Momento FAMAM – Faculdade Macêdo de Amorim

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

O Tempo Voa: Otoni Rodrigues.

Registro  de um pronunciamento do Otoni Rodrigues - Câmara de Vereadores. Ano não registrado.

Publicado em O Tempo Voa | Deixar um comentário

Lions da Vitória: Clube de Leitores – dia 12 – 19h.

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

Momento Pitú: Viva a Resenha!!

Meu povo, a previsão pituzística da semana é de muita resenha e animação. Agora é só reunir a galera e aproveitar. Me chame na próxima, viu parceiro?

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

A BUSCA DA FELICIDADE – por Sosígenes Bittencourt.

O grande obstáculo em ser feliz está na busca da felicidade, é procurá-la onde não está, é buscá-la no mundo, nos seres inanimados. A felicidade está naquilo que depende de você, no abstrato, aquilo que só existe ENQUANTO você produz. Eis o segredo, eis a chave, o caminho. O amor não existe ENQUANTO você não produz. Já o mundo não depende de você para existir, ele é concreto. Portanto, o amor é a essência da felicidade. O cineasta Franco Zefirelli disse que “O homem, desde o Egito até nossos dias, é movido por dois sentimentos: A ânsia de amar e o temor da morte.

Não obstante, em que creem os religiosos? O que se lê em João, 14:27, “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize”.

Sosígenes Bittencourt

Publicado em Fala, Vitória! | Deixar um comentário

Jr Senna canta “Paz Senhor”, de Aldenisio Tavares.

Música “Paz Senhor“ -  composta por Aldenisio Tavares - interpretação de Junior Senna. A canção é  integrante do CD “O Amor de Deus nos uniu”.  Paz Senhor - Junior Senna Aldenisio Tavares
Publicado em Vitória dos Artistas | Deixar um comentário

Apelidos Vitorienses: Marluce do Cajá.

Para manter a linha do “M” no nome das filhas “Dona”  Ina e “Seu” Severino resolveram registrar a filha mais nova com nome de Marluce,  já que as duas mais velhas haviam recebido, respectivamente,  os nomes de Maria e Marli. Por questão da saúde debilitada a referida criança (Marluce) fora batizada as pressas.

Pois bem, na hora do batismo,  o Padrinho, “Seu” Manoel, resolveu fazer uma promessa à Nossa Senhora da Conceição em função da frágil saúde da afilhada. Na ocasião  mudou o seu nome – já escolhido pelos pais - para Maria da Conceição Pio das Chagas. Na prática, como o nome de antes já havia sido assimilado por todos os familiares, a menina continuou sendo chamada por Marluce.

No primeiro ambiente social frequentado fora do lar – na escola que funcionava na sede do Cube Taboquinhas (bairro do Cajá) - que era vizinha a sua residência, a Maria da Conceição Pio das Chagas continuou sendo tratada por Marluce. Só foi por volta dos oito anos, na chamada da sala de aula do Colégio Antonio Dias Cardoso,  que a menina Marluce tomou conhecimento de que o seu verdadeiro nome não era Marluce. A situação inusitada causo-lhe um certo embaraço e  até constrangimento.

Já adulta, a Marluce resolveu adicionar ao seu “apelido” (Marluce) o sobre nome “do Cajá”, uma que nasceu e se criou no bairro do “Cajá”.  Hoje, na qualidade de comerciante e uma das maiores vendedoras da cidade de “kit carnavalesco”,  a amiga “Marluce do Cajá” também ficará registrada no projeto Apelidos Vitorienses como uma pessoa que é mais conhecida pelo apelido do que pelo próprio nome.

Publicado em Apelidos Vitorienses III | Deixar um comentário

Redes Sociais: vale a pena refletir…..

Por gentileza, recebi do professor Pedro Ferrer, via e-mail,  um excelente artigo dando conta para  a "clareza" e "escuridão", ao mesmo tempo, das chamadas Redes Sociais. Vale a pena refletir.....

Canibal é todo aquele que devora indivíduos de sua espécie. Para isso, precisa dominar a presa. Torná-la indefesa. Então, trata de devorá-la.

Esta é a face medonha das redes digitais, tão úteis para facilitar a nossa intercomunicação. Assim como veículos – aviões, carros, motos – são úteis à nossa mobilidade mais rápida e, no entanto, usados também para atentados terroristas, como na queda das Torres Gêmeas de Nova York. Do mesmo modo, as redes digitais possuem seu lado sombrio.

Se não sabemos usá-las adequadamente, devoram o nosso tempo, o nosso humor, a nossa civilidade. Daí a minha resistência em chamá-las de redes sociais. Nem sempre a sociabilidade supera a hostilidade. Inclusive devoram o nosso sono, pois há quem já não consiga desligar o smartphone na hora de dormir. Devoram também a nossa capacidade de discernimento, na medida em que

nos tribalizam e nos confinam em uma única visão de mundo, sem abertura ao contraditório e tolerância a quem abraça outra ótica.

A medicina já está atenta a uma nova enfermidade, a nomofobia. Termo surgido na Inglaterra, deriva de no-mobile, destituído de aparelho de comunicação móvel. Em síntese, é o medo de ficar sem celular. É a mais recente doença aditiva, sobre a qual os terapeutas se debruçam. Há quem fique horas nas redes, muito mais naufragando que navegando.

A face canibal do celular devora ainda o nosso protagonismo. É ele que, por via de suas múltiplas ferramentas e aplicativos, decide o rumo de nossas vidas. A enxurrada de informações que recaem sucessivamente sobre cada um de nós, quase todas descontextualizadas, nos conduz inelutavelmente ao território da pós-verdade. Elas tocam a nossa emoção e, céleres, neutralizam a nossa razão. Com certeza a maioria de nós não é capaz de, gratuitamente, ofender um estranho na padaria da esquina. Porém, nas redes muitos endossam difamações, acusações levianas e calúnias. Haja fake news! PUBLICIDADE

Há mais de 70 anos, meu confrade Dominique Dubarle escreveu sobre a cibernética: “Podemos sonhar com um tempo em que uma máquina de governar viria a suprir a hoje evidente insuficiência das mentes e dos instrumentos habituais da política” (Le Monde, 28/12/1948).

O Leviatã cibernético previsto pelo frade dominicano francês hoje tem nome: Google, Facebook, WhatsApp etc. Essas corporações devoram todos os nossos dados para que a regulação algorítmica repasse às ferramentas incapazes de nos enxergar como cidadãos. Para elas, somos meros consumistas. Eis a era do Big Data.

As redes digitais devoram inclusive a realidade na qual estamos inseridos. Nos deslocam para a virtualidade e ativam em nós sentimentos nocivos de ódio e vingança. O príncipe encantado se transforma em monstro. Os valores humanitários se esgarçam, a ética se dissolve, a boa educação é descartada. Importa agora, com esta arma eletrônica nas mãos, travar a batalha do “bem” contra o “mal”. Deletar os inimigos virtuais após crucificá-los com injúrias que se multiplicam através de hipelink, vídeo, imagem, website, hashtag, ou apenas por uma palavra ou frase.

Eis o que pretende cada emissor: viralizar o que postou. O próprio verbo deriva de vírus, substantivo empregado na biologia; derivado do latim, significa “veneno” ou “toxina”. Cria-se assim a pandemia virtual! Preciso ler rápido este email ou zap porque outros tantos me aguardam na fila! E, se for o caso, responder em texto conciso, ainda que agrida todas as regras da gramática e da sintaxe. Segundo a pesquisadora Maryanne Wolf, em média acessamos, por dia, 34 gigabytes de informação, um livro com 100 mil palavras. Sem tempo suficiente para absorção e reflexão. PUBLICIDADE

Corremos o risco de dar um passo atrás no processo civilizatório. A menos que famílias e escolas adotem algo similar ao advento do carro, quando se percebeu a necessidade de criar autoescolas para educar motoristas. O celular está a exigir, também, uma pedagogia adequada ao seu bom uso.

*Frei Betto é escritor, autor do romance policial “Hotel Brasil” (Rocco), entre outros livros.

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Instituto Histórico: convite – 02 de agosto – 20h – Salão Nobre.

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

Momento Cultural: Minhas Lágrimas – por Stephem Beltrão.

Minhas lágrimas São lágrimas de viúva Lágrimas de brasileiro.

Minhas lágrimas são escondidas Vagarosas, preguiçosas Tímidas, contidas, caprichosas São lágrimas de pobre.

Minhas lágrimas São como as águas da chuva Que só são notadas Quando invadem as ruas São lágrimas verdadeiras Lágrimas fora de hora Fora da lei Lágrimas fora de moda.

Stephem Beltrão

Publicado em Fim de Semana Cultural | Deixar um comentário

Momento FAMAM – Faculdade Macêdo de Amorim.

Vestibular FAMAM 2019.2 - Agendado Diariamente - Curso Recursos Humanos - Melhor Preço, Estrutura e Corpo Docente - Entre em contato conosco agora mesmo e agende sua prova - (81)3523-1559, (81)9.8811-1559 (Também whatsApp) - FAMAM - Sua Nova Faculdade em Vitória de Santo Antão - Escolha o Sucesso - Escolha o Futuro - Escolha FAMAM. 

 
Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

O Tempo Voa: Cascatinha da Praça da Matriz.

ANO NÃO REGISTRADO 

Publicado em O Tempo Voa | 1 comentário

Momento Pitú: Viva a Resenha!!

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

MIMOSA PUDICA- por Sosígenes Bittencourt.

Há mulheres que podem ser comparadas a determinadas flores. Aliás, toda mulher tem algo de flor, algo de espinho.

Por exemplo, quem não conhece uma mulher ultrassensível ou de sensibilidade muito aflorada? Daquelas que se perfumam, querendo ser uma flor, muito frescas e agradáveis, mas precisam ser mimadas.

Embora brotem em qualquer terreno amorosamente cultivado, ficam amuadas com facilidade. Sendo toda “não me toque”, recolhem-se aos aposentos, afundando-se no travesseiro, seu fiel conselheiro.

Pois bem, por causa de um sonho, nesta terça-feira, nada melhor do que ofertar a mulher tão sensível esta bela Dormideira.

Sosígenes Bittencourt

Publicado em Fala, Vitória! | Deixar um comentário

Vanildo de Pombos canta “Galope Galopado”.

Música GALOPE GALOPADO -  composta e interpretada por VANILDO DE POMBOS - o  GERABA [powerpress url=../mp3/vanildo-de-pombos-1.mp3] Gostou da música? – Baixe a MP3 Aldenisio Tavares
Publicado em Vitória dos Artistas | Deixar um comentário

Em 2026 nosso lugar chegará aos 400 anos!!!!

Se levarmos em consideração que o Brasil possui apenas 519 anos, poderíamos dizer que a nossa cidade figura no time das mais antigas do País. Evidentemente que esse papo de “descobrimento” é ultrapassado. A verdade - nua e crua – e que nossas terras foram invadidas pelos  Europeus. O “nó”, por assim dizer, reside em saber, de fato, como os nativos sugiram. Tese, antes aceita como verdade, já foi sepultada.

Pois bem, quanto ao povoamento das terras que hoje chamamos de Vitória de Santo Antão a história é parecida. Os nativos que viviam na faixa litorânea e terras contíguas foram “empurrados” para os sertões. Nesse contexto,  em 1626, surgiu o português Diogo de Braga para, junto com seus familiares, levantarem acampamento  às margens do Rio Tapacurá e fazer surgir a Cidade de Braga que, mais adiante virou Povoado de Santo Antão da Mata, Freguesia de Santo Antão, Vila de Santo Antão, Vitória e finalmente - só  a partir de 1943 - Vitória de Santo Antão.

Portanto, em rápidas palavras, logo..logo chegaremos ao ano de 2026. Nele comemoraremos os 400 anos de fundação do nosso lugar. Assim sendo, por oficio, o Instituto Histórico e Geográfico da Vitória já colocou em pauta o assunto. Na qualidade de antonense defensor das boas causas locais e membro da instituição dos mais entusiasmado com o auspicioso acontecimento encontra-se o jornalista João Álvares. Viva o Glorioso Santo Antão!!!

Publicado em A Lupa | 2 comentários

Vitoriense poderá receber Título de Doutor Honoris Causa em Direitos Humanos

Membros da Comissão Permanente da Cidadania em nossa cidade tomaram conhecimento através de fontes fidedignas de que o Conselho de mestres universitários da Faculdade Integrada de Filosofia e Ciências Humanas com sede em São Paulo capital, está analisando documentação do currículo e formação acadêmica de um vitoriense,  pelos relevantes serviços prestados na área de segmento social em defesa de direitos de pessoas excluídas, vulneráveis e injustiçadas.

Extra oficialmente membros da comissão permanente da cidadania em Vitória, tomaram conhecimento que são dois candidatos ao título honorifico, o concorrente filho natural de Vitória, tem mais de 30 anos na área social e eclesiástica, de formação evangélica, sofreu injustiça, todavia todos os segmentos consultados foram unânimes em reconhecer o trabalho abnegado e princípios éticos.

O título é um reconhecimento para pessoas físicas ou jurídicas, que realizaram um trabalho visando o resgate da cidadania com relevância para a humanidade.

A solenidade de entrega poderá ocorrer no plenário da câmara de vereadores, na sede do OAB-Vitória ou na Igreja Evangélica Congregacional. A pessoa homenageada receberá um prêmio a critério do corpo docente da Faculdade.

Assessoria de Imprensa.
Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Campeonato Pernambucano A2 – Jogos do Vera Cruz – Arena

Publicado em A Lupa, Anúncios | Deixar um comentário

Lions da Vitória: Clube de Leitores – dia 12 – 19h.

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Memórias de um Pierrô – por João do Livramento.

Naquele ano meu carnaval

Que maravilha foi tão especial!

Em minha dama

Quanta beleza

Tua nobreza

Em minha mesa

Eu degustei

Teu banquete imperial

Teus sabores

Sem ardores

Tão natural

Naquele ano meu carnaval

Que maravilha teu corpo escultural!

No carnaval

Você tinha a realeza

Mas preferiu

Abraçar minha pobreza

Minha folia Te encantou

E você beijou eu pierrô

Se foi magia minha folia

Tua beleza me contagia

Naquele ano meu carnaval

Que maravilha foi sem igual!

Se esse ano quiser brincar

Tu sabes onde me encontrar!

E mais esse ano meu carnaval

Que maravilha vai ser sensacional!

  João do Livramento.
Publicado em Fim de Semana Cultural | Deixar um comentário

Momento FAMAM – Faculdade Macêdo de Amorim.

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

O Tempo Voa: Colégio Nossa Senhora da Graça.

Estudantes do Colégio Nossa Senhora da Graça - Entre outros: Soraya, Symone, Karla, Polyana, Norma, Doda, Claudinho e Marcel - registro em 17 de novembro de 1987. 

Publicado em O Tempo Voa, Sem categoria | Deixar um comentário

Momento Pitú: Viva a Resenha!!

Pense que a #NaçãoPituzeira tá acertando cada vez mais nesses drinks, viu? Quem mais gosta tá aqui. Marca aí nos comentários um amigo pra deixar ele com água na boca também.

 
Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

Da insatisfação humana – por Sosígenes Bittencourt.

O filósofo alemão Arthur Schopenhauer (1788-1860) resumiu o significado do “desapego” como alternativa lógica para os desejos que não podem ser concretizados e causam sofrimento. Como libertar-se da insatisfação, já que somos eternos insatisfeitos. E aponta, principalmente, dois caminhos: O desapego e a arte. Desapegue-se! Sua conclusão filosófica é a seguinte: O homem pode FAZER o que quer, mas não pode QUERER o que quer.

Eu posso dar amor ao meu vizinho, mas não posso querer que ele me ame. Posso matar o meu vizinho, mas não posso querer que a Justiça me absolva. Compreende?

Querer nunca foi poder, senão eu teria tudo que quisesse. “Querer” move ação em busca do objeto desejado. Quem obtém o que quer, mata o desejo. E sai em busca de outro objeto desejado. A obtenção do objeto desejado é consequência, é resultado de ação, nunca resultado de um desejo, nunca resultado de um querer.

Quem ama, não ama com o objetivo de ser amado, ama simplesmente. O amor, como consequência, é resultado. Tanto que há quem odeie sem o objetivo de ser odiado, odeie por odiar. Agora, quem semeia amor, não gera expectativa de colher ódio, e quem semeia ódio, não gera expectativa de colher amor. Quem espera carinho sem dar carinho, corre mais o risco de ficar sozinho.

Sosígenes Bittencourt

Publicado em Fala, Vitória! | Deixar um comentário

“Valeu Senhor” na voz de Joelma Mota.

Música “Valeu Senhor“ - composta por Aldenisio Tavares - interpretação de Joelma Mota - integrante do CD “O Amor de Deus nos uniu”, lançado pelo compositor Aldenisio Tavares.

Valeu Senhor - Joelma Mota Aldenisio Tavares
Publicado em Vitória dos Artistas | Deixar um comentário

Santa Cruz do Capibaribe também é um pedacinho de Brasil…….

No início da semana eventos trágicos de violência colocou a cidade de Santa Cruz do Capibaribe  no centro do debate na nossa região. Um assalto provocou um rastro de sangue e cenas medievais. No conjunto, segundo informações, tivemos o seguinte  saldo negativo:  um policial morto, outro ferido e oito bandidos mortos.

Esse debate não simples. De maneira geral a população está cansada de tanta violência. O problema também não é localizado. O Brasil, nessa questão, como um todo, é uma “bomba chiando”.  No fato aludido vídeos evidenciam que a população foi para rua aplaudir a polícia. Menos mal......Complicado é quando a população se solidariza com os bandidos. No entanto, não devemos esquecer  que, aqui e acolá, a polícia também comete  seus desvios e pecados.

Sem o envolvimento emocional, natural para os que de certa forma participaram diretamente da referida tragédia, fatos e cenas como essas deveriam nos oportunizar um profundo processo de reflexão. Por assim dizer, gostaria, nesse momento, de diferenciar aquilo que entendemos por justiça do termo vingança.

Definição:

“A diferença entre justiça e vingança: mesmo quando pune, a justiça age sob o princípio da humanidade, respeitando os valores fundamentais do ser humano e dá ao culpado aquilo que ele merece de acordo com a lei, enquanto a vingança possui objetivos destrutivos e quer apenas que o outro sofra em proporção igual ou maior”.

Portanto, arrisco-me a dizer que a melhor solução para os problemas dessa natureza ainda estão na sua raiz. Tratar das consequências, na maioria das vezes, é muito mais sofrível e pouco eficiente. Como nação, somos pobres, muito pobre mesmo! Se estivermos no caminho certo, teremos um século pela frente para melhorarmos...........

Publicado em A Lupa | Deixar um comentário

Nestor de Holanda Cavalcanti Neto – por Pedro Ferrer.

Nasceu na Vitória de Santo Antão, no ano de 1921. Desde cedo mostrou pendores para as letras. Era neto do Nestor de Holanda Cavalcanti, farmacêutico, estabelecido na atual João Cleofas. Ficou órfão ainda criança. Sua genitora ficou residindo algum tempo na casa dos sogros. Logo partiu para o Recife, levando em sua companhia o casal de filhos. Foram residir na rua do Sossego, bairro da Boa Vista. Mais tarde ele escreveria um romance cognominado: “Sossego, rua da revolução”.

Na capital trabalhou na imprensa, escreveu peças, poesias e compôs inúmeras músicas em parceria com Nelson Ferreira, Levino Ferreira, Luís Gonzaga. Aos 19 anos partiu para o Rio de Janeiro. Sua veia de escritor abriu-lhe as portas de revistas, jornais, rádios, teatros e finalmente TV.

Trabalhou em inúmeros jornais. Foi redator de rádios e TV. Escreveu muitas peças para teatro de revistas e compôs centenas de músicas. Entre seus parceiros citaria: Ary Barroso, Dolores Duran, Lamartine Babo, Ismael Neto, Haroldo Lobo. Suas crônicas prendiam-se muito a fatos ocorridos no Rio de Janeiro e na sua terra natal. Merecidamente ganhou o título de Cidadão do Estado da Guanabara. Nessa época seu livro, “A ignorância ao alcance de todos”, vendeu 120 mil exemplares, valendo-lhe o título de  escritor de maior venda no Brasil, na década de 1960. Nestor morreu jovem, no dia 30 de novembro de 1970, com apenas 49 anos. Jorge Amado, o famoso escritor baiano, resumiu em três linhas a importância, o valor e a originalidade de Nestor de Holanda: “Com Nestor de Holanda estamos longe de todo formalismo sem sentido com que certos escritores buscam esconder a inutilidade de sua voz. Nestor é um homem do seu tempo e do seu povo”.

Recomendo ao leitor seu livro “O decúbito da mulher morta”. História ocorrida na nossa cidade.

Finalizo transcrevendo algumas palavras escritas por Rachel de Queiroz, escritora cearense, primeira mulher a ingressar na Academia Brasileira de Letras, por ocasião da sua morte: ““Contista e, acima de tudo, cronista, esse pernambucano de Vitória de Santo Antão assimilou melhor do que ninguém a alma e a graça do carioca, sua irreverência, seu humor desabusado, sua mordente sátira, entremeada de momentos de enternecimento e romantismo. Curioso é que conseguiu figurar assim entre os mais “cariocas” dos cronistas desta cidade do Rio, sem por um instante imolar sua condição de homem vindo do Norte, parte daquela frente migratória anunciada por Manuel Bandeira em “São os do Norte que vêm”. O carioquíssimo “Sargento Iolando” jamais esqueceu ou sonegou o menino de Vitória, suas lembranças, saudades, e pontos de vista. A simbiose de ambos foi o milagre do talento – talento era coisa que não faltava a esse que nós choramos tão cedo, partido muito antes do seu tempo natural, quando ainda teria tanto para dar ao jornalismo, nas letras, na vida.”

Pedro Ferrer - presidente do Instituto Histórico da Vitória.   
Publicado em A Lupa, Vitória Ontem e Hoje | Deixar um comentário

4ª Festa da Saudade – Super Oara – 24 de agosto – no Leão.

Publicado em Anúncios | Deixar um comentário

Momento Cultural: PARABÉNS AOS PEDREIROS – por Severina Moura.

Aos pedreiros construtores do progresso Que debaixo de sol e chuvas vão Ao trabalho da obra do universo Para ganhar cada dia o seu pão Pão dos filhos, da esposa, da família Que alegres o recebem em união.

Suas mãos calejadas pela pá Construindo ângulos e paralelas Dos esquadros as perpendiculares Retas, curvas e inclinadas. Dos transferidores sem mazelas. Calculando volumes matemáticos Das portas, áreas e janelas.

Esses homens que nem sabem quanto valem Seus serviços, se bem feitos valem ouro Se uma aresta não for bem construída É um desastre, no final um desadoro E o dono da obra sai perdendo, Dinheiro, sossego e decoro.

Parabéns a vocês, caros pedreiros, Que para o dono fazem essa construção Se orgulhem de tudo o que fazem Com dosagem certa, e com paixão Quem ama o que faz, não se arrepende Porque Deus lhe dá sempre proteção.

Profª Severina Andrade de Moura, nasceu em Vitória de Santo Antão. Foram seus pais: José Elias dos Santos e Doralice Andrade dos Santos. Viúva de Severino Gonçalves de Moura, com quem se casou em 1962. Fez o curso Pedagógico no Colégio N. S. da Graça. Lecionou em Glória do Goitá e Carpina. Concluiu Licenciatura Plena em Letras em Caruaru (1976). Pós-graduação em Língua Portuguesa na Univ. Católica (1982). Ensinou em várias escolas estaduais e municipais na Vitória e ensina atualmente na Escola Agrotécnica e na Faculdade de Formação da Vitória de Santo Antão. Poetisa por vocação. Colabora na imprensa local.
Publicado em Fim de Semana Cultural | Deixar um comentário

O Tempo Voa – Instituto Histórico.

Tomada de posse como sócio do Instituto Histórico - Teatro Silogeu - entre outros, Eunice Xavier, Geraldo Lima, Zito Mariano e Sônia Galvão - 1998.

Publicado em O Tempo Voa | Deixar um comentário