Campus Vitória abre seleção para 120 vagas em cursos técnicos.

Campus Vitória abre seleção para 120 vagas em cursos técnicos Inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o próximo dia 18

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFPE), recentemente,  divulgou  os editais do processo de ingresso 2021.2. No Campus de Vitória de Santo Antão são ofertadas 120 vagas nos cursos técnicos Subsequentes em Agricultura (40), Agroindústria (40) e Zootecnia (40). Mais uma vez, em virtude da pandemia, o tradicional vestibular não ocorrerá. Todas as etapas do processo para as 2.893 vagas distribuídas nos 16 campi da instituição serão realizadas pela internet. Assim como no último processo, também está mantida a gratuidade da inscrição para possibilitar o acesso a toda a sociedade, nesse momento de crise.

As inscrições podem ser feitas até o dia 18 de julho pelo site cvest.ifpe.edu.br. Do total de vagas oferecidas, 377 são para cursos superiores; 2.129 para cursos técnicos na modalidade Subsequente – para quem já possui Ensino Médio; 352 para cursos técnicos na modalidade Integrado ao Ensino Médio e outras 35 vagas na modalidade Proeja. Serão reservadas 60% de todas as vagas oferecidas para estudantes oriundos da rede pública de ensino. Haverá ainda cotas para pessoas com deficiência, pretas, pardas e indígenas, além de reserva de vagas nos cursos com vocação agrícola para estudantes oriundos do campo.

No momento da inscrição, as pessoas que concorrerão às vagas dos cursos técnicos deverão apresentar histórico escolar ou certificação equivalente. Na modalidade Subsequente, serão avaliadas as notas do 1º e 2º anos do Ensino Médio. O objetivo é não prejudicar estudantes no último ano de seus respectivos níveis que tiveram as atividades de ensino paralisadas por conta da pandemia.

INSERÇÃO DAS NOTAS – Durante o processo de inscrição, o candidato deverá inserir a pontuação obtida nas disciplinas ou provas solicitadas e anexar os documentos comprobatórios das notas, que não poderão exceder 5 MB, em formatos PDF, JPEG, JPG, TIFF ou PNG.

Quem optar pelas notas do ENEM deverá anexar o Resultado do Enem (Boletim), de acordo com a edição escolhida. O documento precisa conter o nome completo do candidato, a edição do ENEM, número de inscrição, CPF, e a íntegra das pontuações obtidas. Só serão aceitas as notas de uma edição do Exame. O candidato deverá ainda inserir manualmente a nota obtida em cada área (Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Ciências Humanas e suas Tecnologias, Ciências da Natureza e suas Tecnologias, Matemática e suas Tecnologias e Redação).

Já quem escolher histórico escolar deverá anexar a cópia digital da frente e do verso do documento. É necessário que constem nome completo do candidato, carimbo e a assinatura ou certificado digital do responsável pela escola. Caso não seja possível anexar o Histórico Escolar o candidato poderá anexar declaração com as médias das disciplinas do primeiro e segundo ano, com assinatura e carimbo do responsável pela escola. Destacamos que os que optarem pelo histórico escolar deverão estar atentos às exigências do edital que estabelece regras em relação às diferenças curriculares.

RETIFICAÇÃO DE INSCRIÇÕES – Uma novidade desta seleção é o processo de retificação de inscrições, criado com objetivo de possibilitar ao candidato que teve o indeferimento da sua inscrição, em virtude de documentações ou informações divergentes, proceder com a correção de dados ou documentos anexados.

Uma lista preliminar das inscrições será divulgada no dia 26 de julho. Nessa ocasião, os candidatos terão a oportunidade de verificar sua situação específica. Os que tiverem a inscrição indeferida poderão consultar o motivo do indeferimento. No período de 27 a 28 de julho, eles terão a oportunidade de retificar dados e até anexar nova documentação. A retificação finalizada será submetida a uma nova análise, cujo resultado será disponibilizado no dia 4 de agosto, juntamente com o resultado preliminar do processo.

A divulgação da relação de aprovados está prevista para o dia 12 de agosto, após a análise de recursos interpostos ao resultado preliminar. Quem for aprovado deverá realizar matrícula a partir do dia 16 de agosto. As datas da matrícula e as do início das aulas variam de acordo com o campus escolhido e constarão no edital de matrícula.

ESCLARECIMENTO DE DÚVIDAS – Para esclarecer dúvidas, o IFPE ampliou os serviços de atendimento aos candidatos. A Comissão Central do Processo de Ingresso 2021.2 criou o canal virtual https://atendimentoingresso.ifpe.edu.br/ que ficará ativo durante todo o período do processo. Também serão realizados atendimentos presenciais em todos os campi da Instituição, em dias e horários específicos, e também por e-mail e por telefone. Os endereços eletrônicos, contatos e as informações relativas ao atendimento presencial em cada campus estão listados no edital, disponível no site cvest.ifpe.edu.br

O CAMPUS –  O Campus Vitória de Santo Antão faz parte do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, o IFPE, uma instituição de educação superior, básica e profissional, pluricurriculares e multicampi, especializada na oferta de educação profissional e tecnológica nas diferentes modalidades de ensino, com base na conjugação de conhecimentos técnicos e tecnológicos com as suas práticas pedagógicas.

O IFPE Campus Vitória de Santo Antão foi criado em 2 de junho de 1954, com o nome de Escola de Magistério de Economia Rural Doméstica. Em 2008, depois de várias denominações, a então Escola Agrotécnica Federal de Vitória de Santo Antão passou a integrar a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, da qual faz parte o IFPE, e passou a se chamar Campus Vitória de Santo Antão do Instituto Federal de Pernambuco.

O processo seletivo para o ingresso de alunos nos cursos Técnicos e Superiores é através do Vestibular Unificado do IFPE, que geralmente acontece entre os meses de outubro e dezembro. Metade das vagas é destinada a estudantes oriundos da rede pública de ensino, que podem optar, no momento da inscrição, pela cota social, racial ou agrícola, esta destinada a oriundos da zona rural e filhos de agricultores. Podem ser realizados processos seletivos simplificados para preenchimento de vagas remanescentes.

O Campus Vitória possui área de 140 hectares e está localizado a cerca de dois quilômetros do centro comercial do município. A ampla estrutura física e pedagógica da instituição inclui laboratórios de pesquisa e de produção, auditório, biblioteca, refeitório, alojamentos, ginásio poliesportivo, salas de jogos, salas de aula, bloco administrativo, entre outros. Atualmente, o IFPE Campus Vitória conta com cerca de mil estudantes, sendo 125 destes em regime de moradia.

A Instituição também possui convênios de cooperação técnica e parcerias com diversos órgãos e instituições de ensino, pesquisa, extensão e produção, visando seu aperfeiçoamento técnico e pedagógico, encaminhando alunos para estágios e alocação de egressos no mercado de trabalho. Hoje, o campus atende não só à população vitoriense, mas cerca de quarenta cidades da região, além de possuir alunos oriundos de outros estados brasileiros.

HISTÓRICO – O IFPE campus Vitória de Santo Antão foi criado em 2 de junho de 1954, com o nome de Escola de Magistério de Economia Rural Doméstica, pela então Superintendência do Ensino Agrícola e Veterinário, do Ministério da Agricultura. No ano de1962, a Instituição passou a se chamar Colégio de Economia Doméstica Rural, cuja finalidade era ministrar cursos agrícolas de 1º e 2º ciclos, bem como cursos de aperfeiçoamento. Em 1967, o colégio passou por novas mudanças, sendo incorporado à Diretoria de Ensino Agrícola – DEA, do Ministério da Educação e Cultura. Neste momento houve, também, reformulação da filosofia do ensino agrícola com a implantação da metodologia do Sistema Escola-Fazenda, que se baseia no princípio “Aprender a Fazer e Fazer para Aprender”.

A Instituição seria hierarquicamente transferida, ainda, para o Departamento de Ensino Médio – DEM (criado em 1970) e, sem seguida, para a Coordenação Nacional do Ensino Agrícola – COAGRI (criada em 1973 e renomeada como Coordenação Nacional do Ensino Agropecuário em 1975).

Nos tempos de Agrotécnica Federal

Em 1979, o colégio recebeu o nome de Escola Agrotécnica Federal de Vitória de Santo Antão e implantou o Curso Técnico em Agropecuária, passando, então, a oferecer duas habilitações técnicas. As atividades pedagógicas da Escola Agrotécnica, que eram realizadas onde atualmente funciona o Centro Acadêmico de Vitória da Universidade Federal de Pernambuco, foram transferidas, em 1985, para o campus situado na Propriedade Terra Preta, zona rural da cidade, passando a vivenciar na prática o sistema de escola-fazenda.

Em novembro de 1986, com a extinção da COAGRI, a escola foi incorporada à Secretaria de Ensino do Segundo Grau (SESG), que mais tarde também foi renomeada, passando a ser chamada Secretaria de Ensino Médio e Tecnológico (SENETE). Em 1992, a SENETE recebeu o nome de Secretaria de Ensino Médio e Tecnológico – SEMTEC, mantendo incorporadas a ela todas as instituições federais de ensino técnico, incluindo a Escola Agrotécnica de Vitória de Santo Antão. Em 1993, a Instituição foi transformada em autarquia, cabendo à SEMTEC as atribuições de estabelecer as políticas para a educação tecnológica e exercer a supervisão do ensino técnico federal. Em 1997 foi implantado o Curso Técnico em Agroindústria, perfazendo um total de três habilitações técnicas oferecidas.

Ensino Técnico e Superior

Em 2001, de acordo com as reformas da educação profissional, a Instituição passou a oferecer o ensino médio desvinculado do ensino profissional, sendo este organizado no sistema modularizado. Passaram a ser oferecidas, então, quatro habilitações técnicas: Agropecuária, Agroindústria, Agricultura e Zootecnia, na modalidade de

concomitância interna, externa ou subsequente. Neste mesmo ano, a EAFVSA, através de Portaria, regulamentou a criação da Seção de Cursos Técnicos Especiais – SCTE, e, a partir de então, passou a oferecer cursos básicos de curta duração, visando à qualificação e requalificação de trabalhadores para atuarem nos diversos setores produtivos.

Em maio de 2004, por força do Decreto nº 4.877, de 13 de novembro de 2003, que regulamenta o processo de escolha dos diretores gerais das IFEs, a Instituição elegeu, com a participação de todos os segmentos da comunidade escolar, a sua Direção-Geral, iniciando assim um novo modelo de gestão e administração. Ainda em 2004, a SEMTEC passa a ser denominada Secretaria da Educação Profissional e Tecnológica – SETEC, encarregada de implementar as políticas de educação profissional no país, desvinculando a educação profissional do ensino médio. Com a nova estrutura, a definição das políticas do ensino médio passou a ser competência da Secretaria de Educação Básica – SEB. Essa mudança provocou alterações na estrutura da EAFVSA.

Em 2005, a Instituição voltou a oferecer cursos no sistema de currículo integrado: Curso Técnico em Agropecuária e Curso Técnico em Agroindústria, mantendo a modularização apenas no nível subsequente (cursos voltados para quem já concluiu o Ensino Médio), com as habilitações técnicas em Agricultura, Zootecnia e Agroindústria. Em 2008, foi instituída a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, da qual faz parte o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco. A Escola Agrotécnica Federal de Vitória de Santo Antão passou a denominar-se, então, Campus Vitória de Santo Antão do Instituto Federal de Pernambuco.

Assessoria de Comunicação. 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *