A literatura de 1500 – Por Wedson Garcia.

No auge do período colonial, as manifestações literárias brasileiras ainda não tinham uma identidade totalmente definida, a qual foi sendo formada sob a influência da literatura portuguesa e europeia em geral. Logo, não havia produção de conteúdo ligada diretamente aos nativos brasileiros, mas obras que davam significação aos europeus e seus feitos. No entanto, com o passar dos anos, as literaturas informativas e dos jesuítas, foram dando lugar a denotações da visão dos artistas brasileiros.

O primeiro documento literário é a conhecida carta de Pero Vaz de Caminha escrita em linguagem fluente e poética que valoriza as conquistas e aventuras marítimas (literatura informativa) e a expansão do cristianismo (literatura jesuíta). Da autoria dos portugueses, uma série de outras obras segue-se à carta de Caminha. Entre elas, podem-se destacar o “Diário da navegação da armada que foi à terra do Brasil”, de Pero Lopes de Sousa, que narra minuciosamente a expedição de Martim Afonso de Sousa, em 1532, ou o “Tratado descritivo do Brasil em 1587”, do senhor de engenho Gabriel Soares de Sousa, que procura traçar um amplo panorama da Colônia, em seus aspectos históricos, geográficos e econômicos. Esse conjunto de textos produzidos no Brasil ou apresentando a colônia como tema, permitiu o conhecimento de diversos fatos históricos da época.

Jesuítas

A literatura dos jesuítas tinha como objetivo a catequese. Este trabalho norteou as produções literárias na poesia de devoção e no teatro inspirado nas passagens bíblicas. José de Anchieta é o principal autor jesuíta da época do Quinhentismo, viveu entre os índios, pelos quais era chamado de piahy, que significa “supremo pajé branco”. Foi o autor da primeira gramática do tupi-guarani e também de várias poesias de devoção. Escreveu numerosos autos teatrais com finalidade de catequese, e uma grande quantidade de poemas em português, espanhol, tupi e latim, cujos méritos artísticos são reconhecidos pela crítica literária. Além disso, publicou um estudo linguístico intitulado “Arte da Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil” (1595).

Quinhentismo (Século XVI)

Esta Expressão é a denominação de todas as manifestações literárias ocorridas no Brasil durante o século XVI, correspondendo à introdução da cultura europeia em terras brasileiras. Não se pode falar em uma literatura “do” Brasil, como característica do país naquele período, mas sim em literatura “no Brasil”, uma literatura ligada ao Brasil, mas que denota as ambições e as intenções do homem europeu.

Wedson Garcia é ator e diretor de teatro com bacharel em Administração Pela Faculdade Metropolitana do Recife. Estudante do curso de licenciatura plena em história da Universidade Estácio.  Contribui para o desenvolvimento teatral da cidade de Vitória de Santo Antão, estando a frente do Núcleo de Pesquisa Cênica de Pernambuco. Contato: wedsongarcia@hotmail.com

Esta entrada foi publicada em Editorial. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *