GRATIDÃO E REMORSO – por Sosígenes Bittencourt.

Muitas vezes, é preciso perder os pais, para refletir sobre sentimentos.

O sentimento predominante, na perda dos pais, não é de GRATIDÃO, e, sim, de REMORSO, não é a gratidão pelo que nos fizeram, mas o remorso pelo que deixamos de fazer.

Filhos devem frutificar sob a redoma protetora do amor, embora não sejam gerados para amar seus pais. O amor filial independe, pois há filhos desprezados e maltratados que nunca desrespeitaram seus pais. Agora, o luto é mediador na relação familiar, é mais eloquente do que as festas, porque desperta reflexões profundas, advindas de sentimentos profundos. Pode dobrar a cerviz do ingrato, despertar-lhe, tardiamente, a misericórdia. É preciso crer na advertência, em Êxodo 20:12, “Honra teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias, na terra, que o SENHOR, teu Deus, te dá.”

Sosígenes Bittencourt

Esta entrada foi publicada em Fala, Vitória!. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *