O RESGATE


Um alcoólico vivia maltratado, atirado na sarjeta, quando, um certo dia, precisou comprar um cinturão e uma carteira. Ao entrar numa loja, foi atendido por uma moça que o despachou, olhando atentamente para os seus olhos. Ele escolheu os objetos de que necessitava, pagou e saiu impressionado. Dias após, ele voltou. Ficou na porta da loja, ali olhando, com um olhar vago, na direção daquela moça que o observava atentamente. Aprochegou-se e, trêmulo de emoção, indagou: – Por que você fica me olhando assim?

E ela, com um sorriso sussurrante, respondeu-lhe com uma pergunta: – Por que você vive assim?

Aí, ele, tímido, quase sem resposta, laconicamente explicou: – Eu sou alcoólico.

Ela tomou-lhe a mão, iluminada de beleza, e prometeu: – Vá para casa, tome um banho, troque de roupa, que eu quero conversar com você.

Um dia, eu o encontrei numa barraca, em frente à Faculdade, vendendo lanche, ao lado de uma mulher insuportavelmente linda.

– Fulano, me dá uma cerveja.

– Eu não vendo bebida, professor.

– O quê? Você deixou de beber?

– Eu me casei com ela.

Os seus olhos brilhavam, úmidos de bons sentimentos. E eu perguntei: – Onde você a encontrou, ainda tem dessa?

Glorioso abraço!

Sosígenes Bittencourt

Esta entrada foi publicada em Fala, Vitória!. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *