Primeira Feira de Agosto: por força da tradição, ainda continua viva!!

No sábado (05) aconteceu, no Parque Joaquim Rodrigues de Lira, mais uma edição da afamada Primeira Feira de Agosto. Esse evento, aos olhos dos que conhecem um pouco da história da nossa cidade, Vitória de Santo Antão, configura-se num dos maiores Patrimônios Imaterial da Terra de Diogo de Braga.

Ainda na qualidade de Vila de Santo Antão, início do século XIX, os primeiros sábados de agosto e setembro se tornaram, do ponto de vista comercial da região, a data mais importante para os chamados apontamentos dos engenhos. Aqui, convergia toda elite açucareira e agropastoril para negociar de tudo, inclusive escravos.

Com o passar dos tempos, por motivos diversos, deu-se, de maneira gradual, a desidratação da monocultura canavieira. Porém, contudo, o tradicional encontro foi mantido. Mais adiante, no entanto, o “carro chefe” da feira virou o cavalo de cela.

Ao encontrar o amigo e secretário municipal da pasta da agricultura e atual coordenador do aludido evento,  não  pude deixar de transmitir meu descontentamento com relação à descaracterização das raízes do evento, ao passo que, entre outras coisas,  a própria prefeitura, de maneira equivocada, divulga o evento chamando-o de “tradicional feira de animais”,  ao invés do nome que lhe deu fama: PRIMEIRA FEIRA DE AGOSTO.

O evento deste ano praticamente se manteve no modelo que vinha sendo desenvolvido pela gestão anterior, ou seja: “se arrastando!”. De sorte que o clima, nos últimos dias deu uma estiada e melhorou o “astral” do encontro.

Aliás, não custa nada dizer: Este evento, se bem planejado e trabalhado, não custaria nenhum centavo aos cofres públicos. Muito pelo contrário: daria visibilidade aos gestores, dentro e fora da cidade, preservava-se o patrimônio, incrementava os negócios do campo e ainda seria um forte fio condutor para a chamada economia criativa, proporcionado a verdadeira distribuição de renda, através do comércio ambulante.

Mas, alheio a tudo isso e por força da tradição, os criadores da região marcaram presença. Alguns para negociar seus animais e outros para comprar. Já outros tantos, em grupos,  para bebericar e se divertir ao som da sanfona, do zabumba e do triângulo. Veja o vídeo:

Esperamos, porém, que nos próximos anos, ainda sob a coordenação dessa gestão, novas rotas sejam traçadas, com planejamento e interesse, para dá força a esse evento tradicional da nossa cidade que, no passado, tanto promoveu nosso torrão e que, de certa forma, ajudou a nos transforma na Capital da Zona da Mata.

Esta entrada foi publicada em A Lupa, Editorial. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a Primeira Feira de Agosto: por força da tradição, ainda continua viva!!

  1. JORDANIA disse:

    As ONGS defensoras dos animais devem verificar se estas tintas aplicadas nos cavalos e outros não são tóxicas para os animalescos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *