ACADEMIA OU ÂNSIA DE IMORTALIDADE? Escreveu: Ronaldo Sotero

 


As origens das academias remontam ao jardim de Academus, onde Platão dava aulas, na Antiguidade. Séculos se passaram até o surgimento da primeira academia na França, em 1634 , pelo cardeal Richelieu e oficializada por Luís 13. No Brasil, a Academia Brasileira de Letras foi fundada em 1896, no Rio de Janeiro, formada por 40 membros, com o objetivo de se dedicar “a cultura da língua é da literatura nacional “. Segundo Millôr Fernandes, a “Academia Brasileira de Letras se compõe de 39 membros e um morto rotativo “.

Em ” O que é literatura?”, Raul Castagnino destaca entre cinco funções da Literatura uma das mais importantes, “a ânsia de imortalidade”, desejo da maioria acadêmica.
Ignorando esses devaneios, cinco nomes de invulgar talento nas letras, recusaram a “IMORTALIDADE “, em não aceitarem fazer parte dos quadros da Academia Brasileira de Letras: Carlos Drummond de Andrade, Clarice Lispector, Graciliano Ramos, Mário Quintana e Paulo Leminski. Cada um desses consagrados autores estão acima de várias academias reunidas.

Ronaldo Sotero 

Esta entrada foi publicada em A Lupa. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *