4 vitorienses em Girona, Espanha.

Dias atrás recebi 3 vitorienses “raiz” aqui na Catalunha: Hitalo Nogueira, Roseane Lima e André Moura. Queriam conhecer Girona, cidade onde foram gravadas algumas cenas da série Game Of Thrones. O lugar, com 100 mil habitantes, é um mimo: pacato, bastante turístico, transporte público funciona, planejamento urbano e etc. De se esperar. Em maio eles organizam o festival das flores, onde a cidade é toda enfeitada pra receber turistas e lota de gente. Não tive a oportunidade de conhecer o festejo..

Mas me intrigou a capacidade daquela gente de fazer turismo a partir de pouca coisa. Antes uma ressalva: claro que eles possuem verdadeiras relíquias a céu aberto, como uma linda igreja do período medieval, onde foi gravada a série acima mencionada. Mas junto a isso eles também exibem uma estátua de uma leoa ridícula (que lembra uma lontra), em que há uma mística envolvida: se você tocar na leoa terá sorte. Os turistas, evidentemente, vão até lá pra tocar naquele troço.

Será que não é possível, Pilako, a cidade desenvolver seu potencial turístico? Não poderíamos integrar a cidade num circuito dessa natureza em Pernambuco? Cada elemento pitoresco da nossa terra, cada patrimônio, são pérolas da experiência que um turista quer consumir, como aquela patética leoa nos ensina. Acredito que ganharíamos muito se soubéssemos aproveitar nossas qualidades.

Falo isso porque cada canto aqui eu penso em Vitória, Pilako, sobretudo na questão de como superarmos nossos próprios impasses e desenvolvermos nossa economia, nossa cidade, nossa sociedade, enfim. E me incomoda que aproveitemos muito pouco, quase nada, do nosso potencial turístico.
Elenco alguns:

1 – Vitória, diferente de muitas cidades do interior, possui uma longa história. Felizmente uma boa parte está preservada no Instituto Histórico, hoje aos cuidados de Pedro Ferrer e demais associados do instituto.

2 – Temos o Mercado da Farinha, casarão Deus e Melo, a antiga estação e o sobradinho.

3 – Temos o Iracema, teatro e cinema, que poderia entrar no circuito de cinemas antigos do interior do estado.

4 – Temos uma quantidade grande de poetas, hoje alguns foram recuperados nas pesquisas acadêmicas de Rildo de Deus – nosso poeta contemporâneo maior.

5 – Temos o um circuito próprio de engenhos.

6 – Temos o distrito de Pirituba, que não somente poderia propiciar um turismo rural como também o clima, que em boa parte do ano é frio, poderia abrigar um festival agradável, com atrações, chocolate quente, hospedagem e etc.

7 – Vitória tem um dos maiores acervos de audiovisual e fotografias do interior do estado, a maior parte em posse de proprietários individuais. No mínimo esse material poderia ser digitalizado (Só o acervo de Dilson Lira e Raminho fotógrafo já daria um museu próprio).

8 – o Fórum da cidade possui um depósito enorme de querelas jurídicas antigas que, caso preservadas e documentadas, poderiam recontar a história da cidade, servir de fonte para pesquisadores.

9 – Temos das mais antigas imprensas e jornais do interior do estado. Já pensou um museu do jornalismo?

10 – Osman Lins é vitoriense, apesar de ter passado toda sua vida fora. Onde ele morou, como foi sua infância?

11 – Vitória iniciou o primeiro movimento de reforma agrária da America Latina e preocupou o governo americano, merecendo a visita do irmão de john kennedy. Tudo isto está documentado e guardado nos arquivos de Zito da Galiléia.

12 – as Igrejas da cidade, Rosário, Livramento e Matriz, merecem um roteiro próprio, desde sua arquitetura, eventos religiosos (como procissões ainda vivas) até a recontagem da terrível tragédia que foi a Hecatombe.

Contemporaneamente

13 – no quesito tradição viva, temos os carnavais, maracatu, produção de peças de teatro, cantores, compositores, e etc., todos produzindo.

14 – temos um dos primeiros movimentos de cineclubismo do Estado: cineclube avalovara e tivemos a primeira amostra de cinema da cidade (vai haver a segunda esse ano).

15 – Vitória tem cinema próprio, chamado cinema de borda, que já vai em uma dezena de filmes. Qual cidade do interior tem o privilégio de uma produção assim?

16 – artesãos e artistas plásticos nem preciso mencionar.

Se um dia eu for prefeito, Pilako, desejo erguer três bustos em praça pública, um confrontando o outro: um de Dr. Ivo, um de Elias Lira e outro de Aglailson. Na placa, uma descrição como esta:

“Essas três lideranças marcam a alma do nosso povo, as dores e alegrias de nossa gente, que os amou tanto quanto sangrou. Coube à história a justiça de encerrar o que eles, cúmplices, tanto queriam: erguer seus egos em colosso. Agora, aí está. Nada é feito pra durar.”

Ainda há tempo de resgatar nossa memória! Sou um pessimista ativo.
Lejos arbazos.

André Carvalho.
Correspondente do Blog do Pilako em Barcelona.

Esta entrada foi publicada em Editorial. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *