A “NOVA” FESTA DE SANTO ANTÃO por Pedro Ferrer

Como presidente do Instituto Histórico e Geográfico, relicário da nossa cultura, da nossa história e das nossas tradições, não poderia deixar de tecer algumas considerações sobre a festa do nosso PADROEIRO.

Ressurgiu. Ressurgiu magnificamente. Há tempo desejava vê-la revigorada, sem ataduras, sem correntes, sem limitações. Incomensurável minha alegria em vê-la ataviada, de roupa nova, toda faceira. A presença dos antonenses no pátio da Matriz, crescia à medida que o dia 17 se aproximava. Foi deveras gratificante observar crianças, adolescentes e idosos indiscriminadamente se envolverem nas cerimônias religiosas e apresentações profanas. Quanto a estas os dias de melhor pique e sobretudo de melhor qualidade artística, sem considerar o dia 17, foram os dias 12 e 13. Dia 12 tivemos padre Rubens, atual pároco de São João dos Pombos que embalou os antonenses com suas meigas canções e suas singelas cirandas.  O dia 13 contou com a presença de outro sacerdote, padre Damião Silva, pároco da igreja de Santo Amaro, Jaboatão. Padre Damião interpretou belas canções religiosas e foi acompanhado delirantemente pelos presentes.

Quem ou o que impulsionou os fiéis à praça, se a divulgação se restringiu, como nos anos anteriores, aos avisos lidos nas missas? Arrisco-me no meu prognóstico a afirmar e relembrar aos incautos, que Vitória de Santo Antão continua, apesar da proximidade da capital, dos modismos da internet, uma cidade interiorana; graças a Deus. E como cidade matuta sua população conserva o apego e a atração as suas tradições: festa do Padroeiro. Toda festa de Padroeiro que se preza tem pátio e procissão. Os brinquedos, modernos, coloridos e iluminados deram um tom “holiudiano” ao pátio da Matriz e foi forte chamariz. Completando minhas modestas considerações, não podemos esquecer a expectativa da população em vista da nova administração municipal. Será que o povo não foi à praça para sentir a nova administração? Se assim foi, com certeza, não se decepcionou, pois, a festa, da igreja ao pátio, foi perfeita. Simplesmente espetacular. Alegrei-me imensamente com o ressurgimento das nossas tradições e da nossa cultura. Continuamos a torcer para que o desempenho demonstrado pelos gestores, na festa do Padroeiro, estenda-se pelo carnaval e pelo São João. Deixem o povo livre, ele sabe brincar e respeitar. Basta um simples controle. Não custa lembrar que o POVO é o principal protagonista dos eventos. VIVA SANTO ANTÃO.

PEDRO FERRER 
PRESIDENTE DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO. 

Esta entrada foi publicada em Editorial, Vitória Ontem e Hoje. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

6 respostas a A “NOVA” FESTA DE SANTO ANTÃO por Pedro Ferrer

  1. Pingback: Internauta Manoel Carlos comenta no Blog | Blog do Pilako

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *