Levantando Poeira

Não é de hoje que estamos denunciando a falta de critérios técnicos por parte da Prefeitura nas realizações dos serviços na cidade. Buracos tapados com barro, faixas de pedestres pintadas com tintas inadequadas, sem falar, da maneira aleatória como a Diretoria de Trânsito “espalha” sinalização na cidade.

Recentemente mais uma GAMBIARRA foi realizada na Avenida Henrique de Holanda, para tapar os buracos, no cruzamento da mesma com a rua que dá acesso ao movimentado bairro do Alto José Leal, onde o pessoal da Prefeitura, jogou de maneira irresponsável, um pó de pedra, que por ocasião do movimento dos carros,  vem levantando  uma poeira infernal, como também, segundo motoristas que passam constantemente no local, quando os carros grandes, como ônibus e caminhões, passam as pedras que ficaram soltas são arremessadas nos carros e motos que trafegam no sentido contrário, atingindo também, as pessoas que caminham pelo acostamento da via.

Até parece que nossa cidade tem receita similar aos municípios localizados lá “na baixa da égua” onde o dinheiro, muito mal, dá para pagar as professoras efetivas. Fica, cada dia mais evidente, que os problemas administrativos em nossa cidade são muito mais de ordem moral do que financeira, pois, faz tempo que nossos políticos perderam completamente a vergonha na cara e a sociedade vem de forma gradativa perdendo o “direito” que lhe é constitucionalmente conferido, porque volta e meia estão se beneficiando dos “favores  dos poderosos  de plantão”, que convenhamos, são ofertados de maneira nada republicana.

Esta entrada foi publicada em A Lupa, Editorial, Gambiarra. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

5 respostas a Levantando Poeira

  1. Marcela Leal disse:

    Realmente, as coisas em Vitória são feitas de gambiarras e uma atrás da outra. Se é na subida do Alto José leal eles colocam brita corrida para “amenizar” a situação, perderam tempo deles, pois a poeira é fato. Estão todos maravilhados com a NOVA PRAÇA da matriz, mas o povo precisa de muito mais coisas, como por exemplo pavimentar as ruas. Moro no bairro do cajá, próximo a vaquejada, e a rua que moro é um caos total, pois além de não ser calçada, no inverno não dá para transitar por aqui, pois a lama toma conta de tudo e os carros não conseguem subir a ladeira. Sem falar que os moradores fazem o que quer. construções irregulares é um problema aqui, algumas pessoas insistem em construir além do limite da rua, como aqui não é calçado e nem tem fiscalização por parte da prefeitura, o povo toma conta das calçadas e ruas em favor próprio. Dá uma passadinha aqui Pilako, pois a Rua: Professora Maria do Carmo Lopes tem muitos panos pras mangas e dá uma matéria ótima para o seu blog. Aguardo sua visita!!! Um Abraço!!!

    • J.S. Machado disse:

      Márcia, este seu relato é a verdadeira e cruel face de nossa cidade. Querem que achemos que Vitória é a praça da Matriz, mas aquilo é só a fachada. A realidade nua e crua é esta do seu bairro e de outros piores ainda, e que os políticos daqui só se lembram na hora de pedir votos, mas os mesmos que sofrem acabam reconduzindo ao poder os mesmos incompetentes e desonestos que deixaram e deixam a cidade na situação de calamidade em que se encontra. Resumindo…temos duas Vi tórias dentro de um mesmo território.

    • J.S. Machado disse:

      Marcela, me perdoe por ter errado o seu nome no meu comentário.

  2. marcio disse:

    então era melhor os buracos !!
    voces não sabem o que querem se consentar ele ruim
    se não consentar também é ruim

    • J.S. Machado disse:

      Quando o “adiverçaro” de Elialira era prefeito e fazia esse tipo de coisa, vocês que babam Elialira criticavam juntos com ele. Agora ele faz a mesma coisa e você vem defender? O que nós cidadãos queremos é o serviço seja bem feito, e não gambiarras ( como esta da matéria), meia-solas e serviços deixados sem conclusão, como no caso da recuperação das vias asfaltadas. Chega de desperdiçar o dinheiro do povo. Economize o dinheiro dos foguetórios e use-o em benefício da população.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *