Vitória na pandemia: é vida que segue….

Próximo de completar cinco meses vivendo sob o fantasma  da pandemia do coronavírus, parece-nos que  a maioria da população da nossa aldeia – Vitória de Santo Antão – já se refez do impacto do susto. Outrora na vitrine do noticiário estadual pelo baixo índice de isolamento social e alto grau de contágio e óbitos, tais quais as cidades da Região Metropolitana, a chamada “curva epidêmica”,  por aqui, atualmente,  segue estabilizada com tendência de queda. Engano imaginar, por assim dizer, que já podemos fazer tudo que fazíamos antes.

Não fosse o uso obrigatório das máscaras para clientes e funcionários, assim como à limpeza das mãos com álcool na porta dos estabelecimentos comerciais,  o vai e vem intenso das pessoas pelas ruas centrais já nos provocaria um certo “ar” de normalidade. Nos bancos os protocolos estão mais rígidos. Todos esperam por atendimento fora das agências entrando, quando chamado, em grupos para os mais diversos serviços. Já os procedimentos naquilo que chamamos de “comércio de bairro”, infelizmente, na maioria dos casos,  as coisas seguem  bem diferente no que se refere aos cuidados exigidos pelas autoridades sanitárias.

Assim como em todo estado e praticamente no país inteiro seguimos também no compasso de espera à volta das aulas presenciais, convenhamos, um grande teste para sabermos se estamos preparados para convier com o vírus,  até que uma vacina eficaz possa ser amplamente aplicada.

Outra expectativa – essa  mais restrita ao políticos de maneira geral – diz respeito ao modelo de campanha eleitoral que será efetivada por aqui,  visando o pleito municipal que se avizinha. Já virou tradição na nossa cidade, há décadas,  campanhas políticas com grandes aglomerações e praticamente tudo que hoje não é permitido, em função da pandemia do coronavírus.

Portanto –  em compasso de espera e motivados pela esperança -,  assim como a população planetária, estamos todos – antonenses – nos moldando ao contexto atual. É vida que segue na busca – sempre –  por dia melhores.

Esta entrada foi publicada em A Lupa. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *