O Tempo Voa: Margens do Rio Itapacurá

MARGEM DO ITAPACURÁ POR TRAZ DO RANCHO DE ANIMAIS – DÉCADA DE 1960.

Esta entrada foi publicada em O Tempo Voa. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

8 respostas a O Tempo Voa: Margens do Rio Itapacurá

  1. Manoel Carlos disse:

    Quem é o energúmeno que está nominando o Rio Tapacurá de “i”tapacura?

  2. Melicio Oliveira disse:

    Manoel, o “energúmeno” que descobriu que “Tapacurá” não existe foi o nosso nobre amigo André Fontes após pesquisas. Itapacurá significa “rio da pedra que tampa” ou rio da pedra tampada” isso em alusão as pedras ao longo do rio. Segundo André, Tapacurá em Tupi Guarani não quer dizer nada.

  3. Manoel Carlos disse:

    Amigo Melício “alegare nom probare, non probare” portanto alegar e não provar de nada vale.
    Se o nosso amigo André Fontes tem algum registro histórico do que alega, que traga ao nosso conhecimento.
    Vejo um bando de “meninos” “intelectuais” hj em dia defendendo essa novidade kkkk
    Nunca vi el livro algum a palavra ITAPACURÁ, mas do jeito que estão inventando me parece que a mentira se tornará verdade.

  4. marcone disse:

    na realidade a mentira que virou verdade,foi a falta de estudo e conhecimento da língua Tupi Guarani, quando se colocou o nome do rio Tapacurá.a pesquisa do André Fontes,foi baseada em cima da língua Tupi Guarani,fato de credibilidade da pesquisa.provando que a palavra Tapacurá nessa língua não existe e sim a palavra Itapacurá. pesquisa que resgata a origem verdadeira da palavra em Tupi Guarani.é uma pesquisa para a informação e conhecimento da História desse rio que foi e está desprezado pelas autoridades governamentais.

  5. Manoel Carlos disse:

    Volto a dizer: cd a pesquisa?
    Cd a prova de que o nome do Rio era Itapacurá?
    Até poderia ter sido esse nome, mas nunca vi ninguém chama-lo assim….
    Querer conjecturar historicamente não traz valor de verdade algum!

  6. marcone disse:

    meu irmão,não estou afirmando que existe ou já existiu algum livro que nomine o rio de Itapacurá,tão pouco que as pessoas no passado pronunciavam dessa forma.
    o que a pesquisa leva a entender,é que, o que descobriu não foi isso,livros que continha essa grafia,e sim que á época que deram esse nome ao rio de Tapacurá,fizeram de forma equivocada,talvez por desconhecimento da origem indígena da palavra ,ou pelo modo errado que os habitantes das regiões ribeirinhas os pronunciavam.e a pesquisa descobriu que:
    O nome Itapacurá, é de origem indígena, e faz referência às muitas pedras existentes no leito do rio que afunilam o fluxo de suas águas.
    “Tapacurá não existe. Nos dicionários da língua Tupi-Guarani não existe essa grafia, mas sim Itapacurá. Durante meus estudos descobri o seguinte:
    que I (substantivo) é rio, água;
    ITÁ (substantivo) é pedra;
    PA (substantivo) é espaço;
    CURA (verbo) é tampar, fechar.
    Fazendo a aglutinação das palavras indígenas teremos: I (rio) + ITA (pedra) + PA (local) + CURA (fechar, tampar), ou seja, Itapacurá”, afirma o historiador.
    Na pior das hipóteses, com esta supressão, a palavra TAPACURÁ significaria “pedra tampada” ou “pedra que tampa”; a função de rio estaria condenada.mas o importante é saber que não podemos impor nada as consciências de ninguém,mesmo que seja através de pesquisas.mas não devemos classificar alguém que está nominando o rio de Itapacurá de “energúmeno”.afinal devemos o respeito mútuo,pois vivemos em um país em sua grande maioria de cristãos.e as pesquisas também existem para isso,descobrir acertos e erros do passado,nesse caso,a História do nome do nosso rio.se algum especialista da língua indígena Tupi Guarani nos mostrar que essa pesquisa está errada,aí sim ,teremos que rever e reconsiderar esses conceitos da pesquisa.

    • Manoel Carlos disse:

      Com isso vc não justifica nada.
      Historicamente o Rio é nominado de TAPACURÁ, e se deve respeitar o vocábulo usado.
      E outra coisa: sugiro qye vc estude o sentido da palavra respeito.
      Energúmeno é pouco para nominar quem queira faze estória em cima da história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *