Curiosidades Musicais: MILTON NASCIMENTO

milton

Nasceu no Rio de Janeiro, 26 de outubro de 1942. Filho de Maria do Carmo Nascimento, uma empregada doméstica, que foi mãe solteira. Faleceu de tuberculose antes da criança completar dois anos. Milton ficou entregue aos cuidados da avó. Uma das filhas do casal para o qual sua mãe trabalhava propôs adotar Milton, a avó concordou. Fora acolhido por Minas Gerais. O casal Lília Silva Campos e seu marido, Josino Brito Campos.

Numa especial cortesia das massas andorinhas, fabricadas com ovos frescos e a melhor farinha, a ZYV-36, Rádio Clube de Três Pontas, está apresentando… Você pede a música, um programa onde quem manda é o ouvinte! E dando prosseguimento à seleção de hoje, vamos atender ao pedido de Neusa Imaculada, da Rua XV de Novembro. Neusa quer ouvir Desafinado, música esta que dedica ao Jorginho da Caldeira como prova de sincera afeição…

Talvez Neusa Imaculada tivesse mesmo bom gosto, mas o mais provável é que ela nem existisse: o “ouvinte” que mandava no programa era o próprio DiscJockey, que desandava a ouvir seus João Gilbertos e seus Henrys Mancinis.

Além de trabalhar como radialista e estudar num curso técnico de contabilidade, o dono do programa tocava violão e cantava no Luar de Prata, um conjunto vocal “Assim na base dos Platters americanos”, segundo ele. Já em avançada adolescência, precisava de dinheiro para “pagar o cinema e as biritas”.

Ademais, no ambiente da rádio, ele estava “em casa”, seu pai era o diretor da estação.

Vivia em clima doméstico: Seu pai era o professor de matemática, bancário que se formou em eletrônica e que seria ainda radioamador. E mesmo na música, cantando no Luar de Prata, levava o respaldo do lar (sua mãe fora aluna de Villa-Lobos), ou seja, o rapaz seguia na vida cantando com o apoio da família adotiva. Também conhecido pelo apelido de Bituca, por causa do bico que fazia quando era contrariado.

Gravou a primeira canção, Barulho do trem, em 1962. Em Três Pontas (MG), integrava ao lado de Wagner Tiso o grupo W’S Boys, que tocava em bailes. Mudou-se para Belo Horizonte para cursar Economia, onde tocando em bares e clubes noturnos, começou a compor com mais frequência; datam dessa época as composições, Novena e Gira Girou (1964), ambos com Márcio Borges.

Tem como parceiros e músicos que regravaram suas canções, nomes como: Wayne Shorter, Peter Gabriel, Sarah Vaughan, Pat Metheny, Gal Costa, Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Elis Regina.

Já recebeu 5 prêmios Grammy. Em 1998, ganhou o Grammy de Best World Music Album in 1997.

Milton já se apresentou na América do Sul, América do Norte, Europa, Ásia e África.

Entre outros sucessos destacam-se: Maria, Maria (1978, com Fernando Brant) e a interpretação de Coração de Estudante (Wagner Tiso), que se tornou o Hino das Diretas Já (Movimento sócio-político e reivindicação por Eleições diretas em 1984) e dos funerais de Tancredo Neves (1985). Posteriormente, a Canção da America que versa sobre a amizade, foi o tema do fundo dos funerais de Ayrton Senna (1994).

Em 2010 Milton foi o homenageado do Festival internacional do Corais (FIC) de Belo Horizonte. No encerramento do Festival Milton esteve presente e recebeu uma homenagem de mais de mil vozes que cantaram uma composição de Fernando Brant e Leonardo Cunha “A Voz Coral” feita especialmente para o homenageado.

Travessia (Milton Nascimento e Fernando Brant) do LP Odeon nº 3869 de 1975. A gravação original é do próprio Milton, com arranjo de Luis Eça e foi feita em 1967 na Codil.

Com essa composição, Milton lançou sua voz e seu violão numa trilha até então pouco explorada na música popular: A toada do centro do país (“A música que soa como o carro de Boi de nossa terra”, no dizer de Márcio Borges), usada numa hábil fusão com elementos do jazz ouvindo em Trespa (Três Pontas) e da Bossa Nova da noite Belo-Horizontina.

O êxito da composição, segunda colocada no (FIC) de 1967, fixou de vez o nome de autor recém-chegado de Belo Horizonte, nos grandes centros do país. E foi ainda Travessia com uma letra bilíngue e rebatizada Bridges, que lançou Milton no mercado Americano.

Travessia

Quando você foi embora fez-se noite em meu viver
Forte eu sou mas não tem jeito, hoje eu tenho que chorar
Minha casa não é minha, e nem é meu este lugar
Estou só e não resisto, muito tenho prá falar

Solto a voz nas estradas, já não quero parar
Meu caminho é de pedras, como posso sonhar
Sonho feito de brisa, vento vem terminar
Vou fechar o meu canto, vou querer me matar

Vou seguindo pela vida me esquecendo de você
Eu não quero mais a morte, tenho muito que viver
Vou querer amar de novo e se não der não vou sofrer
Já não sonho, hoje faço com meu braço o meu viver

Solto a voz nas estradas, já não quero parar
Meu caminho é de pedras, como posso sonhar
Sonho feito de brisa, vento vem terminar
Vou fechar o meu canto, vou querer me matar

leo

 

Leo dos Monges

Botão RSB

Esta entrada foi publicada em Curiosidades Musicais. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

4 respostas a Curiosidades Musicais: MILTON NASCIMENTO

  1. Milton Nascimento é um belo exemplo de RESILIÊNCIA,
    reação positiva às adversidades da vida.
    Em contrapartida, há tantos que têm tanto
    e não dão pra nada na vida.
    Bill Gates, no auge de sua riqueza, saltou de helicóptero
    numa escola secundária e disse para os alunos:
    A vida não é fácil – acostume-se com isso.

  2. Pingback: Prof. Sosígenes Bittencourt comenta na coluna Curiosidades Musicais desta semana | Blog do Pilako

  3. milton disse:

    isso e uma merda de musica mesmoo !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>