COVID-19: valendo-me dos 53 anos vividos, tome a primeira dose hoje!

Com pouco mais de 53 anos  de idade não consigo relatar, com precisão, a quantidade de vacinas que já fui submetido. Ao longo da história o tema “vacina” sempre despertou algum tipo de polêmica.  Lá atrás, convenhamos, até por falta de informações confiáveis. O que não se admite, contudo, é que em plena era da comunicação parte da sociedade ainda traga para o centro do debate esse tipo de questionamento (desconfiança) totalmente descabido, sobretudo no olho do furacão de uma pandemia.

Voltando ao contexto da minha relação particular com o sistema vacinal, relato  que pelo menos em duas ocasiões  a mesma (vacina) ficou marcada. A primeira, por assim dizer,  me transporta aos anos 70 (1975). Ainda criança, na faixa dos 8 anos, escutei muito o nome da doença que aterrorizava a população: Meningite Meningocócica. Lembro que fui levado por meu pai ao posto improvisado no Colégio Dias Cardoso. Quando vi aquela “pistola” fiquei com um medo “arretado”. A “picada” foi tão rápida que até hoje ainda continuo na dúvida se aquele líquido no braço entrou mesmo.

O tempo passou e, no último ano da segunda década do século XXI, eis que nos defrontamos com a tal pandemia do novo coronavírus. Doença nova, sem precedentes e que, inicialmente, deixou a comunidade médica com mais perguntas do que respostas. Em tempo recorde, os cientistas nos indicou o caminho da solução, sem mágica ou pirotecnia. Se a vacina terá outros efeitos, só o tempo dirá, mas que no momento ela é o caminho  comprovado para o mundo voltar  a girar e as pessoas seguirem a diante.

Não menos marcante, hoje, 09 de junho de 2021, pelo critério cronológico (a partir dos 53 anos), estive no Colégio Municipal 3 de Agosto para “tomar” minha vacina contra o COVID-19. Momento singular. Depois de muita espera, finalmente, a nossa vez chegou. Doravante, é redobrar os cuidados e mais adiante tomar a segunda dose,  irmanados na esperança que toda  população planetária, sobretudo a  brasileira, seja imunizada o quanto antes.  Viva a Vacina! Viva a Ciência!

Esta entrada foi publicada em A Lupa. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *