Curiosidades Musicais: Maestro Menezes – por Léo dos Monges

interna-homenageado

José Xavier de Menezes – Maestro Menezes – nasceu em Nazaré da Mata – PE, no dia 12 de abril de 1924.

Filho do Teófilo Alves de Menezes e Nicolina Xavier de Menezes. Seu pai tocava trombone e o avô era regente da banda de Nazaré da Mata. Já aos doze anos Menezes tocava trompa na banda revoltosa, daquele município.

Aos 19 anos veio para Recife. Trabalhar na Rádio Clube de Pernambuco, integrando a Jazz Band Acadêmica, comandada pelo Maestro Pádua Valfrido. Na década de 50, José Menezes estudou no conservatório Pernambucano de música, com o Maestro Severino Arvoredo. Como compositor surgiu em 1951, quando gravou o frevo “Freio a Óleo” num LP pela RCA, com a Orquestra Zacarias do Rio de Janeiro.

Em 1960, veio a formação da sua orquestra, que animava o Reveillon do Clube Internacional do Recife. O sucesso foi tanto que Menezes foi convidado para tocar no Balmarqué. José Menezes animou por treze anos o Carnaval do Clube Internacional e depois, em 1974, passou a animar o Carnaval do Clube o Português até 1992.

O primeiro disco de sua Orquestra foi em 1976, pela gravadora Rozemblitz. José Menezes é o nosso terceiro maior compositor de frevo.

Em 2007 e 2008, foi um dos homenageados pela Prefeitura do Recife, sendo lembrando por ser autor do primeiro frevo canção (Boneca) em parceria com Aldemar Paiva. José Menezes faleceu em Recife, no dia 13 de novembro de 2013. Autor de vários sucessos como: Freio a óleo – 1950, Boneca -1953, Terceiro dia – 1960, Ta Faltando Alguém – 1961, Bico Doce, Campeão do VIII Recifrevo em 1996, entre outros.

Entre 1949 a 1997, foram registradas 118 gravações, segundo o pesquisador José Batista Alves.

Freio a Óleo 

[embedyt]http://www.youtube.com/watch?v=Y0TLIgCckkI[/embedyt]

 

Autor: José Menezes

leo

 

Leo dos Monges

Esta entrada foi publicada em Curiosidades Musicais. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a Curiosidades Musicais: Maestro Menezes – por Léo dos Monges

  1. Roselys Cristina Gomes disse:

    Muito saudoso e pouco LEMBRADO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *