Cônego Pedro de Souza Leão

padre

Nascido em Ipojuca, no Distrito de Nossa Senhora do Ó, no dia 8 de janeiro de 1917, era filho de Pedro de Souza Leão e de Minervina de Souza Leão. Aos 19 anos sentiu o chamado de Deus e ingressou no Seminário de Olinda. Completada sua formação eclesiástica foi ordenado, no dia de Todos os Santos de 1947, por sua Reverendíssima, o Arcebispo de Olinda-Recife, dom Miguel de Lima Valverde. Sua primeira celebração eucarística teve lugar na sua terra natal, no Distrito de Nossa Senhora do Ó, no dia 8 de dezembro, dia de Nossa Senhora da Conceição. Mal raiou o ano novo, no dia 5 de janeiro, foi empossado vigário cooperador da Vitória de Santo Antão e capelão do Colégio Nossa Senhora da Graça.

Em 1949 foi transferido para Glória do Goitá assumindo a direção da Paróquia de Nossa Senhora da Glória, onde exerceu seu apostolado com amor e dedicação até julho de 1959. Nos dez anos à frente da paróquia realizou importantes obras tais como: construção da nova igreja matriz, da escola Paroquial de Menores e do ginásio Dom Miguel de Lima Valverde. A edificação deste educandário foi um marco na educação do município, visto ser o primeiro educandário de primeiro grau. Tão frutífera administração fez o povo da Glória do Goitá elegê-lo prefeito. Exerceu seu mandato, 1958/1962, com dedicação e seriedade, pautado em princípios éticos e morais. Em janeiro de 1962 voltou à Vitória de Santo Antão, assumindo mais uma vez, a capela do Colégio N. S. da Graça. Em agosto, do mesmo ano, foi convocado por Dom Carlos Coelho, Arcebispo de Olinda e Recife, para dirigir a construção do Seminário Regional do Nordeste, localizado em Camaragibe. Sua permanência à frente da construção do Seminário foi curta.

Um homem com sua competência administrativa e sua capacidade de trabalho, não podia ficar ocioso. Em 1965, o governador do estado, dr. Paulo Pessoa Guerra o nomeou diretor do Instituto Profissional de Pacas. Foram sete anos de excelente administração. Os que conheceram de perto e vivenciaram o dia a dia do Instituto de Pacas, são unânimes em afirmarem que foi a melhor de todas as administrações passada naquela casa. O Instituto sofreu uma grande metamorfose: de casa de correção, transformou-se em centro de educação.

Em 1972 foi convidado pelo prefeito José Augusto Ferrer de Morais, para assumir a Secretaria de Administração, vacante, pela renúncia do jornalista João de Albuquerque Álvares.

Após longos anos, longe da vida paroquial, não da vida pastoral, pois continuou exercendo seu apostolado continuamente, o Cônego Pedro Souza Leão, assumiu a paróquia de Cavaleiro, no município do Jaboatão dos Guararapes. Paróquia grande, ocupada por uma população carente de bens materiais e espirituais. O Cônego tinha à sua frente mais um desafio. Foram quase vinte anos de apostolado e de fidelidade ao Cristo e à Igreja. Nos últimos anos de vida, cansado e com a saúde precária, ficou preso a uma cadeira de rodas. Sem perder o ânimo continuou sua missão evangélica até ao final. No dia 20 de maio de 1991 foi acolhido por Jesus Cristo na casa do Pai.

Suas exéquias, presididas por dom José Cardoso, teve lugar na matriz de Cavaleiro, por ele construída. O sepultamento foi em sua terra natal.

Recentemente, em 2013, seus restos mortais foram transladados para a Matriz de Nossa Senhora da Glória, na cidade de Glória do Goitá.

Pedro Ferrer

Esta entrada foi publicada em Editorial, Vitória Ontem e Hoje. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

9 respostas a Cônego Pedro de Souza Leão

  1. Manoel carlos disse:

    estudou num tempo onde ainda havia seminários católicos

  2. pedro ferrer disse:

    Manoel Carlos
    O melhor seminário é o mundo, a vida. Os estudos são importantes, todavia a vivencia diária com o mundo e a sociedade amadurece e forja o sacerdote de Cristo.

  3. Paulo Wilson de Sá Barreto disse:

    Ao saudoso Padre Pedro de Souza Leão Filho, eu, Paulo Wilson de Sá Barreto, devo tudo que vim a ser na vida! Ele deu-me saber, conhecimento e todas as condições de que eu carecia para tornar-me um homem de bem e de caráter! Tendo sido um dos menores internos que o teve como diretor do Instituto Profissional de Pacas, a ele devo a possibilidade de ter sido concomitantemente aluno do Colégio São Bento e de ter chegado à Universidade!

    Obrigado por tudo, Padre Pedro, aliás, Cônego Pedro de Souza Leão Filho! O senhor foi mais que a Luz de minha vida, foi-me, também, um verdadeiro pai, ainda que nenhum parentesco tivesse comigo! Minha gratidão por tudo que o Padre Pedro fez por mim será eterna!

    Infelizmente o desejo de retornar ao convívio com os meus, fez com que eu tivesse que deixar a sua companhia, em fins de 1974. Para meu arrependimento pessoal, entretanto, a convivência que busquei reencontrar com os meus (e que eu houvera perdido por tanto tempo), por mais que eu tentasse, para minha tristeza, decepção e desilusão pessoal, não foi restabelecida! Eu é que acabei perdendo o contato com pai real que eu tinha no Padre Pedro ao troca-lo pelos meus pai e mãe, que sempre foram tão ausentes de minha vida!

    • Maria do Carmo de Andrade Lima disse:

      Paulo Wilson, gostariamos de lhe encontrar.Lembras quando Hilda te levava lá pra casa em terra preta?

    • Marijara disse:

      Sr. Paulo Wilson, sou neta de João de Barros (ex-funcionário do IPP em Pacas), creio que você deva se lembrar dele, pois meu pai sempre fala que ele era muito querido e tinha grande estima por você e pelo Padre Pedro.
      Meu pai está com 73 anos, quem sabe um dia meu pai possa lhe encontrar e relembrar os velhos e inesquecíveis tempos vividos por pessoas amáveis daquela época.
      Um grande abraço!!!

    • marijara disse:

      Prezado Sr. Paulo Wilson, sou neta de João de Barros (ex-funcionário do IPP em Pacas), creio que vc deva se lembrar dele, pois meu pai sempre fala que ele era muito querido e tinha grande estima por vc e pelo Padre Pedro.
      Meu pai está com 73 anos, quem sabe um dia meu pai possa lhe encontrar e relembrar os velhos e inesquecíveis tempos vividos por pessoas amáveis daquela época.
      Um grande abraço!!!

      • Paulo Wilson de Sá Barreto disse:

        Prezada Marijara, seu avô, o mestre João de Barros, foi, juntamente com o Padre Pedro, os avatares maiores de minha vida! Do mestre João de Barros, além do conhecimento e tudo que me ensinou, guardo com muito carinho em minha lembrança todos os momentos que ele me possibilitou juntamente com sua família. Sua esposa Angelina foi mais que uma mãe para mim! Seu pai, o Bira, e seus irmãos Carminha e Fernando me acolheram como se eu fosse parte deles! Visite os meus perfis Paulo Barreto no Face e no Google+… O mestre João de Barros é seguramente o nome que me remete ao período mais feliz de minha vida! Que Deus o tenha! Uma dia haveremos de nos encontrar, com certeza! Receba o meu abraço, cara Mari!

  4. Pingback: Internauta Paulo Wilson comenta no blog | Blog do Pilako

  5. jose edelson dantas disse:

    fui aluno do mesmo anos atras e cheguei a tocar na banda de musica onde o maestro era um tenente eu tocava clarinete e meu mano bombardino e nego Regis gomes pistom. quando tinha missa no patio havia uma jovem chamada Lucia e eu admirava seu comportamento.sai de la fui pra escola de Marinha em Olinda onde o maestro era um fuzileiro naval chamado Sargento Miguel.tenho saudades sim do tempo interno de alguns momentos e se desejarem compartilhar seja quem for sera bem vindo.segue abaixo o meu numero e meu E-MAIL.grato de coraçao amigos.9/87088447 Zap.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *