Covid-19: e agora Jair?

O frisson causado pela possibilidade da demissão do atual ministro da saúde, Luis Henrique Mandetta, hoje, desde o inicio da tarde até o inicio da noite,  deu o tom da enrascada política que se meteu o presidente Jair Messias Bolsonaro. Antes,  porém,  se faz  necessário uma defesa contundente pró-Capitão.

Excluindo os eleitores patológicos – aqueles que acreditam que Lula é honesto e que Bolsonaro é um Mito – de maneira geral, Bolsonaro não enganou ninguém. Antes mesmo da campanha eleitoral de 2018 e no curso dela, através das muitas declarações descabidas, posicionamentos extravagantes e radicalização do discurso à extrema direita  poderíamos dizer que o mesmo demonstrou uma linha  coerente de pensamento.

Um conjunto de variáveis, por assim dizer, dentre as quais incluímos um atentado que por pouco não o despachou para a cidade de “pés-juntos” o fez vencer a disputa sem ao menos haver participado de uma roda de debate com os demais  postulantes.

De cima do seu palanque digital (internet) –  lastreado nos estudos da neurociência –  as novas ferramentas sociais tornaram-se uma espécie de estetoscópio gigante para que sua equipe pudesse ouvir as vozes dos eleitores com sede de mudança, nos quatro cantos do  Brasil.

Evidentemente que por trás de todas as suas palavras verborrágicas havia também um monitoramento minucioso e científico,  calibrado  pelas pesquisas de opinião pública. Objetivo alcançado, enfim, chegou a hora de governar. Aliás,  diz  uma corrente política que a verdadeira “lua de mel” dos vencedores está justamente no fugaz  intervalo de tempo entre a vitória e a posse.

Pois bem, sentado na cadeira mais importante do país o Capitão não conseguiu entender que para governar em céu de brigadeiro faz-se necessário “abandonar” o palanque. Mal acompanhado,  Bolsonaro conseguiu –  num só tempo –   ser situação e oposição,  nesses últimos dezesseis meses. Os efeitos positivos da sua administração não conseguiram  ecoar com mais fluidez  no seio da sociedade em virtude  do barulho desafinado das auto-crises que ocorreram, invariavelmente,   sempre num  volume superior.

No mega problema da vez, que se chama pandemia do coronavirus, por exemplo,  o Capitão, até agora, só  entrou em campo para dá “canelada”. Com a cabeça antenada em 2022, até aqui, não conseguiu administrar a boa desenvoltura do seu ministro da saúde no que refere à condução da crise.

Num estilo diferente de se comunicar, falando pausadamente e sem subterfúgios, aos poucos, Mandertta, até então um ilustre desconhecido, ganhou a confiança da população brasileira. Médico experiente e com passagem no parlamento, traquejado, o mesmo tornou-se uma espécie de “balsamo” do Covid-19 a brasileira.

Pois bem, dentro daquilo que os  ex-aliados  de Bolsonaro apontam como “gabinete do ódio”,  – uma espécie de usina conspiratória –   deve ter saído a ordem para expurgar da cadeira o  eloquente auxiliar que, como uma espiral,  ascendeu ao posto de figura nacionalmente popular. Inconformado, de uns dias pra cá, o presidente resolveu ir para o tudo ou nada!!

Desafiando as orientações públicas do ministro do seu próprio governo, resolveu circular pela região metropolitana de Brasília – ficou mal na fita.  Depois, além de ter postagens apagadas pelos administradores das redes sociais,  foi obrigado a pedir desculpa por compartilhar vídeo mentiroso. No último final de semana, Bolsonaro desconsiderou a “regra de ouro” da política e ameaçou publicamente demitir o atual desafeto – quem  assim o faz  é por que já não reúne as condições favoráveis para fazê-lo….

Resumo da ópera: hoje, segunda-feira, 06 de abril, o presidente Bolsonaro, que disse o que quis e o que não quis em sua campanha, mesmo  com a sua caneta (bic) cheia de tinta, foi obrigado a engrenar marcha à ré e engolir as vozes das redes sociais que disseram: #MANDETTA FICA!!!

AGUARDEMOS AS CENAS DOS PRÓXIMOS CAPÍTULOS……

Esta entrada foi publicada em A Lupa. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a Covid-19: e agora Jair?

  1. Rivaldo Felipe disse:

    Junta militar já comanda o país. Braga Neto é o chefe, e eles não aceitaram que bozo demitisse o mandetta.
    A CANETADA FALHOU!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *