Corrida Com História: de quem será a primeira fotografia fixada….?

No conjunto do nosso projeto esportivo/cultural, que visa, entre outras coisas, despertar os internautas antonense à chamada “Educação Patrimonial”, na tarde de ontem (23), adentramos na “Casa do Imperador” para realçar a Galeria dos Prefeitos da Vitória.

Próximo de completar 400 anos de fundação o nosso lugar só veio contar com a “figura” do prefeito no seu ordenamento administrativo no finalzinho do século XIX. O nosso primeiro prefeito foi Doutor José de Barros de Andrade Lima (1892 a 1895).

Por costume, o nosso Instituto Histórico, após o falecimento do gestor, fixa sua fotografia na já citada galeria. Na atualidade, contamos com meia dúzia de prefeitos da Vitória vivos: Elias Lira, Carlos Breckenfeld, Zé do Povo, Demétrius Lisboa, Aglailson Junior e Paulo Roberto.

De maneira provocativa, no bom sentido da palavra, no vídeo, após explanação, fizemos o seguinte questionamento: de quem será a primeira fotografia fixada….?

 

181 anos…..

Ostentando o título honorífico de “cidade”, a partir de 6 de maio de 1843, nosso lugar, ontem, 06 de maio de 2024, comemorou os 181 anos do fato marcante. Nesse contexto, em nosso projeto cultural/esportivo que intitulamos de “Corrida Com História”, realçamos o histórico acontecimento.

Vale lembrar o nosso primeiro nome foi “Cidade da Vitória”. Uma alusão direta à vitória alcançada na épica Baralha das Tabocas. Só a partir de 1º de janeiro de 1944 é que “viramos” Vitória de Santo Antão. Veja, abaixo,  mais detalhes no vídeo.

https://youtube.com/shorts/qrFDK4T6z3A?si=xdHr39x3TrzM71c1

 

 

 

Corrida Com História: origem do Clube Abanadores O Leão…

Foi num casarão de taipa, localizado na esquina da “Antiga Rua da Baixinha”, hoje, Rua Dias Cardoso e André Vidal de Negreiro,  que deu-se inicio a uma das mais brilhantes agremiação carnavalesca de Pernambuco. Trata-se do Clube Carnavalesco Abanadores.

Ao longo dos seus 122 anos de história, o “Abanadores” ganhou vários “apelidos”, por assim dizer: “Papa-clubes”, “ O Leão”,  “Clube XVI” e “O Mais Querido”.

Mas foi com o cognome “O Leão” que ganhou fama em Vitória e também fora da cidade. A partir 1942, por ocasião do seu 40º aniversário de fundação, inaugurou vistosa sede – que permanece até hoje – no Pátio da Matriz, no prédio em que funcionou o Cinema Dom Luiz.

Eis aí, portanto, um pouco da história dessa gigante agremiação carnavalesca que abrilhanta o carnaval da nossa Vitória de Santo Antão, sublinhada, hoje, no nosso projeto cultural/esportivo que atende pelo simpático nome de “Corrida Com História”.

Veja o vídeo aqui: https://youtube.com/shorts/GHqbq8D5SFA?si=bUwugMvnlLXllI4o

Praça da Restauração: 70 anos, hoje! – Corrida Com História….

No contexto das comemorações alusivas ao tricentenário do movimento que ficou conhecido como “Restauração Pernambucana”, em que se comemorou os 300 anos da expulsão dos holandeses  do nosso estado, em Vitória de Santo Antão, sob liderança do então prefeito Manoel de Holanda,  celebrou-se o evento com bastante entusiasmo.

Um conjunto de acontecimentos, entre os dias 10 e 24 de janeiro de 1954, deixariam marcado, para sempre, o nosso lugar. Dentre os movimentos, destacamos:  inauguração de praça e busto do Sargento Antônio Dias Cardoso.

Pois bem, dentro do mesmo sentimento, a nossa praça – Praça da Restauração – recebeu esse nome, justamente para marcar o momento importante.

Portanto, que ouvir alguém se referir a esse logradouro público com o depreciativo nome de “Praça do Jacaré”, favor corrigir e ensinar: educação patrimonial é um direito e dever de todos! Corrida Com História…

Veja o vídeo completo aqui: https://youtube.com/shorts/RlEFhmP_DaE?si=DGSyMMlVMMD6WKel

Corrida Com História – implantação do serviço de iluminação pública – há exatos 130 anos.

Fruto da minha curiosidade, iniciei uma pesquisar sobre o inicio do serviço de  iluminação pública do nosso lugar. Ao contrário do que muita gente pensava o referido serviço não teve sua efetivação “colada” com a chegada da energia elétrica.

Inaugurada pelo então prefeito João Cleofas de Oliveira, em novembro de 1922, a energia elétrica, indiscutivelmente, se configurou num verdadeiro  marco de mudanças de toda ordem, nos quase 400 anos de fundação do nosso lugar.

Três décadas antes (29 anos), em 1893, o então prefeito José de Barros Andrade Lima, através da Lei Nº 6,  implantou o serviço regular de iluminação pública, na então “Cidade da Vitória”. O mesmo começou com 50 candeeiros, que ficavam pendurados em estacas de madeiras fincadas nas esquinas das ruas, chegando, duas décadas depois, à quantidade de 160.

Tendo, inicialmente, se utilizado do combustível querosene, o referido serviço, mais adiante, através de uma ação do então prefeito Capitão Antônio Melo Verçosa, em 1910, um novo produto foi introduzido. Tratava-se das chamadas “lâmpadas a álcool”, mudança que foi aprovada pela população nativa.

Portanto, eis aí, uma informação que nos remete ao ano de 1893, ou seja: há 130 anos, sendo “mastigada” pelo nosso Projeto Cultural/Esportivo, que atende pelo simpático nome de Corrida Com História – o maior, mais eficiente e eficaz projeto de educação patrimonial – do século 21 –  implantado na nossa cidade. 

Veja o vídeo completo aqui:https://youtube.com/shorts/GZ8hTW6AgdY?si=cXqTfp4liyctdDn8

Corrida Com História: unanimidade antonense!!!

Sucesso consagrado pela “critica” coletiva como algo curioso, informativo, dinâmico, inovador e etc o nosso Projeto Cultural/Esportivo, que atende pelo simpático nome de “Corrida Com História” se configura numa ação eficaz e eficiente,  naquilo que conhecemos como “EDUCAÇÃO PATRIMONIAL”, com amplitude gratuita e disponível ao público de todas as idades.

Já me disse o professor, pensador e poeta antonense, Sosigenes Bittencurt,  que o “Corrida Com História” é uma espécie de “aula a céu aberto”.

Já outro amigo, vinculado ao mundo político, atestou-me que se juntássemos  a atuação da secretaria de cultura da nossa cidade, desde o inicio do  século 21, sob o ponto de vista da chamada “educação patrimonial”, mesmo assim,  o nosso projeto ainda ganharia  de goleada, do somatório geral, ou seja: desde o governo do Zé do Povo até o atual, comandado por Paulo Roberto.

Pois bem, deixando de lados os elogios, o fato é que o nosso conteúdo nas redes sociais e grupos de WhatsApp pode ser compartilhado sem moderação, ou seja: apropriado para grupos da família, do trabalho, da igreja, da “pelada” e de todos aqueles que congregam  pessoas ligadas ao nosso torrão.

Detalhe: não anotamos comentários contrários ou mesmo depreciativos quanto ao conteúdo.  Algo muito raro no mundo livre da internet.

Presencialmente, já perdi as contas de quantas vezes já fui abordo,  nas mais diversas situações, por pessoas que nem as conheço,  parabenizando-me pelo conteúdo.

Dias atrás, na mais recentemente gravação, no bairro da Mangueira, uma professora, com nome de Paulina, ao chegar perto de mim, com entusiasmo,  disse: “eu estava caminhando na outra rua. Mas quando lhe vi aqui, mudei o caminho só para poder lhe parabenizar,  pessoalmente,  por esse trabalho”.

Evidentemente que  agradeci a gentileza, ao mesmo tempo que pedi-lhe  para registrar,  fotograficamente,  o momento, dizendo que iria, oportunamente, postar no blog o nosso  casual encontro.  Detalhe: até então, eu não conhecia a professora Paulina.

Portanto, aproveito para agradecer a todos que acompanham o nosso quadro – Corrida Com História – e que o compartilham nos seus grupos e redes sociais o nosso conteúdo, fruto de um longo estudo e de uma pesquisa aprofundada sobre a história dos nossos antepassados antonenses.  FORTE ABRAÇO!

Corrida Com História – 1º Blizzard Of Rock – há 30 anos.

Mais que um gosto musical, o rock in roll se configura num estilo de vida. Consagrado no mundo inteiro a “cena do rock”, nas terras desbravada pelo português Diogo de Braga, no inicio dos anos de 1970.

Naquela ocasião, a população em geral, devido aos altos preços dos discos e outros materiais, tinha dificuldade para “mergulhar” no mundo do rock, sobretudo nas cidades interioranas da Região Nordeste.

Foi pelos microfones da então Radio Cultural AM, com produção e apresentação do professor Cristovão e Pedro Júnior, a partir de 1983 (há 40 anos),  que  iniciou-se um  trabalho de divulgação na cidade,  através do programa “Os Feras do Rock”. Naquela ocasião, além de tocar as músicas, eles também contavam história e curiosidades sobre as bandas e etc.

Pois bem, doravante, o estilo musical começou a ganhar simpatia popular entre os nativos de todas as classes sociais. Algumas festas foram promovidas e até algumas  bandas com formação local surgiram – Banda “Mercúrio Cromo” foi uma delas.

Nesse contexto, no sábado, 27 de novembro de 1993 – há exatos 30 anos -, com muita dificuldade, o professor Cristovão,  promoveu  um evento  que viria, definitivamente, cravar a história do rock in roll na nossa cidade. No Restaurante “Toca do Coqueiro”, localizado no bairro da Mangueira, surgiu a 1ª edição do Blizzard Of Rock. Evento esse que, com algumas interrupções e também por conta da pandemia, segue em “cena” nos dias atuais.

Portanto, ao nosso amigo professor Cristovão, verdadeiro Dinossauro do Rock antonense, tributamos esse quadro do Corrida Com História de hoje, pela seu amor a causa,  perseverança e determinação.

Veja o vídeo completo aqui: https://youtu.be/SNJVzJYN70o?si=_zScQZ7xjqI8zd9V

Corrida Com História – a origem da “Festa do Livramento”…

Na Vitória de Santo Antão do inicio do século XX, o meio de comunicação de massa mais usado era o jornal impresso. Dessa forma, o importante “O Lidador” chamava a atenção das autoridades e dos religiosos para a precária situação do telhado da então Capela de Nossa Senhora do Livramento.

Interditada pera celebrações, meses depois, exatamente no dia 16 de novembro de 1907, às 8:30h – há exatos 116 anos –  a “cidade ouvia o estrondo”. O alerta virou realidade!

Com muita dificuldade financeira, os dirigentes religiosos começaram uma mobilização na comunidade para soerguer o templo religioso que durou cerca de 5 anos.

Em 1912,  festeja,  triunfante,  toda comunidade católica, sobretudo os ligados à “Irmandade do Livramento”, com a “Festa da Cumeeira” a reabertura da capela aos fiéis.

O referido evento – Festa da Cumeeira – marcou, definitivamente, um novo tempo para os católicos da Vitória de Santo Antão, isso porque foi a origem da tradicional Festa do Livramento que conhecemos nos dias hoje e, diga-se de passagem, chegando, em 2023, à 111ª edição. Corrida Com História….

Veja aqui o vídeo: https://youtube.com/shorts/r12CO8cM4xg?si=G3mc2Ei7PWz5Z3sQ

Corrida Com História – 59 anos da 1ª Vaquejada em Vitória.

Cravada no centro da Região Nordeste nossa terra – Vitória de Santo Antão – foi referência no quesito promoção de vaquejada, sobretudo na produção de bons e premiados vaqueiros.

Mas foi só em 1964, exatamente nos dias 24 e 25 de outubro, que um conjunto de antonenses, oriundos de diferentes segmentos da sociedade de então que definitivamente cravaram no nosso calendário a tão afamada manifestação popular nordestina.

Se utilizando de parte da pista do já montado “Aeroclube da Vitória”, localizado no bairro de Água Branca, nas  imediações onde,  hoje,  existe o Colégio Municipal CAIC construiu-se uma estrutura para sediar o grande acontecimento.

Com vaqueiros da Vitória e de cidades circunvizinhas, o evento teve inicio no dia 24/10 com um grande desfile dos participantes pelas ruas centrais da cidade e no encerramento, já no domingo (25), aconteceu no Clube Vassouras “O Camelo” o grande baile.

Na condição de vaqueiro, o antonense mais colocado na disputa ficou com o quinto lugar (Garret  Moura), formando dupla um vaqueiro da cidade do Bonito. Na ocasião, o  evento prestou uma grande homenagem ao Jornal Diário de Pernambuco – Corrida Com História!!!

VEJA O VÍDEO AQUI: https://youtube.com/shorts/PoWTTwe3Udk?si=4YXoA31xrMEn9kd7

Origem das comunidades “Dr Alvinho” e “Dr Bido” – Corrida Com História.

Duas localidades bem conhecidas da nossa cidade – Doutor Alvinho e Doutor Bido – foram “batizadas” pela população em função dos apelidos dos irmãos Álvaro Gonsalves Costa Lima Filho e Severino Joaquim Krause Gonsalves.

Por volta da metade do século passado (XX) era bem comum pessoas de posses investirem nos chamados “arruados de casa” para, depois,  torna-las disponíveis ao aluguel. Naquele tempo vários loteamentos surgiram para atender essa demanda.

Nesse contexto, após vários anos, os “arruados” avançaram e tornaram-se comunidades populosas. Em espacial, as comunidades de “Doutor Alvinho” e “Doutor Bido” herdaram, por assim dizer, os apelidos dos proprietários dos arruados construídos naquela localidade. Esse, portanto, foi mais uma edição do nosso quadro cultural/esportivo que atende pelo simpático nome de “Corrida Com História”.

Veja o vídeo aqui: https://youtube.com/shorts/bGbTnhVYyj4?si=RnHTVK8hzhcRHtb6

Corrida Com História: 113 anos da chegada do automóvel à Vitória.

Catalogado na historiografia local como um dos acontecimentos mais fantásticos na então bucólica Cidade da Vitória do inicio do século XX, o primeiro contato da população antonense com o automóvel foi marcado por grande expectativa e, ao mesmo tempo, espanto.

Bem relacionado, simpático e também pabuloso o senhor Manoel Alexandre, para se projetar, mandou avisar na cidade inteira que em breve um automóvel circularia na localidade – naquela época (final do século XIX e inicio do XX) o referido meio de transporte ainda era uma grande novidade nos quatro cantos do planeta.

Pois bem, eis que no dia 9 de setembro de 1910, por volta das 11h, o mesmo circula pelas ruas centrais da cidade em cima de um automóvel,  guiado por um motorista. O alvoroço foi grande. O comércio fechou, meninos correndo,  pessoas das mais variadas idades montaram em seus respectivos cavalos para acompanhar o dito cujo (automóvel). Houve,  também,  gente que só viu passar,  pela brecha da porta, pois com medo da “novidade” nem de casa saiu.

Portanto,  esse foi um dos grandes acontecimentos ocorridos na nossa comunidade. Passados mais de um século (113 anos), hoje, o automóvel virou algo banal. O nosso projeto esportivo/cultural –  Corrida Com História –  entre outras finalidade, também tem como objetivo incentivar à chamada Educação Patrimonial dos antonenses.

Corrida Com História – 378 anos da épica Batalha das Tabocas.

Para celebrar os 378 anos da épica Batalha das Tabocas, ocorrida em 03 de agosto de 1645, em nosso território, na manhã do feriado municipal, participei da 43º edição da Corrida das Tabocas. O referido evento esportivo teve como ponto de partida o Pátio do Livramento e, após circular por algumas ruas centrais, à chegada o nosso Sítio Histórico – Monte das Tabocas – percurso com 12km (média).

Nesse contexto, aproveitamos para produzir mais um vídeo, dentro do nosso projeto cultural/esportivo,  que atende pelo simpático nome de Corrida Com História.

Nessa edição, entre outras informações, realçamos que por ocasião da sua visita à Cidade da Vitória, ocorrida em dezembro de 1859, o Imperador Dom Pedro Segundo esteve no nosso Monte das Tabocas, justamente para conhecer o local em que a tropa luso-brasileira venceu o invasor holandês.

Segue, portanto, o vídeo com a gravação: https://www.youtube.com/shorts/IQCYy1d2Kws

 

Pavilhão Municipal: 51 anos – Corrida Com História.

Desprovida de um pavilhão municipal oficial, no inicio da década 1970, a diretoria do Lions Clube da Vitória articulou a criação de um dos  símbolos da nossa cidade, ou seja: a nossa bandeira.

Através da inspiração, conhecimento e  competência do seu então presidente, Romero Conolly,  a nossa bandeira foi criada e proposta à apreciação da Câmara de Vereadores. Em ato contínuo a mesma foi aprovada e virou Lei (1.521), a partir de 14 de julho de 1972, exatamente há 51 anos.

 

Simbologia dos elementos que compõe a nossa Bandeira:

  • Os dois leões: A bravura dos pernambucanos;
  • A esfera armilar: Nossa primeira arma;
  • A cruz de malta: A origem portuguesa;
  • O sol: Raios de liberdade;
  • O círculo vermelho: O meridiano imaginário;
  • Os louros: Nossas vitórias;
  • As três armas: Homenagem às três raças que participaram da Batalha das Tabocas
  • 3 de agosto de 1645: Reverência à Batalha do Monte das Tabocas
  • 6 de maio de 1843: Data da elevação à categoria de cidade.
  • O Monte: Local da Batalha.

Portanto, hoje, sexta-feira, 14 de julho de 2023, comemoremos os 51 anos da oficialização do nosso Pavilhão Municipal, retratado no nosso original projeto cultural/esportivo que atende pelo simpático nome de Corrida Com História.

VEJA O VÍDEO AQUI: https://youtube.com/shorts/zOJoNs-ef-U?feature=share

Cruz das Almas: Corrida Com História……

Construídas pelos católicos ainda no século XIX , mais precisamente pela Irmandade das Almas, as “caixas das almas”, como assim ficaram popularizadas, entre outras, tinha a função de facilitar a arrecadação de contribuições e esmolas dos fiéis. Estrategicamente, ficavam as mesmas localizadas às margens das artérias (caminhos) de maior fluxo de pessoas, sobretudos nas entradas e saídas do município. Com o tempo perderam a função e foram desprezadas pelos dirigentes da igreja local.

Das 5 unidades construídas, duas permanecem de pé, uma foi recentemente destruídas pela prefeitura e as outras duas, aparentemente, foram incorporadas ao patrimônio de terceiros. As 2 “resistentes”, por assim dizer,  ficam em lugares distintos:  uma ao lado do Cemitério São Sebastião  e a outra à Rua Melo Verçosa, próxima à Praça Severino Ferrer, também conhecida por “Praça do Fórum”.

Com relação à localizada próxima ao cemitério, devemos sublinhar que a mesma foi  construída antes mesmo do cemitério (1875).  Aquela localidade, por conta da cruz de madeira que ficava  em cima da “caixa das almas” deu origem ao “Sítio Cruz das Almas” que posteriormente nominou à localidade, ali existente.

Portanto, essa é mais uma curiosidade do nosso lugar antonense que retratamos, hoje, dentro do genuíno projeto cultural/esportivo, por nós executado,  que atende pelo simpático nome de “Corrida Com História”.

Veja o vídeo aqui: https://youtube.com/shorts/fdonMq5f6GM?feature=share

Novo sistema de pesos e medidas – há 150 anos – Corrida Com História.

Importado da França, o novo sistema de pesos e medidas que começou a vigorar no Brasil no início da sétima década do século XIX substituiu os trazidos pelos  portugueses,  por ocasião do nosso “descobrimento”.

Entre outras referências a arroba, a libra e a oitava  deram lugar ao quilo,  para os produtos medidos e negociados por peso. Para os produtos líquidos:  a canada, a pipa e o quartilho foram substituídos pelo litro. Já para as unidades de cumprimentos, o metro sepultou a braça, a vara, o palmo, o pé, e o côvado.

Pois bem, foram com essas novas medidas que o comércio e a população antonense tiveram que conviver e aderir a partir do dia 1º de junho de 1873, ou seja: há exatos 150 anos. Evidentemente que essas mudanças não foram fáceis, muito menos absorvidas rapidamente.

Os novos padrões  – balanças, pesos e etc – haveriam de ser compradas ou alugadas as autoridades que ainda cobravam por aferições periódicas. Nem os comerciantes gostaram,  muito menos a clientela. Aliás, essas mudanças deflagraram um movimento no  Nordeste  brasileiro – iniciado no interior do estado da Paraíba – que ficou conhecido como “ A Revolta dos  Quebra-Quilos”.

Portanto, hoje, 1º de junho de 2023,  marca os 150 anos do inicio oficial dessa grande transformação na nossa, então recém-criada,  “Cidade da Vitória” – Corrida Com História.

Veja o vídeo aqui:

https://youtube.com/shorts/lCL56RBUiUQ?feature=share

Ovídio de Melo Verçosa Filho – o centenário de nascimento 27/05/1923/2023

Vitoriense, nascido no dia 27 de maio de 1923, grande patriota, jornalista, radialista e desportista maior do seu tempo. Como jornalista, retratou, amou e exaltou a sua terra natal, através de uma coluna por ele assinada durante muitos anos no jornal O Lidador que, à época, circulava semanalmente.Para o vitoriense ficar a par dos acontecimentos de sua cidade, era necessário apenas ler “Nossa Terra, Nossa Vida, Nossa Gente”, de Ovídio Verçosa.

Como radialista, atuou nas Rádios locais Jurema e Tabocas, nas quais apresentava, aos domingos, o Programa “A Música Comanda o Espetáculo” e repetia o sucesso de audiência através da “resenha esportiva”, às 12h, que atraia milhares de ouvintes, durante toda a semana. Convidado para trabalhar numa grande emissora de Rádio da capital com penetração em todo o Estado, declinou do convite para não se afastar “de Vitória”, tamanho era o apego às suas raízes.

Rua Jornalista Ovídio de Melo Verçosa Filho – bairro da Bela Vista.

Como desportista, incentivou os nossos atletas, entusiasmou e valorizou a nossa torcida, promoveu o nosso futebol e divulgou a nossa cidade. Torcedor fervoroso do Santa Cruz, Fluminense do Rio de Janeiro, São Paulo Futebol Clube e Camelo Futebol Clube. Editava, sempre que o Santa Cruz era Campeão Pernambucano, um jornal especial, intitulado O Tricolor.

Vale destacar, ainda, que foi ele quem primeiro sugeriu em suas crônicas que o clube O Camelo fosse conhecido como “O Aristocrático”. No dia 13 de outubro de 1977, portanto, há quatro décadas, falecia esse grande vitoriense, deixando para as gerações vindouras um legado admirável e exemplar de quem demonstrou o seu amor a nossa terra, descreveu com emoção a nossa gente, promoveu com devoção nossa cultura e defendeu com fervor as nossas tradições. Por tudo isso, embora tenha partido para outro plano espiritual, Ovídio permanece vivo na História da nossa querida Vitória de Santo Antão.

Texto copiado para o quadro Corrida Com História, em 27 de maio de 2023. 

Veja o vídeo aqui: https://youtube.com/shorts/8zVGFE72NJU?feature=share

190 anos que perdemos 70% do nosso território – Corrida Com Historia…

Ao deixar a condição de “Freguesia de Santo Antão da Mata” para virar “lugar” autônomo, no que tange, entre outras, às questões politicas e administrativa, a partir de 28 de maio de 1812, a então “Vila de Santo Antão” ocupava um território de aproximadamente 4.600 km.

Por ocasião da resolução do Conselho Provincial, ocorrida em 17 de maio de 1833, em que tornou “vila” uma das freguesias pertencente  a “Santo Antão” a mesma perdeu parte expressiva do seu território, cerca de 70%, mesmo de depois de anexado  o distrito da “Escada” ao de “Santo Antão”.

Mais adiante, perdendo os territórios que hoje compreendem às cidade de Escada e Pombos, Nossa Vitória de Santo Antão possui pouco menos de 350 km de circunscrição territorial. Portanto, exatamente hoje, 17 de maio de 2023, marca os 190 anos que  todos os antonenses ficaram mais pobres, do ponto de vista territorial – Corrida Com História…

Veja o vídeo aqui: https://youtube.com/shorts/xsMI8K3LQE0?feature=share

“Alto da Boa Vista” – Corrida Com História.

Denominada por Praça 13 de Maio no inicio do século XX, uma das localidades próxima ao centro comercial  mais elevada da nossa cidade, antes, era conhecida como “Alto da Boa Vista”. Lembremos que no século XIX, com os pés finados no “Alto da Boa Vista” era possível se avistar os quatro cantos da então emergente “Cidade da Vitória”.

Nesse contexto, dentro do Projeto Corrida Com História, justamente no dia 13 de maio revelamos essa informação aos antonenses que, diga-se de passagem, desconhecida quase que pela totalidade das pessoas. Aos poucos, como muita paciência e pesquisa, estamos “descobrindo” uma Vitória de Santo Antão esquecida, por assim dizer.

Veja o vídeo aqui: https://youtube.com/shorts/w47HRAgJOaQ?feature=share

Cidade da Vitória: 180 anos – Corrida Com História.

Dentro das comemorações da passagem dos 180 anos da elevação da então Vila de Santo Antão à categoria de “Cidade da Vitória”, ocorrida em 06 de maio de 1843, promovemos um quadro do projeto cultural/histórico/esportivo: “Corrida Com História”.

Na ocasião,  realçamos também a passagem dos 80 anos do monumento, localizado na Praça Duque de Caxias, inaugurado em 06 de maio de 1943, justamente para marcar o centenário desse acontecimento marcante para o nosso lugar.

Próximo de chegar aos 400 anos de fundação,  já passamos por várias situações: povoado, vila, freguesia e cidade. Com o nome de Vitória de Santo Antão, estamos bem próximo de completarmos 80 anos, ou seja: a partir de 1º de janeiro de 2024.

Veja o vídeo aqui: 

https://youtube.com/shorts/xyftqHJYYTU?feature=share

“Mula Branca” – era o nome da primeira aeronave militar que pouso em nosso aeroporto.

Recheada de lances inacreditáveis, a história que efetivou o nosso aeroporto, lá década de 1940, sem sombra de dúvida, é um dos capítulos mais “atrevido” da sociedade antonense, nesses quase 4 séculos de história.

Nesse contexto, hoje, 28 de abril de 2023, realçamos no nosso projeto esportivo/histórico/cultural, que atende por “Corrida Com História”, os 76 anos do pouso, em nossas terras, da primeira aeronave da FAB – Força Aérea Brasileira – “Mula Branca”. 

Recepcionada por autoridades locais e pessoas envolvidas na condução do Aeroclube da Vitória, os militares aqui chegaram para promover uma espécie de vistoria na pista. Durante um recorte de tempo, o Aeroclube da Vitória tornou-se um ponto de convergência de representação política e empresarial da Vitória de Santo Antão.

Veja o vídeo aqui: https://youtube.com/shorts/ciGzlNOuE1Y?feature=share