antes visto. No comércio, por exemplo, com a facilitação do deslocamento de pessoas e mercadorias, em poucas décadas,  nosso lugar experimentou um surto crescimento  e desenvolvimento econômico  vertiginoso.

Ao longo dos anos “o trem” na nossa cidade cumpriu o seu imprescindível papel. Mas devido à política nacional equivocada de priorização do sistema de transporte rodoviário em detrimento ao eficiente e barato transporte ferroviário o mesmo  caiu em decadência e desgraça. Para piorar nossa situação, político locais, em comum acordo, em duas décadas,  cuidaram  de destruir a malha ferroviária que cruzava a cidade, dificultando assim qualquer possibilidade de reabilitação da mesma.

No seu centenário, em 1986, segundo o amigo Antonio Freitas, diretor da Agremiação Carnavalesca “ O Coelho”, a referida troça, em seu carro alegórico,  produziu uma bonita homenagem a esse importante e transformador equipamento publico. Assim sendo, nesse contexto, no nosso projeto cultural e esportivo que se chama “CORRIDA COM HISTÓRIA”, registramos  a passagem dos 136 anos da sua inauguração, ocorrida  exatamente em 09 de janeiro de 1886.

 

Instituto Histórico: você quer permanecer vivo, mesmo após a morte?

Em ano de eleições gerais o  filme  nos guias eleitorais quase sempre ocorrem  em forma de reprise, sobretudo na Terra dos  Altos Coqueiros:  é caboclo de lançar prá lá, é maracatu prá cá. É ciranda exaltada à celebração  de  um povo guerreiro,   são  cantadores de violas e repentistas ganhando voz e vez. Passada  a euforia no  mundo do faz de conta das campanhas políticas, em se tratando de cultura, tudo que outrora foi central doravante tornar-se-á periférico no real mundo  das administrações públicas. É triste, mas é verdade…..

Recentemente,  acompanhei  mais uma história triste, publicada na  imprensa, envolvendo um legitimo representante da cultura popular nacional e estadual. Em vários espetáculos pelo mundo, dizia o renomado percussionista Naná Vasconcelos: “ eu sou um Brasil que o Brasil não conhece”.  Depois de fazer a viagem sem volta, em 2016, o acervo da sua obra gigante, segundo a viúva Patrícia Vasconcelos,  é ignorada pelos poderes públicos. É lamentável.

No micro mundo antonense, por assim dizer, ainda bem que temos um espaço físico – com alma e sentimento – para salvaguardar a memória da sua gente, dos fatos marcantes e dos seus vultos. Ao viajar pelos corredores impregnados de informações relevantes, o visitante do Museu do Instituto Histórico e Geográfico da Vitória  de Santo Antão tem a certeza que na terra de Nestor de Holanda, Maria do Carmo Tavares de Miranda e Osman Lins, entre tantos outros, o esquecimento é palavra proibida.

Mas nem tudo são flores. Espaços culturais genuínos sofrem da falta de reconhecimento geral e,  sobretudo,  dos poderes constituídos.  As vezes o grito é necessário para incomodar os ouvidos daqueles que se fazem de moucos.

Pois bem, para avançar ainda mais nessa missão de preservação de memórias um embrião está sendo formatado na “Casa do Imperador”,   no sentido da criação de um espaço para que as pessoas – ainda em vida – possam programar seu legado e  sua história,  para  que continuem  vivendo através dos  seus objetos e sentimentos mais cristalizados,  mesmo depois da  partida certa,  ou seja: tudo será programado pelo próprio protagonista da história.

Eis aí, além do grande  esforço  de continuar vivo, mais um  monstruoso desafio para nosso Instituto Histórico e Geográfico da Vitória que protege memórias e  registra o presente porque continuam dialogando na direção do futuro.  Avante, antonenses!!!

E o tempo passou – “catador” de plástico de uma madrugada de réveillon.

Não sei se por uma sensibilidade singular,  capacidade aguçada da chamada macro observação  ou mesmo por uma coincidência astrológica,  ao colocar os pés na rua no primeiro dia do ano, exatamente às 5:04h, no sentido da minha primeira corrida do ano de 2022, dei de cara com uma pessoa juntando recipientes plásticos de bebida nas portas alheias  que, ao que tudo indicava, seriam usados para angariar algum tipo de recurso financeiro. Antecipadamente, subscrevo que toda atividade laboral honesta é digna. Ninguém é melhor ou pior por desempenhar  essa ou aquela função.

Por uma questão própria e particular, para preservar a vítima dessa história não irei declinar o nome do político opressor muito menos detalhes dos fatos para que não cause algum tipo de embaraço para o “catador” de plástico de uma madrugada de réveillon. 

Pois bem, esse cidadão  – “catador” de plástico de uma madrugada de réveillon –  vivia  da sua atividade comercial. Lembro bem.  Pobre, mas andando com  as suas próprias pernas, como se diz no jargão popular. “Torcedor” apaixonado de uma “cor” política local, em determinada eleição municipal,   o seu “time” acabou derrotado nas urnas.

A outra cor, vencedora do pleito, resolveu vingar-se. Vale salientar que se o dito cujo  fosse  um “torcedor político” com algum tipo de lastro  financeiro ou social,  ou  mesmo com  reconhecida capacidade de reação   certamente  a “cor” vencedora  usaria sua “caneta cheia de tinta” para assedia-lo ou mesmo “chegar junto” com os benéficos que só os  doces ventos do  poder podem  produzir.

Ainda no contexto da força maligna da “cor” vencedora, esse tal “catador” de plástico de uma madrugada de réveillon, por mim testemunhado,  o referido castigo imposto configurou-se  numa espécie de exemplo para que todos comuns,  iguais a ele,  não “se atrevam a se manifestarem mais do que devem em campanhas políticas”.

Em ato continuo ao meu testemunho, sem que o “oprimido” tenha notado, fiz o devido registro fotográfico justamente  motivado pela força da minha indignação e revolta espontânea,  momentânea, por assim dizer,  na intenção de fazer chegar, logo bem cedeinho,  naquele mesmo dia  do feriado da Paz e Confraternização Universal,  antes do café da manhã,  ao celular do “chefe” da cor opressora – o tal mandante do crime que se utilizou covardemente  das forças oficial municipal. 

Depois pensei comigo mesmo…. Não tenho o direito de expor esse rapaz, o tal – “catador” de plástico de uma madrugada de réveillon. Outra coisa: quem poderia me garantir que a minha mensagem (com foto)  não fosse capaz de produzir   um efeito contrário ao que causou em mim, ou seja: algum tipo de satisfação ao referido político, até porque sua demoníaca ação, convenhamos,  logrou êxito nos três tempos:  curto, médio e  longo prazo.  Última forma! Segue o baile.  O  juízo final  está próximo. 

“Seu Edinho”: o sonho vivo de todo atleta!!!

Promovida por um dos grupos de corrida existentes na nossa cidade –  “GRUPO SELVA” -,    no próximo dia 30 DE JANEIRO  acontecerá uma atividade que vai muito além dos 5km estabelecidos pelos organizadores do evento. Trata-se de uma homenagem especial ao senhor Edinho, corredor de rua de nossa cidade que esbanja saúde e vitalidade aos 79 anos vida.

“Seu” Edinho é a materialização viva do sonho de todos  os atletas –  profissional ou amador. Sou amigo e incondicional admirador dele. Nas oportunidades que tenho  de correr ao seu lado sempre o observo pelas lentes do espanto,  em função do seu invejável  vigor físico, pelo seu fôlego quase infinito  e pela sua determinação gigante.

“Seu Edinho”, definitivamente, é uma pessoa especial. Aliás, já realizei várias gravações com ele. Outro dia, antes de começarmos a atividade propriamente dita,  lá no Pátio da Matriz, o mesmo me  revelou que trabalhou no Colégio de Pacas e que, naquela ocasião, as forças armadas “vinham buscar” músicos no referido colégio.

Em outra oportunidade, no período em que estava “rolando” a última olimpíada,  numa das corridas que fizemos juntos, com certa dificuldade, acompanhei o ritmo dele e fiz uma gravação dizendo que ele era o verdadeiro “medalhista de ouro  olímpico”. Veja o vídeo.

Portanto, na qualidade de corredor de rua da nossa Vitória de Santo Antão espero encontrar,  na largada da “Corrida de seu Edinho”,  todos aqueles atletas que sonham em manter-se ativo durante a chamada “boa idade”  quando a mesma for nossa companheira para sempre. Viva “Seu” Edinho, um exemplo para todos!!!

Serviço:

Evento: SEU EDINHO RUN

Dia: 30 de JANEIRO – 5KM

Valor: R$ 40,00 – Contatos: 9.9535.8894 – 9.8476.5040.

Realização: GRUPO SELVA.

Revista Movimentto projeta evento na Vitória de Santo Antão.

E no primeiro dia útil do ano novo ano que acaba de se iniciar, 2022, na Praça de Alimentação do Vitória Park Shopping,  bati um alongado papo com o conterrâneo publicitário Arijaldo Carvalho. Na pauta, por assim dizer, além do  “balanço  360 graus”  do ano de 2021, um pouco do projeto da sua Revista Movimentto – Inteligência Empresarial – que o mesmo projeta empreender,  ainda nesse mês de janeiro,  em terras antonenses.   Abaixo, em rápido  áudio, Arijaldo explica em que contexto acontecerá o referido evento.

OUÇA AQUI. 

 

ADVISA/CAV – convocação para Seleção Brasileira – por Artur Cruz.

PARABÉNS A ATLETA LUANA E A TREINADORA INÊS PELA CONVOCAÇÃO DE AMBAS PARA SELEÇÃO BRASILEIRA DE BOCHA PARALIMPICA, É UM TRABALHO DE ANOS DE TODA EQUIPE DA BOCHA DA ADVISA/CAV, COORDENADA PELO PROFESSOR SAULO
Luana Karolaine Inês Guedes Saulo Fernandes Melo

Boletim DA ANDE: 027/2021
Rio de Janeiro, 30 de dezembro de 2021.
CONVOCAÇÃO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE BOCHA PARALÍMPICA
O Presidente da Associação Nacional de Desporto para Deficientes – ANDE, no exercício de suas competências resolve:
• Convocar atletas e profissionais abaixo relacionados que irão compor o elenco da Seleção Brasileira de Bocha Paralímpica durante a Fase de Treinamento a ser realizada na cidade de São Paulo/SP, no período de 18 a 23 de janeiro de 2022.
• Equipe BC1/BC2:
# Nome Clube
1 Luiz Carlos de Araújo UFPE/PE
2 Paulo Barbosa dos Santos ADMC/SMEL Mogi
3 André Luis Barroso Filho ADD/MS
4 Paulo Renato Silva Noronha FUNAD/PB
5 Tamna do Nascimento Damasceno da Costa AETERJ/RJ
6 Lucas Ferreira de Araujo Rio de Janeiro P. Soccer
7 Mariana Olimpia Silva ABP/DF
8 Leticia Karoline dos Santos APODEC/PE
9 Kassio Dias Silva ADD/MS
10 Manuel Ubiramar de Lima Mendes FUNAD/PB
11 Ernesto Jose da Costa Filho AETERJ/RJ
12 Loreno Pessato Kikuchi ABP/DF
13 Letícia de Fátima Silveira ABP/DF
14 Jullyana Corrêa de Alencar Rio de Janeiro P. Soccer
• Par BC3:
# Nome Clube
15 Glênio Fernandes Leite APARU/MG
16 José Guardia APPD/SJC
17 Evelyn Vieira de Oliveira SESI/SP
18 Roberto Rodrigues Ferreira SESI/SP
19 Antonio Leme APPD/SJC
20 Danilo Xavier de Novaes Santos SESI/SP
21 Ariane dos Santos Morais SESI/SP
22 Débora Silva Bargas de Jesus APBS/SP
23 Fernanda Silva Bargas de Jesus APBS/SP
24 Erick Santiago Rodrigues SESI/SP
• Par BC4:
# Nome Clube
25 Moisés Fabrício de S. Cruz APBS/SP
26 Vagner Lopes Lima APBS/SP
27 Eliseu dos Santos ADFP/PR
28 Luciano dos Santos ADFP/PR
29 Ivanildo Pereira de Souza APODEC/PE


30 Luana Karolaine Ferreira Cavalcanti ADVISA/PE
31 Josiane Batista da Silva SESI/SP
32 Lúcia Inês Guedes Leite de Oliveira ADVISA/PE
33 Erik Rafael Peixoto dos Santos APODEC/PE
34 Raquel Matias Gonzaga SESI/SP
• Equipe Multidisciplinar:
# Nome Clube
35 Gilson Daniel Del Santo ANDE
36 Marcelo Oliveira da Silva APBS/SP
• Informações acerca da logística serão fornecidas posteriormente.
• Uniformes: Todos devem levar e utilizar calças, shorts e/ou bermudas pretas. A ANDE entregará apenas camisas referente ao período de treinos.

ARTUR CRUZ – Presidente

“Acorda Corno” virou o ano com prévia carnavalesca!!

Em se tratando de carnaval nossa “aldeia” – Vitória de Santo antão -, definitivamente, não é uma cidade qualquer. Na manhã do feriado do último sábado (01), passava pouco das cinco da manhã, ao sair para minha “Corrida Com História”, ao passar por um determinado trecho da  Rua Doutor José Rufino, bairro do Cajá, um grupo de pessoas  que confraternizava-se  desde a vidada do ano  se preparava a prévia carnavalesca da agremiação “Acorda Corno”.

Pois bem, ao retornar dos meus quase 8km, já debaixo de muita chuva, encontrei a mesma turma, agora já animados por uma orquestra de frevo, liderada pelo Maestro Silvano, “concentrados” no trecho  do Viaduto do Cajá, no sentido Pátio da Matriz. Pela “temperatura” da folia, mesmo com todas as  incertezas sobre o nosso carnaval, 2022, em Vitória,  já começou em ritmo de Rei Momo.

O nome da cidade decidido pelo voto popular – por José Maria Argão.

Em 1941, se não estou equivocado, o governo federal baixou um decreto-lei proibindo que mais de uma cidade, no país, tivessem o mesmo nome e estabelecendo a primazia das cidades mais antigas e importantes. No caso, só Vitória, capital do Espírito Santo, preenchia os dois requisitos. Meu pai, José Aragão, era o prefeito e promoveu um plebiscito para que os vitorienses de então escolhessem o novo nome da cidade. Concorreram dois nomes: Vitrice, defendido pelo médico dr. Holanda Barros, vitoriense nato e então Chefe do Posto Municipal de Higiene, localizado na Praça Duque de Caxias, e Vitória de Santo Antão, defendido pelo prefeito e que homenageava o padroeiro da cidade. Os vitorienses escolheram o segundo nome. Havia outra cidade, na Bahia, que passou a denominar-se Vitória da Conquista, em homenagem à vitória dos portugueses sobre os índios que então habitavam a região.

Feliz Ano Novo – José Maria Aragão. 

Corrida Com História – há 78 anos fomos “rebatizada” com o nome do santo.

Aproveitamos os primeiros raios solares do Ano Novo (2022)  para produzir mais um quando do  nosso projeto “Corrida Com História”. Não só pela simbologia universal o dia primeiro de janeiro para nós, antonenses, também carrega tem um forte significado local.  Foi justamente nesse dia, no ano de 1944, que fomos, na qualidade de cidade, “rebatizados” por “Vitória de Santo Antão”.

Nosso lugar, após  já haver sido  catalogado como povoado, freguesia e vila, no dia 06 de maio de 1843 recebeu o título honorifico de cidade. Para exaltar a batalha vencida contra os holandeses, em 03 de agosto de 1645 no Monte das Tabocas, as autoridades da época resolveram assim nos nominarmos:   “Cidade da Victoria”.

Pois bem, cem anos depois,  por força de uma Lei nacional em que  regulamentava  no País as chamadas cidades com nome em “duplicatas”, ou seja, com nomes iguais,  a população da nossa cidade foi chamada a decidir por outro nome. Nesse contexto, a capital do estado do Espírito Santo, Vitória, por preencher os requisitos, permaneceu com  o seu nome original.

Após muito debate e várias possibilidades,  dois nomes foram sugeridos ao crivo popular: “Vitrice” e Vitória de Santo Antão. Ganhando o segundo. Governava a cidade, na qualidade de prefeito, o professor José Aragão. Assim sendo, ostentamos o nome atual – Vitória de Santo Antão -,  por incrível que possa parecer,  apenas há 78 anos, ou seja: oficialmente desde primeiro de janeiro de 1944. CORRIDA COM HISTÓRIA.