Momento Cultural: Perto do mar, anoitecia… por Célio Meira.

Perto do mar, anoitecia…

Corria o mês de novembro,

– Era Dia da Bandeira,

fomos ver a lua cheia,

ao lado da ribanceira.

Depois, descemos. Na praia,

ficamos a reparar:

– Havia esteira de prata,

nas águas mansas do mar.

Ali, olhando o mar, a lua,

recebemos a lição:

– Jesus Cristo está presente,

na glória da criação.

(migalhas de poesia – Célio Meira – pág. 25).

Publicado em Fim de Semana Cultural | Deixar um comentário

Momento Vitória Park Shopping

O Expresso Cidadão, conta com a emissão de Carteira de Identidade (RG), CPF, entre muitos outros serviços. Expresso Cidadão do Vitória Park Shopping  é bom  estar perto da eficiência!
Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

O Tempo Voa: Visita ao Instituto Histórico

Visita ao Instituto Histórico do então Governador do Lions, Luis Carlos Feitosa. Na foto, entre outros:  Rubem de Deus, Célio Meira, Saulo Carneiro, Feitosa, Dorivaldo e Zito Mariano - registro em 30-11-1998.
Publicado em O Tempo Voa | Deixar um comentário

Momento Pitú: Viva a Resenha!!

"Você nasceu pra mim, eu nasci pra você..." Pituzeiro que sabe entrega a idade.
Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

LOUCO DA BOA LOUCURA – por Sosígenes Bittencourt.

Eu sempre tive essa mania de escrever. Até que, em 1987, eu passei a escrever para ser lido. Ou seja, antes, eu escrevia para não esquecer ou não ter que me lembrar do que estava pensando. Na realidade, a gente escreve quando valoriza o que pensa, quando não quer esquecer o pensamento. Mas, depois, eu achei que não tinha graça eu escrever só para mim e resolvi escrever para todo mundo. Ninguém deve negar sua arte ou suas verdades, suas descobertas, até para submetê-las à análise dos semelhantes. Talvez, seja uma imprudência escrever para ser lido, mas talvez seja uma imprudência morrer abraçado com suas verdades sem discuti-las. E, aí, quando começaram a me chamar de maluco, fiquei entusiasmado. Era sinal de que eu estava vencendo o medo de ser sincero e despertando curiosidade sobre minhas maluquices. Ninguém é imune a maluquices. Ora, eu estava enlouquecendo da boa loucura. Há quem colecione galo de briga e ninguém diz nada. Ademais, ninguém consegue se destacar sem uma pitada de loucura. O que dizia o filósofo Aristóteles, trezentos anos antes de Cristo?

Sosígenes Bittencourt

Publicado em Fala, Vitória! | Deixar um comentário

Almir Brito

O vitoriense Almir Brito no seu cd -  “TODOS OS TONS” – belíssima coletânea de canções instrumentais no violão, hoje,  trazendo a música “LAMENTO”,  do mestre Pixinguinha. [powerpress url=../mp3/almirbrito1.mp3] Gostou da música? – Baixe a MP3
Publicado em Vitória dos Artistas | Deixar um comentário

Guilherme Pajé: uma referência para os apaixonados pelo frevo!!

Nesse novo mundo mágico e plural das redes sócias, recebei com alivio à possibilidade da notícia do falecimento do amigo e contemporâneo, Guilherme Pajé, entre tantas, ser mais uma “pegadinha”,  relacionada à popular data em que se “comemora” o dia da mentira que aliás, foi objeto de postagem nossa, na pauta de ontem (01). Infelizmente, foi verdade verdadeira!!!

Conheço Pajé desde os tempos da banca escolar do Colégio Municipal 3 de Agosto. Estudamos vários anos juntos. Desde sempre ele foi um sujeito formal. Em sala de aula, não gostava de brincadeiras. Comportava-se  como um sujeito adulto. Aliás, praticamente da mesma maneira que, até a noite de ontem (01), dia do seu fulminante falecimento, se mantinha.

Em entrevista ao nosso blog, por várias vezes, revelou o amigo Guilherme que a sua paixão e, posteriormente, identificação  e amor pelo  frevo – ritmo genuíno do nosso Estado – teve como origem na admiração que nutria pelo Maestro Nunes. Em alguma medida, por assim dizer, Pajé “renunciou” muita coisa na vida para se dedicar ao seu propósito – elevar e preservar um dos maiores  patrimônios  pernambucano – O FREVO.

Na qualidade de compositor, juntos com tantos outros anotonenses, tornou-se imortal. Grafou nas páginas do livro da Vitória de Santo Antão suas digitais musicais. Não posso afirmar, mas acho que a música que ele compôs para festejar o Centenário do Clube Abanadores “O Leão”, em 2002, seja uma das suas obras mais significativas.

Nos últimos anos, andou me confidenciando e até revelou em entrevista – gravada em 2017 – que já não mais acalentava à esperança no ressurgimento e posterior fortalecimento do nossos carros alegóricos, não obstante manter-se entusiasmado com o grande número de pessoas jovens que estavam participando da diretoria de vários novos clubes que continuavam desfilando ao som das  orquestras de frevo.

Em duas ocasiões distintas, mas em momentos parecidos já que se tratava de funerais de pessoas ligadas ao nosso carnaval –  José Marques de Senna e Maestro Aderaldo –  gravai vídeos  com o Guilherme Pajé. Em todas duas, ele reconheceu à importância do trabalho dos dois para o fortalecimento da nossa festa maior – Carnaval – se colocando, também, como uma pessoa que tinha obrigação de manter o legado dos referidos mestres.

Um fato curioso sobre a vida do amigo Pajé diz repeito ao seu nome. Sendo ele um “homem do frevo”, o mesmo nasceu no dia 24 de junho, dia do nosso tradicional São João. Seus pais, pessoas ligadas às tradições católicas, para não batiza-lo pelo nome do santo do dia (João) resolveram dar-lhe o nome do santo do dia seguinte (25),  isto é: SÃO GUILHERME.

Por fim, resta-nos, agora,  apenas lamentar. Sua dedicação e seu trabalho não foram sem sentido. Pelo seu empenho e devoção à sua causa – o frevo – se dez vida tivesse, dez vida daria pra fazer tudo novamente. Em vida, Guilherme recebeu inúmeras homenagens carnavalescas. Foi o carnavalescos vitoriense que mais recebeu homenagem.

Hoje tem festa no céu,  em ritmo de frevo. Ele deverá juntar-se aos carnavalescos do passado, como o próprio relembrava no seu programa – “Sua Excelência O Frevo” – e certamente, daqui pra frente,  estará aposto para receber os carnavalescos do presente que, em um futuro incerto, também sucumbirão às cinzas, tal qual o reinado de momo chega à sua hora  derradeira,  na odiada e sempre temida quarta-feira ingrata. Ao som dos saudosos e  melancólicos frevos de bloco, descanse em paz, amigo Pajé!!

Publicado em A Lupa, Curiosidades Vitorienses, Revivendo o Carnaval | 1 comentário

Dia da Mentira: o que era uma brincadeira, agora, institucionalizou-se!!

Hoje, dia 1º de abril, “comemora-se” o popular “dia da mentira”. Especialistas advertem que a mesma (mentira) é um mal necessário. Quando introduzida em tudo,  vira patologia. Aliás, há quem diga que o Mundo sem mentira seria um tédio.

Para explicar a data comemorativa – 1º de Abril – devemos nos remeter à França,  no início do século XVI. Nessa época comemorava-se a chegada do ano novo na primavera, exatamente no dia 25 de março. As festividades duravam uma semana e terminavam no dia primeiro de abril.

Com a adoção do calendário gregoriano, por determinação do Rei da França, Carlos IX, em 1564, onde o Ano Novo passou a ser comemorado no dia primeiro de janeiro, alguns franceses resistiram às mudanças e continuaram seguindo 0 antigo sistema. Por conta disso, eles eram alvos de gozação. Entre outras coisas,  recebiam convites para festas que não existiam e eram presenteados com coisas esquisitas.

Pois bem, já no Brasil a origem da brincadeira surgiu no Estado das Minas Gerais, em 1º de Abril de  1828 – há 191 anos. Por lá, circulou um jornal – com curta duração – cujo nome era “A Mentira”. No primeiro número anunciou-se, então, a morte do Imperador Dom Pedro I – que no outro dia foi desmentida.

Aqui na Vitória de Santo Antão, existe alguns registros que contam algumas “brincadeiras” ocorridas entre os comerciantes, no tempo em que a esmagadora maioria da população não sabia ler. No dia da mentira, eles faziam um bilhete e mandavam um portador circular,  com a seguinte mensagem: “hoje é primeiro de abril, manda esse besta andar”.

O tempo passou e, hoje,  em plena Era da Comunicação, no qual praticamente todas as pessoas são internautas e, portanto, interligadas com o planeta, através da rede mundial de computadores, estamos sendo vítimas da “eternizaçao do primeiro de abril”, em função das chamadas “Fake News”. Ou seja: continuamos  evoluindo, inclusive com a  MENTIRA………

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Aconteceu mais uma reunião do Instituto Histórico.

Na manhã do domingo (31) aconteceu a reunião ordinária do Instituto Histórico e Geográfico da Vitória. O encontro aconteceu no Salão Nobre da Casa do Imperador e contou com a participação da diretoria executiva e de parte dos sócios.

Além dos procedimentos de praxe – leitura da ata anterior e debate da pauta – a reunião também contou com a inauguração de mais uma  placa indicativa (Manoel de Holanda) e o anuncio da música dedicada ao professor Pedro Ferrer, composta por Aldenisio Tavares assim como pela explanação do sócio Ismael Feitosa, no tocante ao Clube de Leitores que vem sendo empreendida pelo próprio, numa promoção do Lions Clube Centenário.

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

ISRAEL – PÁTRIA DE HERÓIS – por Ronaldo Sotero

É sabido que nenhum israelense abandona outro. Em 27/6/1976, um vôo da Air France com 258 passageiros e tripulantes decolou de Tel-Aviv, Israel, rumo à Paris, com escala em Atenas, Grécia. Nessa escala, subiram sete terroristas e , durante o voo , a aeronave foi desviada para Uganda, país africano comandado por um ditador chamado Idi Amin. Os passageiros foram retidos no aeroporto de Entebe. Os 104 judeus ficaram reféns. Os de outras nacionalidades foram libertados . Os terroristas deram prazo para que a França e Alemanha liberassem outros que se encontravam presos, caso contrário, os judeus seriam mortos. Israel organizou um comando secreto com 130 homens. Partiram de Tel Aviv 4 aviões C130 com armamentos, veículos, suporte hospitalar. Em pouco tempo de resposta a mobilização estavac pronta. Ali não existe amadorismo e incompetência como o Brasill. Aqui iriam reunir o Congresso e acabar na pizza do Faustão .Havia 33 soldados que também eram médicos nas tropas especiais. O comandante das forças especiais era o Coronel Yonatan Netanyahu, irmão do atual primeiro ministro israelense, Benjamin Netanyahu. Para chegar ao aeroporto, os israelenses aproveitavam um avião do mesmo modelo, C-130, um cargueiro inglês que sempre aterrissava no local e não levantou suspeitas. A operação foi realizada com êxito, libertaram os reféns. Mataram os terroristas. Explodiram uma esquadrilha de aviões Mig 21 de Uganda e mataram quase cem soldados de Uganda. Foi considerada uma operação de resgate mais complexa de todos os tempos. A nota triste foi a perda , em combate, do Coronel Yonatan, irmão do primeiro ministro, única baixa da tropa especial . Na história dos comandos especiais, o dia 4/7/1976 é uma data memorável e de orgulho pela libertação de seus cidadãos ameaçados pela covardia de terroristas, l eliminados pelo Exército da Estrela de Davi. O filme "Resgate em Entebe "conta todo esse fato que impressionou o mundo e impôs respeito a Israel. Vale a pena assisti-lo. É por essas e muitas outras razões que a única democracia da região não ataca ou ameaça. Mas, se desafiada , a resposta é devastadora. Israel é um dos sete países do clube atômico...Embora negue!!! Seu arsenal nuclear só será conhecido se necessário. É o parecer !

Ronaldo Sotero
Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Nozinho: contribuição histórica importante…..

Por ocasião da recente postagem, realçando o motivo pelo qual a Capela do Engenho Bento Velho foi construída, o amigo e internauta do nosso jornal eletrônico – Blog do Pilako –,  Nozinho, enviou-nos uma importante contribuição histórica. Receba, amigo, o nosso agradecimento.....

"Pilako, essa capela foi erguida em pagamento dessa promessa feita a Nossa Senhora da Conceição, por Dona Maria do Carmo Silva da Cunha Beltrão, esposa que era de Dr Pedro Beltrão, senhores desse engenho. Anos depois quando já pertencente à família Tavares, foi entronizada a imagem de Santa Cristina,e em seu lado direito há um pequeno cemitério, onde estão sepultados familiares dos Tavares". 

Nozinho Neto. 
Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

O menino sonhador – por Melchisedec

Eram os anos 20, na pacata cidade da Vitória das Tabocas viveu um casal relativamente felizes. Era o seu Jonjon e a Srª Madrezita e tinham um filho chamado Manequinho. Ele era um garoto muito esperto e sonhador, almejava um dia chegar às estrelas para ver de perto o seu tamanho. Ele conhecia Vitória como a palma de sua mão, ia de norte a sul de leste a oeste, subia em árvores para colher seus frutos, caçava como ninguém, era inimigo fidegal dos peixes do rio Tapacurá, capaz de pegá-los à mão e imaginava que se subisse um daqueles morros em volta da cidade, conseguiria pegar as estrelas com as mãos. Decidido, acordou cedinho, tomou café e pegou a estrada, deu meio-dia e nada de Manequinho chegar a montanha, a barriga começou a roncar de fome. Mas, estava decido e via a montanha ali, bem perto, logo chegaria lá, e continuou caminhando rumo ao seu sonho, ao cair da tarde ele não havia chegado lá, sua mente povoada de histórias de assombrações, fruto da conversas de amigos na praça da matriz, sentiu medo, começou a se desesperar e pensou em sua mãezinha em casa sem saber aonde ele estava. E seu pai este lhe daria uma pisa de ficar marcado por muito tempo. No auge do desespero, sentou na estada e começou a rezar, pediu ao santo que ajudasse ele prometia que nunca mais deixaria sua mãe preocupada, e ficou sentado na estrada chorando muito até que passou um senhor em seu cavalo e lhe perguntou: - “Menino o que você fazendo aqui na estrada, chorando? Manequinho responde: “Estou perdido, não sei voltar pra casa”. – “onde você mora? – “Em Vitória”. – “Você não é filho de seu Jonjon?” – “Sim, ele é meu pai”. –“ Vou levar você pra casa”. – “Moço, não diga nada a meu pai, que eu estava perdido. Senão ele vai me dar uma pisar.” – “Está bem, vou deixar você na sua casa e não vou dizer nada a seu pai”. De volta, já em casa, se sentiu aliviado do medo de dormir fora de casa no escuro da estrada. Deu graças a Deus e agradeceu ao santo pro ter salvo sua vida.

Mas, o menino inquieto e cheio de sonhos, continuou querendo voar para bem longe do seu ninho, sua alma ansiava por novas aventuras, sentia que algo o atraia para longe, seu grande sonho era sair de Vitória, conhecer mundos. Certa vez, ficou impressionado ao ver chegar a Vitória um marinheiro e desejou cruzar os mares para conhecer outros países. Mas, tudo isso era impossível por que Vitória não tinha mar e o mar ficava muito distante, como ele poderia chegar longe? Ouviu alguém falar que existia uma tal de aviação, que levava as pessoas para lugares distante. Então pensou, que bom seria ser como os pássaros que voam a hora que querem e vão aonde desejam.

Mas, tudo isso era apenas sonho, porque ele nunca viu um avião. Manequinho sofria muito porque seus sonhos se desfaziam como gelo. D. Madrezita consolava o pobre filho, dizendo que estava juntando um dinheirinho com a venda de seus bolos, para que um dia o filho pudesse ser Doutor. Tudo isso parecia ser muito remoto para Manequinho. Um dia seu pai o levou para Recife para ver de perto o Zepelim. Será que isso é a tal a aviação? Mas é tão grande, parece um monstro dos seus sonhos. E falou: - “Um dia resolveu vou embora de Vitória e vou conhecer essa tal aviação”.

Melchisedec
Publicado em Fim de Semana Cultural | Deixar um comentário

Momento Vitória Park Shopping

Dá uma olhada nessa mesa, sonho de consumo, não é mesmo? Então venha conferir tudo isso na Encantos Gift&Decor!
Publicado em Anúncios, Sem categoria | Deixar um comentário

O Tempo Voa: comemoração na Escola Agrotécnica

Comemoração na Escola Agrotécnica Federal - Terra Preta - diretores e funcionários - início dos anos 1990 - Vitória de Santo Antão. 
Publicado em O Tempo Voa | Deixar um comentário

Momento Pitú: Viva a Resenha!!!

Marque seu amigo que gosta de bolo e também de cachaça. Não importa a ordem.
Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

DIA DAS MÃES – por Sosígenes Bittencourt

Hoje é dia das mães. Ontem foi dia das mães. Amanhã será dia das mães. Todo dia, todo tempo é dia das mães. Enquanto houver uma pulsação de amor, onde houver o ato da fecundação será momento de se comemorar a vida. Hoje é dia da vida, é dia do mundo. Não foi em vão que já se chamou a natureza de Mãe Natureza. Hoje é dia do instinto, do misterioso impulso para a multiplicação, de toda forma de vida, dos micro-organismos, de todos os animais, dos vegetais. Hoje é dia das mães. Hoje é dia da vida. Hoje é dia de Deus.

Sosígenes Bittencourt

Publicado em Fala, Vitória! | Deixar um comentário

Dudu e Erika

DUDU E ERIKA cantam a música ESQUADROS. Esquadros - Dudu e Erika Aldenisio Tavares
Publicado em Vitória dos Artistas | Deixar um comentário

O Tempo Voa Documento: foi sempre assim…

Revirando nossos  arquivos encontramos  um “desabafo” do senhor Luis Nascimento, em artigo escrito para a Revista do Instituto Histórico, em função  das comemorações do centenário da imprensa na nossa cidade (1866 – 1966),  que bem  reflete o sentimento daqueles que fizeram e que continuam fazendo  imprensa na Vitória de Santo Antão. Vale a apena ler:

PERCALÇOS E IDEALISMO

A imprensa vitoriense sofreu, desde 1866, todos os percalços, dificuldades e inglórias inerentes à espécie. Viveram seus periodistas, por outro lado, os momentos culminantes da criação do jornal e da enunciação de ideias e programas, junto ao desejo de ser útil a comunidade, de consertar os erros do mundo e apontar os caminhos certos.

Continuaram eles, neste século, a amar e a sofrer, teimosamente, jungidos a um ideal, à missão de informar, de aparecer, de transmitir um pensamento, um verso, uma página literária.

Ultrapassou a casa dos trinta o número de publicações da grande família da imprensa dadas à circulação, de 1866 a 1899, na Vitória de Santo Antão. No cômputo geral dos cem anos hoje completados, subiram a mais de 170, de todos os gêneros, de vida intensa ou efêmera, fazendo surgir jornalista a granel, muitos deles perdendo o título rapidamente, outros altanando-se no conceito da imprensa regional ou nacional.

Esta terra de tantas tradições históricas tem, indubitavelmente, a primasia da imprensa no interior do Estado, uma primasia que honra Pernambuco, do mesmo modo que a imprensa de Pernambuco honra o Brasil.

Luis Nascimento Originalmente publicado na REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO – VOL. I – 1968.

Publicado em A Lupa, O Tempo Voa Documento | Deixar um comentário

Tiro de Guerra promoveu evento comemorativo!!

Na manhã de hoje (sexta, 29) aconteceu na sede do nosso Tiro de Guerra, localizado no Alto do Reservatório, uma cerimônia para comemorar os 55 anos (31 de março) da intervenção militar no Brasil.

Sob o comando dos atuais instrutores -  S Tenente Edgley e Sgt Paiva – a tropa foi formada. Um rápido desfile foi realizado. Com vibração os atiradores cantaram a canção do Exército.

Na ocasião, o eterno instrutor do nosso Tiro de Guerra, Major Eudes, usou da palavra para realçar fatos e acontecimentos alusivo ao movimento de 1964 sendo ele, inclusive,  à época, sargento do 14 RI e testemunha ocular da história.

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Momento Cultural: MEUS AMIGOS – Heitor Luiz Carneiro Acioli

Meus amigos, pessoas que me confortam e me levam para um lugar melhor. Amigos são pessoas que considero como irmãos. Amigo é aquela pessoa que podemos contar nossos problemas sem nos preocuparmos. O único ponto negativo é que um dia os amigos se separam. Meu desejo, não, meu pedido, melhor falando, é que sejamos amigos para sempre.

(Meu jeito em Versos e Prosas – Heitor Luiz Carneiro Acioli – pág. 02).

Publicado em Fim de Semana Cultural | Deixar um comentário

Momento Vitória Park Shopping

Arraste para o lado e confira a programação da semana!
Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

O Tempo Voa: foto panorâmica da cidade.

VISTA DA PARTE CENTRAL DA CIDADE (DO ALTO DO RESERVATÓRIO) – ao fundo, no canto esquerdo, a Igreja da Matriz. Ano não registrado.
Publicado em O Tempo Voa | Deixar um comentário

Momento Pitú: Viva a Resenha!!

Tô só esperando os convites. E tu?
Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

FRAGMENTOS – por Sosígenes Bittencourt

Deus fez o MUNDO para o homem viver. O homem não entendeu, fez o IMUNDO.

Sosígenes Bittencourt

Publicado em Fala, Vitória! | Deixar um comentário

Saudade – Fernando Silva

Hoje,  disponibilizamos a canção "SAUDADE"  -  autoria e interpretação do  FERNANDO SILVA. Saudade - Fernando Silva Aldenisio Tavares
Publicado em Vitória dos Artistas | Deixar um comentário

Cólera na África: em Vitória a peste devastou com a cidade em 1856.

As últimas notícias dos efeitos do “ciclone Idai” que, há duas semanas,  devastou o Sudeste do Continente Africano não são animadoras. Fala-se, entre tantos problemas,  no surgimento de casos de cólera. As autoridades sanitárias temem uma epidemia da peste. Às más condições sanitárias da região atingida, infelizmente, é fato agravante. Assistir tudo isso, em pleno século XXI, é algo lamentável.

Foi ainda na metade do século XIX que ocorreram os primeiros casos no Brasil. À contaminação teve inicio Estado do Pará e se alastrou pelas cidades portuárias, em função do forte deslocamento de navios. Pernambuco também teve seus dias de horror.

Consta nos livros que contam a história dos nossos antepassados que Vitória de Santo Antão foi a porção territorial cujos efeitos da aludida praga se deu em maior vulto. Por aqui morreu muita gente. Pobre, rico, branco, preto, macumbeiro ou católico foram castigados sem distinção. Ao final, em dois meses de holocausto, calculou-se que um terço da população antonense sucumbiu. Valendo salientar que no tempo pretérito pouco se sabia sobre a doença.

Pessoas enterrava um parente hoje, amanha, não sabia se era sua vez. Com medo de perecer nas estradas, alguns católicos passavam o dia rezando ao lado das covas para não correr o risco de não ser enterrados condignamente.

Construída em 1862 a Capela que  hoje existe no Engenho Bento Velho foi fruto de uma promessa, realizada no ápice da contaminação que, caso ninguém da propriedade fosse contaminado pela dita peste mortal um santuário seria erguido. Assim também é feita a história, com fatos cíclicos em lugares e em recortes de temporal diferentes.

Publicado em A Lupa | 1 comentário

Momento Cultural: A Alvorada – POR GUSTAVO FERRER CARNEIRO

O sol se descortinava na praia Brilhando em meus olhos Caminho só Ar imóvel, quente Vento assobiando ardente Com o som da minha respiração Um monte de pensamentos Um toque agudo sibilante Suspirando com prazer O nascer de um novo dia Uma alvorada arredia De momentos de introspecção

Um aroma gostoso de terra molhada Ou maresia, Um delicada lua ornamentando o amanhecer Em uma fantasmagórica poesia, Plenitude O vento zunindo Um sentimento de dignidade Uma visão do encanto Insondável graça no rosto No perplexo momento Da percepção da vida.

O que ele diz estará dentro do seu peito Todo tempo Para sempre…

Seja longe, seja perto Não sabemos o exato, o correto Para tudo tem um tempo

Mas quando será esse tempo certo?

(MOSAICO DE REFLEXÕES – GUSTAVO FERRER CARNEIRO – pág. 14).

Publicado em Fim de Semana Cultural | Deixar um comentário

Momento Vitória Park Shopping

Aposte no LotoPark do #VPS. Aliás, aposto que te damos sorte!
Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

O Tempo Voa: Tiro de Guerra juramento à bandeira.

TIRO DE GUERRA -  BAIRRO DO LIVRAMENTO  - JURAMENTO À BANDEIRA – 15-11-1982
Publicado em O Tempo Voa | Deixar um comentário

Momento Pitú: Viva a Resenha!!

Um latão de Pitú dá pra mim e dá pra tu. E se brincar, ainda sobra! A foto é de Paulinho Kachaça, o hômi que num perde uma oportunidade de mostrar que faz parte da #NaçãoPituzeira. Valeu, meu velho.

 
Publicado em Anúncios | Deixar um comentário