“Dias Cardoso, nós estamos aqui”. Disse Célio Meira, ao final do seu discurso…..

Em ocasião recente, contou-me a professora Adeilda Dias uma história interessante, sobre a leitura do feriado municipal do dia 3 de agosto, sob a analise do seu neto (7 anos), quando o mesmo foi questionado o motivo do feriado municipal. De maneira resumida disse ele: “foi uma briga com galera da Holanda. Teve vida, teve morte e a gente ganhou”.

Pois bem, sem tanta simplicidade, na noite do dia dois de agosto, o professor George Cabral, presidente do Instituto Arqueológico Pernambucano, proferiu palestra na solenidade promovida pelo nosso Instituto Histórico. No bojo das suas explanações realçou a figura do Sargento-mor Dias Cardoso, no contexto da chamada Restauração Pernambucana. Mais adiante, no mesmo evento, na intervenção oral o professor Pedro Ferrer, o mesmo reforçou a imprescindível participação do experiente guerrilheiro – Dias Cardoso – na épica Batalha das Tabocas, cravando que o valente herói vem sendo  injustiçado pela macro-história.

Confirmando o sentimento do professor Pedro, recortamos um trecho da publicação do Diário de Pernambuco, ocorrida no último final de semana, na coluna “Diário na História”.

Naquela ocasião, há 75 anos, autoridades civis, militares e eclesiásticas renderam merecidas homenagens aos heróis, Vital de Negreiro e Fernandes Vieira, “esquecendo” do Sargento-mor Duas Cardoso. Ressaltemos, porém, que na nossa cidade, Vitória de Santo Antão, seu nome está grafado em rua, colégio e até um busto, erigido na Praça da Restauração.

 A título de curiosidade, porém, o mesmo (busto) foi inaugurado por ocasião tricentenário da Restauração Pernambucana, ocorrido em 24 de janeiro de 1954. Na placa comemorativa, entre outras coisas, tem grafado: “Sargento-Mor Dias Cardoso, o construtor da Vitória nas Tabocas”.

Convidado pelo prefeito da época, Manoel de Holanda, o orador oficial desse marcante evento comemorativo/inaugural, foi o meu avô, Célio Meira (foto). Suas palavras escritas,  “ipsis litteris, fazem parte do meu arquivo.  “Dias Cardoso, nós estamos aqui”. Disse ele, ao final do seu discurso……

Esta entrada foi publicada em A Lupa, Editorial. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *