Raciocínio Lógico: para que seja aberto espaço para os novatos na Câmara, vereador tem que “comer o cartão” do outro!!!

Em virtude das últimas mudanças nas regras eleitorais o pleito  que se avizinha (2020), indiscutivelmente,  ganha uma significativa pitada de imprevisibilidade – se não bastasse todas as outras –  no que se refere à disputa para ocupação dos assentos nas casas legislativas municipais – Câmara de Vereadores. Na nossa Casa – Diogo de Braga – a parada não será diferente.

Hoje, bem ou mal, a população antonense se faz representada na voz de dezenove parlamentares – todos ungidos pelas urnas. Para alguns deles, em função da expectativa dos sufrágios que sabem muito bem aonde e como irão buscar, a renovação do mandato, teoricamente,  se dará sem sobressaltos. Mas –  é bom que se diga –  existe outro conjunto  que está com os “cabelos em pé”.

Pois bem, nesse contexto, porém, existe um raciocino lógico: se os aspirantes ao parlamento,  ou seja, os candidatos que não detém mandatos,  se sujeitarem ingressar em partidos,  para concorrerem “lado a lado” com vereadores detentores de mandatos, com toda certeza, irão receber o diploma de suplente.

No mundo real dos políticos – aquele que a Justiça Eleitoral finge que não saber – os candidatos que concorrerem no mesmo partido com “vereador de mandato”, teoricamente, já estão recebendo “vantagens” antecipadas e, quase sempre,  promessas para os próximos quatro anos – quase sempre, nunca honradas.

Pensamento rápido: vereador tem que disputar no mesmo partido com outros vereadores,  para um “engolir o cartão” do outro e, só assim,  abrir vagas para os novatos. Esse é o jogo pragmático que deve ser jogado pelos “novatos”,  que sonham em poder dá nó da gravata  para ser chamados de “Vossa Excelência”.

Portanto, nessa nova eleição,  livre das chamadas “coligações proporcionais”,  para termos um maior percentual de renovação no parlamento local, algo salutar ao processo democrático, os vereadores da base do prefeito deverão  disputar todos pelo mesmo partido, aplicando-se, também,  o mesmo raciocínio para os da oposição. Ou seja: candidato que ficar em partido com “vereador de mandato” ou é otário ou está ganhando uma “vantagenzinha” antecipada…….Essa é a leitura, nua e crua!!!

Esta entrada foi publicada em A Lupa. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *