130 anos da abolição: o que fizemos e o que faremos?

Em meio a um turbilhão de problemas,  o Brasil vivenciou, ontem, 13 de maio de 2018,  a passagem dos 130 do fim da escravidão. Fomos um dos últimos países do mundo a fazê-la. Fomos também a circunscrição territorial que mais recebeu nativos, oriundos  do continente africano,  para o chamado trabalho forçado. Se prestarmos bem atenção, todos nós,  somos, em grande ou pequena medida,  filhos da África.

Colocar luz nesse tema é percorrer por muitos espaços ainda não desvendados. À destruição de boa parte dos arquivos da escravidão, ocorrida no inicio da última década do século XIX,  nos deixou órfãos de fontes robustas, mas, nas últimas décadas, importantes estudos e novas leis tem incentivado pesquisas e olhares múltiplos sobre o tema aludido.

Não podemos nos referir ao ocorrido – escravidão na Brasil – com os conceitos sociais da atualidade, dessa forma, contudo,  estaríamos incorrendo no chamado anacronismo histórico. Se hoje temos leis e uma boa dose de bom senso coletivo, aquilo que chamamos de “politicamente correto”, antes, porém, a escravidão era algo institucionalizado. Nesse contexto, toda via, podemos afirmar, categoricamente, que toda sociedade brasileira é filha do preconceito racial. Políticas afirmativas são necessárias, mas sem radicalismo e  longe do sentimento de vingança.

A história tem nos mostrado, sobretudo aos mais atentos, que a divisão de raças, o ufanismo desmedido e o nacionalismo doentio não são bons conselheiros. Portanto, nesse momento de reflexão e amadurecimento sobre essa página da história brasileira,  o que mais me preocupa, na qualidade de historiador, não é com o tempo que nos separa do fim da escravidão ou mesmo quantas décadas ou séculos nos faltam para superar esse fantasma, é,  sim, o que fizemos e o que faremos, doravante, para romper com os velhos conceitos e promover o equilíbrio educacional e social,  pois, a meu juízo, essa, definitivamente,  seria a rota mais acertada  a ser  seguida, isto é:  o caminho sem volta!!

Esta entrada foi publicada em A Lupa, Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *