Curiosidades Musicais: Ismael Silva – por Léo dos Monges

Ismael Silva

Milton de Oliveira Ismael Silva, nasceu em Niterói no dia 14 de Setembro de 1905.

Ismael Silva não era do Estácio de Sá e sim da praia de Jurujuba, Niterói, onde nasceu. Aos três anos morreu-lhe o pai, o operário Benjamim da Silva, que deixou de herança para a mulher, Dona Emília Corrêa Chaves apenas cinco filhos para criar. Ismael era o filho mais novo do casal. Dona Emília foi para o Estácio, lugar de gente pobre como ela. Mas, para ganhar a vida lavando roupa, teve de distribuir a criançada entre os parentes. O pequeno Ismael foi viver com a tia Carola na Rua São Diniz, na subida do morro de São Carlos. Só aos seis ou sete anos voltou a morar com a mãe e os irmãos, na Rua do Bispo, no Rio Comprido, a um passo do Estácio.

Para estudar, Ismael teve que criar um caso. A mãe era analfabeta, não sabia como era importante fazer os filhos aprender a ler e escrever. Além disso, trabalhava o dia inteiro, não tinha tempo para levar as crianças à escola. O pequeno Ismael via os outros garotos estudando. Todo dia pedia a mãe para levá-lo. Todo dia Dona Emília repetia a mesma resposta:

– Amanhã eu levo.

Um dia o próprio Ismael resolver a o problema. Sem ninguém da casa saber, foi a uma escola e entrou na primeira sala que encontrou. A professora espantou-se ao ver o pequeno estranho parado junto à porta: um crioulinho sujo, raquítico. Talvez quisesse uma esmola.

– O que você quer, menino?

– Eu quero estudar, aprender a ler.

O espanto da professora foi maior ainda, mas no dia seguinte Ismael estava matriculado e já de livro na mão. A vontade de aprender era tanta que ele logo se destacou como aluno aplicado, passando na frente dos outros. Terminou o primeiro livro antes de todos, ficou então com o encargo de tomar conta dos alunos mais atrasados, ensinando-lhes o que já aprendera. Ia sempre ao quadro negro, para ensinar tabuada aos colegas.

Aos 15 anos Ismael fez o seu primeiro samba, “Já Desisti”, que nunca foi gravado.

Em 1925, aos vinte anos, Ismael Silva lança seu primeiro sucesso, Me Faz Carinho, gravado pelo pianista Cebola (Orlando Tomás Coelho). É o começo da conquista da cidade, depois de já conquistado o Estácio, onde ele era conhecido em todas as rodas de samba.

Em 1928 Ismael e seus companheiros do Estácio formaram um bloco chamado “Deixa Falar”, que desfilou em 1929 ao som de um ritmo mais acelerado do que o ritmo dos ranchos, com surdos e tamborins marcando esse novo andamento, o samba. Esse bloco foi o precursor das escolas de samba.

O sambista Ismael Silva participou de uma série de shows em universidades, sendo reconhecido como um mito da MPB, ou ainda nas palavras de Vinicius de Moraes, “São Ismael”, um apelido carinhoso.

O bloco “Deixa Falar” seria em escola de samba, pois formaria professores de samba! A Escola desfilou de 1929 a 1931, e consta que não teve continuidade pela perda de dois de seus fundadores, Nilton Bastos, que morreu de tuberculose em 8 de setembro de 1931 e Edgar Marcelino, que foi assassinado numa roda de jogo em 25 de dezembro do mesmo ano. Desiludido, Ismael mudou-se para o centro, e a escola, que já tinha plantado a semente das escolas de samba, teve seu precoce fim.

Enfim, desapareceu. Houve até quem o julgasse morto. Sozinho, triste, sem dinheiro, perambulou por aí. Sabe-se que foi morar com uma irmã e alguns sobrinhos, mas de repente desapareceu. E só voltou ao convívio dos amigos e familiares a partir da década de 50, quando teve seu grande sucesso “Antonico” gravado por Alcides Gerardi.

1963 ficou muito doente, sofrendo com uma úlcera varicosa.
em 1964 fez algumas apresentações no Zicartola. A genialidade de Ismael está contida em suas músicas. Sua obra influenciou diversos compositores de várias décadas, entre tantos, Chico Buarque.

Em dezembro de 1977 Ismael foi operado da úlcera varicosa que tinha na perna. No ano seguinte, um pouco antes do carnaval, teve princípio de enfarte, mas foi socorrido a tempo. Mas, em 14 de março de 1978, um fulminante ataque cardíaco o levou. Ismael Silva compôs mais de uma centena de músicas, a maioria sambas, e poucas marchas. Entre elas: Ao Romper da Aurora, Antonico, Me Faz Carinho, Adeus, Se Você Jurar, Uma Jura que eu Fiz, Contrastes…

Marginalizado, no fim dos anos 30. Ismael perdeu o apoio de cantores como Chico Alves e Mário Reis, que haviam sido de importância fundamental em seus dias de Glória, divulgando o que ele fazia. Em 1950, afinal, fez as pazes com o sucesso, através desse samba, gravado por Alcides Gerardi, que tornou Ismael conhecido pela nova geração.

“Antonico” Mostra uma conformação do compositor aos novos tempos: Seu ritmo é mais moderado e a letra não faz referência a amores sofridos. Agora, certo Antonico é solicitado a ajudar um tal Nestor, “que está vivendo em grande dificuldade” – Como Ismael, que na época passava por dificuldades financeiras.

ANTONICO.

AUTOR: ISMAEL SILVA

Ô Antonico
Vim lhe pedir um favor
Que só depende de sua boa vontade
É necessária uma viração pro Nestor
Que está vivendo em grande dificuldade
Ele está mesmo dançando na corda bamba
Ele é aquele que na escola de samba
Toca cuíca, toca surdo e tamborim
Faça por ele como se fosse por mim

Até muamba já fizeram pro rapaz
Porque no samba ninguém faz o que ele faz
Eu hei de vê-lo muito bem
Se Deus quiser
E agradeço pelo que você fizer

 

leo

 

Leo dos Monges

Botão RSB

Esta entrada foi publicada em Curiosidades Musicais. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *