DO AMOR AOS GATOS OU AILUROFILIA

Tudo na vida tem o seu dia de comemoração, mas os gatos têm dois dias: 17 de fevereiro e 8 de agosto. Apesar de arisco, não se dando com gritaria nem com carinho fora de hora, o bichano é considerado o mais popular do mundo.

Domingo, amanheci com um gatinho miando dentro da casa. De tão novo, não consegui entender como veio parar no jardim. Não conseguiria enguiçar o muro nem penetrar pela brecha do portão. Todavia, não era hora de especular sobre sua invasão. Dei-lhe leite e o coloquei numa caixa, forrada com um pano, para repousar. Ele mordeu o leite e fungou, como se procurasse peito, escorregou, lambuzou-se todo. Depois, deitou-se, espreguiçou-se, suspendeu as patas e começou a se lavar com a língua.

Porém, uma indagação sobrepairava a cena: Quem o ensinou a tomar banho? Quem lhe disse que a “candida albicans” de sua saliva serve de antibiótico para o seu corpo? De uma coisa, já fomos informados: os donos de gatos são mais introspectivos e sensíveis, o que significa dizer que os homens aprendem mais com os gatos do que os gatos com os homens.

Com a palavra, os ailurófilos.

Sosígenes Bittencourt

Esta entrada foi publicada em Fala, Vitória!. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *