O que seria de mundo se todos pensassem do mesmo jeito?

No feriado municipal do dia 03 de agosto, como sempre, estive no nosso Monte das Tabocas. Por lá, sentimentos diversos. O sitio histórico, não obstante ser o pedaço de chão mais importante do nosso torrão, não provoca na nossa população – nem no nosso conjunto de governantes – maiores “frisson”.

Alheio a tudo e todos, ao que nos parece, encontrei, circulando por entre as pedras que foram lavadas pelo sangue dos nossos heróis, o sempre animado e brincalhão “doutor Zé Maria”. Ele, naturalmente, como muitos que para lá se dirigiram, estava apenas se divertindo.

O “doutor Zé Maria”, “queiram ou não queiram os juízes”, já está registrado na história da nossa cidade pelo seu estilo próprio e sua maneira de ser. O mundo em que vivemos é o mesmo, mas a maneira de interpretá-lo é de múltiplas escolhas…

Esta entrada foi publicada em Editorial. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *