“Cristais Fissurados”: a loucura e a lucidez do mais eclético escritor da Vitória de Santo Antão!!

Após uma vida de observações e cinco anos de prazerosa dedicação, escrevendo o seu primeiro romance – Cristais Fissurados –,  o professor Pedro Ferrer, doravante, através do seu mais novo opúsculo pôde, finalmente,  “fuxicar” à comunidade literária antonense os seus mais secretos  pensamentos.

“Cristais Fissurados”, por assim dizer, é uma espécie de “autobiografia” não ratificada pelo autor. Pedro, bem ao seu estilo, “balança o coreto” dos mais variados fatos locais – religião, safadeza, política, história, cultura, educação e etc – se utilizado de personagens criados por ele, mas que tem o DNA de pessoas de verdade que coabitaram ou ainda se faz presente no seu “aquário”, que atende pelo nome de Vitória de Santo Antão.

Em noite concorrida o lançamento festivo da sua obra aconteceu na sexta (24) e teve como palco a “Casa do Imperador”. Entre tantos desafios e atrevimento, já protagonizados pelo autor, esse é mais um: lançar livro numa cidade do interior do Nordeste brasileiro que não tem uma livraria para expor e comercializar o seu “produto” e que simultaneamente amarga altíssimo índice  no chamado déficit de leitura.

Promover cultural na cidade da Vitória de Santo Antão no alvorecer do século XXI é  algo desafiador. Só para os “loucos” ou “amostrados”. Aliás, amostrados também foram os amigos, familiares e admiradores do professor que compareceram ao encontro de cunho eminentemente cultural para prestigia-lo – coisa de elite…… elite por fazer parte do grupo que gosta de ler.

Para quem tem um mínimo de interesse no entendimento  e conhecimento do  nosso torrão, recomendo “Cristais Fissurados”. Aperte o play e boa viagem ao mundo pretérito antonense ou mesmo para um lugar que só existiu na cabeça “desmiolada”  do filho de “Seu” Ferrer e “Dona” Áurea que quase foi padre, mas que preferiu seguir  entre minhocas da biologia para mais adiante eternizar-se na pena,  transformando-se  no mais eclético escritor da terra de Nestor de Holanda.

Parabéns Pedoca!! Pela obra que não tem data de validade!!!

Esta entrada foi publicada em A Lupa. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *