SAUDOSAS VENDAS E LOJAS VITORIENSES (1) – por Marcus Prado.

A VENDA DE SEU QUINCAS localizava-se no bairro do Livramento, a poucos metros da igreja padroeira do bairro. Foi uma venda germinadora de outras vendas da mesma família vitoriense. Eu era menino, levado por meu pai, Júlio Gomes do Prado, a essa venda, acompanhando-o nas compras semanais de alimentos. Meu pai comprava na “caderneta”, quando não à vista. O que era a “caderneta”: era um hábito nesse tempo comprar na “caderneta”, um crédito especial de confiança entre os fregueses habituais, para o pagamento no final do mês. A confiança naquele tempo era tamanha que a “caderneta” ficava sob os cuidados do comprador. Morávamos na Praça do Livramento, numa casa vizinha à de dona Lina e sua irmã Massú, perto da venda de seu Quincas, no antigo Pátio dos Currais, hoje Praça Padre Felix Barreto. Dona Lina foi a primeira mulher vitoriense nomeada para a Prefeitura. O ato saiu na gestão do interventor Municipal, professor José Aragão. Ela teve como padrinho, nessa nomeação, outro funcionário muito dedicado, da secretaria de Finança, o Sr. Anísio Costa, também nosso vizinho no Pátio dos Currais, como eram vizinhos nossos : Pedro Ramalho e Brasiliano de Queiroz Monteiro.

Marcus Prado – jornalista 

Esta entrada foi publicada em A Lupa. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *