BRUNO versus ELISA



Bruno é um gato saltando sobre uma bola, 

mas um leão sobre sua presa.
Elisa era uma graça erótica,

mas uma peregrina da própria desgraça.
Bruno ganhava 200 mil reais para pegar bola,
e Eliza, 200 reais para dar bola.
Bruno deve ser rubro-negro, Eliza ficou rubra e negra.
Bruno e Eliza só eram iguais na “auri sacra fames” 
(sede amaldiçoada pelo ouro).
Bruno engravidou Eliza, e Eliza engravidou de Bruno, 
para a gravidade de ambos.
Bruno era sedento por carne humana,

Eliza foi sua carniça.
Bruno não cria na Justiça, esqueceu a mídia.
Bruno era livre como o Maracanã, anda numa cela.
Bruno seria sádico, Eliza, masoquista,

diria a Psicologia.
Bruno fez-se assassino, Eliza prestou-se ao crime,

diria a Vitimologia.
Bruno ganhava dinheiro que não cabia no cérebro, 
Eliza não tinha cabeça.
Bruno sonha com Eliza, Eliza é um sonho.
Neném triturou Eliza, “enfant terrible”.
Nesse momento, há Elizas dormindo

com os seus Brunos assassinos.
The End
Sosígenes Bittencourt

Esta entrada foi publicada em Fala, Vitória!. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *