O abismo da paixão

É difícil acreditar que Jadielson e Silvânia se atiraram no abismo, de mãos dadas, numa versão shakespeareana de Romeu e Julieta. É mais provável que Jadielson tenha arrastado Silvânia para morrer consigo, o que caracterizaria homicídio e suicídio no mesmo salto. Parece um caso típico de paixão. Dois apaixonados que não conseguiam se desvencilhar dos grilhões da loucura e seguirem em paz. O filósofo alemão Nietzsche dizia que “Há sempre um pouco de loucura no amor, mas há sempre um pouco de razão na loucura.” No fundo, eles, talvez, tivessem razão. Não dava mais para viver. O detalhe é que Silvânia preferia viver sofrendo a perder a vida, e Jadielson não aguentava mais tanta agonia. Era paixão em mão dupla.

O que fora fazer Silvânia, já separada, na Serra das Russas, justamente com Jadielson, sabedora do desespero do ex-marido? É que o apaixonado é sempre um assujeitado, um submetido, ele não tem forças para a paixão. Estavam escravizados por um sentimento sem norte, sem direção, sem noção de causa e efeito. Juntos, se desentendiam; separados, sentiam saudade. Um era a droga do outro, bem descrito nos versos:

Meu vício é você! / Meu cigarro é você! / Eu te bebo, eu te fumo / Meu erro maior / Eu aceito, eu assumo / Por mais que eu não queira / Eu só quero você…

Um desejo, não pelo prazer, mas pelo objeto. Porque prazer que dói se resume em sofrimento. Jadielson e Silvânia morreram na Serra, dando sequência ao abismo em que se atiraram. Andavam abismados.

Desesperado abraço!

Sosígenes Bittencourt

Esta entrada foi publicada em Fala, Vitória!. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a O abismo da paixão

  1. kelvin Mileer disse:

    Perfeito a colocação do grande mestre Sosígenes Bittencourt

  2. Paixão é impressão. Quem está apaixonado, está impressionado. O importante não é a paixão, mas o que se faz com a paixão que se sente.
    Apaixonado abraço!

  3. Sílvia disse:

    Ñ foi nada de abismo da paixão,simplesmente ele rrastou ela para a morte. Ele já havia tentado matá-la outras vezes, mas ñ tinha conseguido.Ela ñ queria morrer,era jovem, linda, e curtia muito a vida. Ele a matou,ñ teve nada de os dois se jogarem juntos, a história é muito mais complicada do que vcs imaginam, porém ñ vou comentar, apesar de tudo o que aconteceu, dessa desgraça, coisa que ñ vai mudar mais, rezemos pela alma dos dois, pois nada trará ela de volta. Ela era doce, meiga e uma ótima mãe, irma e filha. Silvânia nós te amamos e sempre te amaremos e sabemos que vc está num bom ugar. Deus te abeçoe….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *