Momento Cultural: Bolso de Menino – por ALBERTINA MACIEL DE LAGOS

Profª Albertina Maciel de Lagos

(Jogralizado para o “Dia da Criança” por uma comissão de professores da Secretaria de Educação e Cultura)

– Olá, meu petiz, peralta vadio
esculte uma cousa, chegue-se a mim…
– Por que está a enumerar
e, cuidadoso a guardar
tanta bugiganga
no seu bolso de “menino levado”,
que só faz diabruras
de ninguém poder mais suportar?
esvazie o seu bolso.
Quero ver
o que, com tanto egoísmo
colecionou
e nele guardou!
– O gente!…
o senhor é fiscal
para me “correr”?
não fiz nenhum mal
para assim proceder.
– Não, meu petiz,
apenas quis
que você mostrasse os brinquedos
que o seu bolso contém,
porque fazendo,
recordo, agora,
o tempo de outrora
quando, como você
era eu menino, também.
– Não se zangue, por isso, amiguinho,
é, com ansiedade
que, movido pela Saudade,
quer ver, se os brinquedos seus
são iguaizinhos aos que foram meus.
– pois bem, velho amigo do papai,
ser feita, agorinha, vai
a sua vontade…
e, aqui, em suas mãos,
o meu bolso de menino
tão traquino,
recheiado de brinquedos
que, só pra você, vou contar
e enumerar

1º) Repare bem: um bonito pinhão
que jogo, sem canseira,
com afiada ponteira, (joga o pinhão)…
e que, de tanto rodar e zunir (apara-o),
fazendo: zum… um… um… um!
parece até dormir,
e, como gente, sonhar, sonhar!

2º) A atiradeira!…
Chi!… com um seixinho
marco o alvo tão certinho
que na escapa
num tremendo: “bateu, morreu! (atira)

3º brinquedo, meu velho
bolinhas de gude!…
ah! nem é bom falar
nas frequentes jogadas
nas calçadas! (joga um instante)

4º) Agora vem o realejo!…
outro brinquedo não vejo,
mais divertido,
que faça sambar
e até rebolar
a meninada
desenfreiada! (toca e samba)

5º) tampinhas de garrafas!…
Com elas faço rodas de carrinhos
que se põem a locomover
em disparada a correr (mostra e movimenta um)
6º) brinquedo: – caixa de fósforos para acender
(acende depressa um fósforo)
– Um perigo!… (grita a mamãe
Com fogo, menino, não se deve brincar
porque um incêndio pode lavrar!

7º) Agora é a vez do apito!…
Lá, em casa, fica tudo taciturno
quando, imitando o Guarda Noturno,
resolvo, então,
sem a devida licença esperar,
apitar, apitar, apitar, assim: (apita forte)
(Continuando a esvaziar o bolso):
– “O restinho nada vale”
filme quebrado
ponta de lápis,
caixa vazia…
– Pronto! Eis, meu amigo,
um bolso recheiadinho
de menino levadinho!
– Então, ficou satisfeito?…
– Mas… que vejo?!… Que é isto?!…
Por que, meu amigo está chorando…
e as lágrimas, assim, enxugando?!…
– E que, também, fui criança,
e, não me sai da lembrança
o tempo que,
como você,
meu petiz,
fui puro, bom,
alegre e feliz!
(SILENTE QUIETUDE – ALBERTINA MACIEL DE LAGOS – pág. 45 a 47).

Esta entrada foi publicada em O Tempo Voa. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *