REPORTAGEM SEM FIM – por Ronaldo SOTERO.

Para o jornalista Élio Gaspari , a morte do ex- presidente dos EUA, John Kennedy, aos 46 anos, em 22.11.1963, é “uma reportagem sem fim”, tamanho o interesse que essa tragédia representou para o mundo, ao ponto de mais de mil livros, número extenso de artigos, revistas, filmes terem sido produzidos, passados 57 anos do caso.

Na verdade, poucos saberão as causas desse atentado, ocorrido em uma sexta-feira, às 12h30, na Rua Elm, Dallas, Texas, quando o presidente participava de campanha visando recolher fundos à reeleição à Casa Branca, pelo Partido Democrata. A primeira dama Jacqueline Kennedy, ainda na chegada  no avião Air Force One,  perguntou ao marido, diante da recepção calorosa  das pessoas: ” Você ainda diz que Dallas não lhe é simpática ?” Kennedy não obtivera na campanha anterior boa votação ali. Não mostrava simpatia por Dallas.

Meia hora depois, morreria no Parkland Memorial Hospital atingido no deslocamento em carro aberto pelas balas do ex-fuzileiro naval Lee Oswald, preso e assassinado logo depois. Conspiração , complô,nada foi provado até hoje. O imaginário popular é alimentado a cada novo livro ou filme.

Silenciava o ícone da política da década de 60, herói da 2a Guerra Mundial, condecorado por bravura com a Purple Heart, quando serviu no barco ‘patrulha PT-109, atingido por um destróier japonês. Nadou várias milhas até chegar a  uma ilha trazendo um colega amarrado a uma corda puxada aos dentes.

Dos 1.036 dias que passou no poder enfrentou momentos de tensão e fatos decisivos a história da humanidade. A  crise dos mísseis apontados de Cuba para os EUA, pelos russos e próximo a guerra de extinção, em 27.10.1962, caso o premiê Kruschev não recuasse. Em seu governo, o 35o. presidente, o mais jovem a chegar a Casa Branca (34 anos) e primeiro católico, o segundo será o eleito Joe Biden, graduado em 1940, em  Harvard, ex-senador, o mundo assistiu a construção do Muro de Berlim, início da Corrida Espacial, consolidação do movimento dos Direitos Civis e os passos iniciais da Guerra do Vietnã .

Nascido em 1917, Brookline, Massachusetts, tomou posse em 20.1.1961.

A figura lendária de “Camelot”, reino do mítico rei Arthur, motivou a frase de Jackeline Kennedy sobre o marido na presidência: haverá grandes presidentes novamente , mas nunca haverá outro Camelot.

Pai do presidente, o senador Joseph Kennedy, em 1936 disse: “Não tenho ambições políticas para mim ou os meus filhos”. Além de John Kennedy, seus outros dois filhos, Robert Kenedy (também assassinado em 1968), e Edward Kennedy, se tornariam senadores .

Se a previsão do genitor do presidente tivesse acontecido, seguramente, a história política americana poderia ter seguido outro curso.

Ronaldo SOTERO

Esta entrada foi publicada em A Lupa. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *