EDUCAÇÃO MUSICAL – Noções básicas de harmonização (PARTE 2).

Todo frevo está composto, pronto, e, as peças estão escritas nas regiões agudas, médias e graves, onde deve cada músico ter a humildade de saber e, conhecer seus próprios limites técnicos, físicos, práticos, para neste momento de dificuldade existente, possa realizar os Intervalos de terceira. Por exemplo: se tem uma nota (Bb) agudo e, estamos na terça-feira de carnaval a tarde embaixo de um sol, bastante quente, e, percebemos que não iremos conseguir soprar e executar este (Bb) agudo de forma limpa, audível, e, segura, realizamos a contagem matemática, apartir do (Bb) agudo, para (G), também agudo, onde se a armadura da peça deste frevo que está sendo executado, está armado com (3) bemóis, Bb/Eb/Ab, podemos também experimentarmos um (Eb), agudo, onde haverá um acorde, uma harmonização baseada no tom principal deste frevo executado. Estamos falando em um momento que, os lábios de cada componente da orquestra de frevo, já estão cansados por estarem no último dia de carnaval, e, sentindo o cansaço conseguido nos movimentos expressivos: afrouxa/aperta/aperta/afrouxa. Em outras palavras: grave/médio/agudo/agudo/médio/grave, então, cada componente dos trombones que estão fazendo as perguntas e, os trompetes também, inclusos nesta tarefa, enquanto as palhetas (Altos/Tenores), respondendo, e, as Tubas marcando, teremos uma qualidade sonora, harmônica, e, melódica, de alto nível. Quão agradável não será para a audição dos ouvintes e foliões? Se cada componente, colocar em prática esta tarefa, não gastará tanta energia, e a qualidade musical desta orquestra como ficaria? As pessoas da localidade, turistas e visitantes, qual imagem não ficaria guardadas em suas mentes, até o próximo carnaval?

Bosco do Carmo

Ex-aluno e trombonista da antiga Euterpe Musical 03 de Agosto da cidade da

Vitória de Santo Antão – PE, (1980; 1987- 1994) do maestro Aderaldo Avelino da Silva – in memoriam – , Ex-aluno do maestro Nunes – in memoriam – da cidade do Recife – PE. (1991-1996).

Esta entrada foi publicada em A Lupa. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *