RODOVIÁRIA E POESIA – por Sosígenes Bittencourt.

Rodoviária, para mim, é recanto poético.
Lugar de saudade em tom patético.

Uma menina pequena, um idoso,
Um saquinho de pipoca, um Mané Gostoso.

Um bêbado a chorar,
debruçado numa mesa de bar.

Uma esperança ao amanhecer,
Uma lembrança ao anoitecer.

Bate sempre uma saudade no ar.
Uma saudade da vida vivida que nunca mais será.

Sosígenes Bittencourt

Esta entrada foi publicada em Fala, Vitória!. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *