Aglailson, Elias e Henrique num mesmo palanque, já pensou?

Para os atores políticos, o tempo urge! Os prazos do calendário eleitoral caminham a passos largos, nele, não existe sábado, domingo e feriado. Até o dia da convenção partidária a “peça teatral” do lançamento dos candidatos deverá está devidamente ensaiada e combinada para, logo em seguida, ocorrer os respectivos registros de candidaturas.

Em Pernambuco o quadro ainda é nebuloso! O governador Paulo Câmara se “mexe” para puxar o tapete da pré-candidata ao governo, Marília Arraes. Como uma espécie de “judas” o senador Humberto Costa trabalha contra o crescimento do seu próprio partido (PT). Aos olhos dos mais atentos, não obstante ser um ator importante no cenário nacional, o mesmo (Humberto), nesse pleito,  corre o risco de ficar pendurado no pincel. Aliás, não faz tanto tempo assim, os petistas “largavam o pau” nos socialistas estaduais………Coisas do passado…….Na política, dizem os mais experientes, “o feio é perder”.

Assim como sempre acontece na nossa polis, na terra do Mestre Vitalino, os políticos,  não menos experientes e até então ferrenhos adversários no plano local, em função da conjuntura, já estão trocando elogios e posando para fotos, com sorrisos na face. Lá, eles deverão se juntar,  por conta de um inimigo comum.

Na nossa terra, Vitória de Santo Antão, mudar de lado é a regra, não a exceção. No plano estadual, as forças mais expressivas daqui, já estão “comendo no mesmo cocho”. Dividir-se no plano local é sempre a melhor estratégia. Para os Vereadores não existe  vergonha alguma. Normalmente eles acompanham quem estiver com a chave do cofre da prefeitura na mão, não se importando com a cor partidária ou mesmo o palanque pelo qual se elegeu.

Já os caciques –  Aglailson, Elias e Henrique – jogam o jogo do poder e reproduzem, para os eleitores,  o discurso mais conveniente para a ocasião. Vejamos:

Pelo fato do seu primo, o então gestor José Aglailson (2001 – 2008), não haver lhe hipotecado apoia para prefeito, em 2008, o deputado Henrique Queiroz fez do seu filho vice na chapa oposta, encabeçada por Elias Lira. Em 2010, o então prefeito, Elias Lira, “apoiou” para deputado o candidato verde. Henrique, não custa lembrar, em 2010,  rivalizou,  no plano local,  com  o seu primo, Aglailson Junior.

Concluída a reeleição de Elias e Henrique Filho, em 2012, o prefeito (Elias) cuidou de expurgar da sua administração os verdes, ficando livre para lançar, em 2014, o seu filho, Joaquim Lira,  a deputado estadual. Na ocasião, o deputado Henrique Queiroz, bradou o discurso da traição.

Em 2016, numa parceria velada, a conveniência apontou para o retorno do deputado Henrique Queiroz ao ninho  dos primos, antes, brigados por conta da emblemática  “vias de fato”, lá na “Estrada Nova”, em 2008. Com a operação concluído –  com sucesso –  o deputado embarcou, novamente,  de “mala e cuia”,  no governo dos primos.  Logo na posse  do prefeito Aglailson Junior, ocorrida em primeiro de janeiro de 2017, o mesmo,  já  apontou em que direção a “maquina” iria “moer”, visando 2018.

Não se espantem!! Os políticos profissionais não tem partido nem coração, muito menos sentimento e emoção. Não se espantem, também, se por ventura,  algum dia,  aparecer um candidato a prefeito para nossa cidade, fora dessa “trinca”,  com condições reais de vencer o pleito,  terá como adversário, provavelmente,  a união inusitada das três maiores forças políticas locais, ou seja: Aglailson, Elias e Henrique subiriam num mesmo palanque para defender o mesmo candidato. Essa é a regra no mundo próprio da política…..

Esta entrada foi publicada em A Lupa, Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *