EMENDA  PARLAMENTAR  X  MUSEU  X  ACERVO: um parabéns ao deputado Raul Henry.

Emenda é uma prerrogativa, com amparo legal, que permite aos deputados e senadores destinarem subsídios aos seus redutos eleitorais. Tal iniciativa é criticada por muitos; creem eles que dinheiro nas mãos de políticos é tremendamente perigoso. Outros a defendem; estes pautam-se pelo princípio que ninguém mais que os políticos para conhecerem as carências da sua região. Impulsionado por essa alternativa, nosso Instituto Histórico e Geográfico, através do empresário Alexandre Ferrer, vice-presidente do PMDB estadual, acenou ao deputado federal Raul Henry. A acolhida foi deveras positiva.

Expusemos algumas das nossas deficiências ao dr. Raul Henry o qual em análise com o  dr. Alexandre Ferrer concluiu e atendeu nosso pedido, repassando R$ 100.000,00 (cem mil reais) para a “CASA DO IMPERADOR”. Com a graciosa e valiosa contribuição de Viviane Lima, bióloga lotada na Secretaria de Planejamento, preparamos em tempo recorde nosso projeto e o encaminhamos para o INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS. O projeto foi acatado plenamente. Passa agora para a fase de análise.

A verba da emenda tem objetivos específicos:

1-conservação, catalogação e digitalização dos documentos manuscritos e impressos (inquérito da Hecatombe do Rosário, registros de escravos, atas dos séculos XIX e XX da Câmara de Vereadores, escrituras públicas, jornais, revistas e fotos);

2- treinamento de monitores para acolhimento dos visitantes do Museu;

3 – divulgação do rico acervo do Museu e publicação de revistas e livros;

4 – montagem de exposições e de peças teatrais abordando temas de nossa rica e extraordinária História.

Museu é escola. Museu é vida e esperança. Fomos educados em sentido inverso: Museu é lugar de coisa velha. Que bobagem; quanta insensatez!  As peças de um museu são espelhos do nosso passado. Cada peça tem seu significado, um valor intrínseco. Os óculos de Aragão não são simplesmente óculos. Eles são (foram) de Aragão. O diploma de prefeito de José Augusto Ferrer não é meramente um diploma. É diploma do ex-prefeito. Um título de eleitor é peça banal, mesmo antigo. Todavia, o título de Martha de Holanda tem um significado e sabor diferentes.

Alardeiam que nosso acervo é rico e plural. Sim, ele é rico e plural. Todavia pouco explorado e curtido por nossos conterrâneos. Adianta um rico acervo, sem visitantes? Salva-nos as escolas que levam suas crianças para nos visitar. Temos próximo de 3 mil visitantes anualmente; 97% de escolares.

Os objetivos do projeto visam incutir no público infanto-juvenil o espírito nativista e o amor ao torrão natal. Todos conhecem e repetem o adágio: só se ama o que se conhece. Vamos abrir as cortinas da História, trazer nossas crianças ao Museu para que elas desfrutem de maneira saudável e prazerosa do nosso acervo.

Os visitantes serão acompanhados de monitores caracterizados com roupas das épocas colonial, imperial e republicana (primeiras décadas do século XX). Está, a diretoria do Instituo, ansiosa em dar o primeiro passo para incrementar o turismo cultural em nossa urbe.

Enfim, agradecemos o simpático e operoso gesto do deputado Raul Henry, coadjuvado pelo empresário Alexandre Ferrer. Que outras emendas pousem sobre nosso Instituto.

Pedro Ferrer – presidente do Instituto Histórico e Geográfico da Vitória. 

Esta entrada foi publicada em A Lupa. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *